sexta-feira, 23 de junho de 2017

Lançamento de O Porto das Almas de Lars Kepler


Ontem fui ao lançamento do novo livro de Lars Kepler, pseudónimo de uma dupla de escritores suecos. Apesar de não ter gostado muito deste título, sou uma grande fã de Kepler e não poderia deixar de estar presente.






Levei todas as suas obras. Não fazia sentido não as levar todas quando tenho um carinho especial pelas tramas protagonizadas por Joona Linna.


O evento foi muito bem conduzido por Ana Agostinho que fez algumas perguntas interessantes aos autores. Estes explicaram que o nome Lars Kepler tem inspiração num dos nossos autores suecos preferidos, Stieg Larsson e elegeram o thriller como dos géneros preferidos. Depois de ler tantos e ver tantos filmes, não tinham como não enveredar por este género. Desmistificaram um pouco sobre o seu processo de escrita, análogo ao da outra dupla que conheci, Erik Axl Sund, a escrita a quatro mãos e troca de impressões via email.
Sobre o novo livro, relataram que este tem uma inspiração muito pessoal: o pai de Alexander teve que colocar um pacemaker e aquando a intervenção cirúrgica, teve uma pausa cardiorrespiratória de 5 minutos. Felizmente, ele sobreviveu, confidenciando mais tarde à família que durante o tempo em que esteve entre a vida e a morte foi parar a um porto. Seria o Porto das Almas sobre o qual assenta a nova história de Kepler.

Foi um final de tarde muito bem passado. Gostaria de endereçar os meus agradecimentos à Porto Editora por nos ter proporcionado este encontro com os autores. Valeu mesmo a pena e os meus exemplares de Lars Kepler tornaram-se mais especiais.


quinta-feira, 22 de junho de 2017

Lars Kepler - O Porto das Almas [Resultado Passatempo]


Com a preciosa colaboração da editora Porto Editora, a menina dos policiais tinha um exemplar do livro O Porto das Almas de Lars Kepler para oferecer.
Desde já agradeço à editora e aos participantes que contribuíram para o sucesso deste passatempo. Com 64 participações válidas, as respostas correctas eram:

1. O Porto das Almas é o primeiro livro de uma série de Lars Kepler. Como se chama essa série? Playground
2. Como se chama a protagonista desta nova série? Jasmin
3. Qual foi o primeiro livro publicado em Portugal por Lars Kepler? O Hipnotista

Note-se que este passatempo tinha uma particularidade facultativa: quem partilhasse o passatempo no Facebook, no seu mural e de forma pública, a participação era duplicada. Assim, quem participaria na posição 1 e cumprisse este requisito, participa com os números 1 e 2. O objectivo era divulgar o blogue aos amigos :)

E após um sorteio no random.org, a vencedora é:

12 - Cristina Gaspar













Parabéns à vencedora!!! O prémio ser-te-á entregue hoje, no evento às 18h30 na Fnac do Centro Comercial Colombo.
A todos os que tentaram mas não conseguiram, não desistam pois terei o maior prazer em fazer estes passatempos! Boa sorte e boas leituras para todos!

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Ruth Ware - A Mulher do Camarote 10 [Divulgação Clube do Autor]


Data de publicação: 5 Julho 2017

               Título Original: The Woman in Cabin 10
               Preço com IVA: 17,50
               Páginas: 344
               ISBN: 9789897243806

Ruth Ware.
Se o nome lhe é familiar talvez isso se deva às muitas comparações a Agatha Christie ou então porque ainda tem presente o primeiro livro da autora publicado em Portugal, Numa Floresta Muito Escura. 
A autora está de volta às livrarias nacionais com A Mulher do Camarote 10, um thriller pleno de suspense e reviravoltas, à boa maneira da talentosa escritora britânica.

Sinopse: Tudo começa com um convite inesperado para uma viagem de sonho. Lo Blacklock, jornalista, recebe um convite irrecusável: acompanhar a primeira viagem do cruzeiro de luxo Aurora Borealis. O serviço é exclusivo e a bordo estão vários empresários e pessoas influentes da sociedade. No entanto, a viagem ganha outros contornos para jornalista. Certa noite, testemunha aquilo que acredita ser um crime no camarote ao lado do seu.
Desesperada, denuncia o ocorrido aos responsável pela embarcação. Ninguém acredita na sua versão pois todos os passageiros continuam no navio. Blacklock decide investigar o crime por conta própria. Colocando a carreira e a própria vida em risco, ela não vai descansar enquanto não encontrar resposta para o mistério do camarote 10.
“Não aconteceu nada. Estamos todos seguros. Para de procurar."

Sobre a autora: Ruth Ware cresceu em Lewes, em East Sussex. Depois de se formar pela Universidade de Manchester mudou-se para Paris, antes de se estabelecer no norte de Londres. Casada, com dois filhos pequenos, trabalhou como empregada de mesa, livreira, como professora de Inglês de língua estrangeira e assessora de imprensa. O seu thriller de estreia, Numa Floresta Muito Escura, foi um bestseller do Sunday Times e do New York Times Top Vinte.


Robert Bryndza - A Rapariga no Gelo [Divulgação Alma dos Livros]


Data de publicação: 23 Junho 2017

               Título Original: The Girl On Ice
               Preço com IVA: 17,45€ 
               Páginas: 336
               ISBN: 9789899970588

OS SEUS OLHOS ESTÃO ABERTOS.
OS SEUS LÁBIOS PARECEM QUERER FALAR.
QUE SEGREDOS ESCONDE... A RAPARIGA NO GELO?

Sinopse: Quando um rapaz descobre o corpo de uma mulher debaixo de uma espessa camada de gelo num parque do sul de Londres, a inspetora-chefe Erika Foster é imediatamente chamada para liderar a investigação.
Ao mesmo tempo que luta contra os seus demónios pessoais, enfrenta um assassino altamente mortífero e que se aproxima tanto mais dela quanto mais próxima ela está de expor ao mundo toda a verdade. Conseguirá Erika apanhar o assassino antes de ele escolher a próxima vítima?

A vítima, uma jovem bela e rica da alta sociedade londrina, parecia ter a vida perfeita. No entanto, quando Erika começa a investigar o seu passado, vislumbra uma relação entre aquele homicídio e a morte de três prostitutas, encontradas estranguladas, com as mãos amarradas, abandonadas nas águas geladas de outros lagos de Londres.

Sobre o autor: Robert Bryndza é autor, entre outros, do bestseller internacional A Rapariga no Gelo, n.o 1 na Amazon, no USA Today e no The Wall Street Journal. Os seus livros venderam cerca de dois milhões de exemplares e foram, até ao momento, traduzidos em 26 idiomas.
Pode descobrir mais sobre o autor em www.robertbryndza.com, no Twitter e no Instagram @RobertBryndza

Imprensa
«De vez em quando, um livro faz-nos largar tudo... este é um desses livros!»
Crime Book Junkie

«Perfeição absoluta!... Mas que grandes reviravoltas! Houve momentos em que achei que tinha percebido tudo, mas estava mais do que errado! Um livro fantástico!»
The Eternal Optimist

«Uma leitura empolgante – depois de começar, é difícil largá-la.»
Rachel Abbott



terça-feira, 20 de junho de 2017

Shari Lapena - O Casal do Lado [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Já andava com este thriller debaixo de mira, The Couple Next Door e devido a várias recomendações, já tinha o ebook em inglês para ler. No entanto, tive uma notícia estrondosa: a Editorial Presença iria publicar esta obra. Iria aguardar, com certeza, para ler esta história na minha língua materna.
No dia do encontro de leitores da editora na Feira do Livro de Lisboa, fui surpreendida com a oferta deste livro (endereço novamente os meus agradecimentos à editora!) e tive o prazer de apreciar O Casal do Lado em ante-estreia. O livro será publicado amanhã, dia 21. 

Li avidamente esta obra em apenas dois dias e quero registar as minhas considerações sobre uma história que, numa primeira análise, reúne muitas semelhanças com o mediático caso dos McCann.

Por norma, histórias de desaparecimentos de crianças consubstanciam um tema pesado que se torna ainda mais intenso quando a vítima é um bebé. Pessoalmente, desde as primeiras páginas, senti-me enredada naquele desaparecimento, envolto em circunstâncias estranhíssimas e confesso até que nunca descartei a hipótese de ter havido um infanticídio. Teria este desaparecimento proporções mais trágicas?

Contudo devo ainda afiançar que este sentimento de pesar não se instalou devidamente. Primeiro, pelos meus juízos de valor (inevitável não tecê-los): como é que uma mãe deixa uma bebé de apenas 6 meses sozinha em casa e ingere bebidas alcoólicas em pleno período de amamentação? 
Segundo, pela acção da trama, ingrediente responsável pela minha ávida leitura. Perante tantas reviravoltas, só pensava nas várias alternativas para o desenvolvimento deste caso tão ímpar. Estava completamente embrenhada naquele mistério.

O que gostei mais, aliado aos vários twists foi, indubitavelmente, a caracterização psicológica dos pais e o desvendar de segredos aliados ao casal, Marco e Anne, bem como à interacção destes com os pais de Anne, os vizinhos do lado e outras personagens com papéis mais fugazes. Note-se que existe um número restrito de personagens pelo que se torna difícil eleger culpados ou levantar hipóteses que expliquem o desaparecimento da bebé Cora, intensificando a curiosidade e a inquietação do leitor em saber o que terá, realmente, acontecido.

Os capítulos são curtos, factor que contribui para as leituras vorazes. Enquanto combatia o sono, dizia para mim "Verovsky, lês só mais um capítulo", um mantra que se repetiu em duas madrugadas. 
Por último, o livro é curto, inibindo o teor de informações supérfluas. É, como afirmei anteriormente, uma obra repleta de acção e de momentos surpreendentes. Nunca me maçou, antes pelo contrário, sempre aguçou a minha curiosidade, daí esta voracidade de leitura de O Casal do Lado.

A conclusão do caso pareceu-me verossímil, embora seja de difícil previsão. Não imaginaria, nas minhas mil e uma hipóteses, que a chave do mistério residisse naquela personagem.
Senti-me, por diversas vezes, perplexa, percepção intensificada aquando o clímax da história. Nas últimas linhas há um acontecimento final que me deixou absorta.

Em conclusão, fica uma grande satisfação em ler este thriller. Achei-o muitíssimo bem conseguido. E é já publicado amanhã para que o possam apreciar tanto quanto eu.

Para mais informações sobre o livro O Casal do Lado, clique aqui
Para mais informações sobre a Editorial Presença, clique aqui


Lars Kepler - O Porto das Almas [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: É com algum desconforto que teço algumas considerações pessoais sobre a nova obra de Lars Kepler, a primeira de uma série denominada Playground. Estava com demasiadas expectativas, afinal de contas, sou fã acérrima da dupla e acompanho-os desde a publicação de O Hipnotista, que remota a 2010.

A presente obra desvia-se totalmente dos enredos protagonizados pelos inspector finlandês Joona Linna, centrando-se num local pouco habitual, uma espécie de limbo entre os mortos e os vivos, um elemento que à partida, e numa perspectiva pessoal, se torna pouco convincente. Não me tendo despertado um particular interesse, toda a acção que tinha lugar neste cenário pareceu-me incongruente. 

Além disso, desde os primeiros instantes, tive uma sensação que que o autor não era Lars Kepler. Recordo-me de sentir aquele frio na espinha com as descrições sombrias. Li Stalker, o último livro protagonizado por Linna por cá, durante o período da noite e as sensações de medo eram palpáveis. Falo de Stalker, mas creio que é consensual, a escrita da dupla é rica em percepções sensoriais. Porém, a descrição deste dito limbo da Vida e da Morte não foi, na minha opinião, suficientemente tenebrosa ao ponto de me sentir indiferente ao mesmo.

Dos pontos positivos destaco as personagens. Não existindo uma relação de familiaridade como Joona Linna mantinha com os leitores da série, posso dizer que o meu primeiro contacto com Jasmin foi muito positivo. A protagonista feminina mostrou-se estar à altura, sendo caracterizada como uma mulher determinada, com garra. Uma mãe leoa para com Dante. 

Gostei das questões que o enredo foi levantando e que, a meu ver, configuram-se como dignas de interesse e convidam o leitor a reflectir sobre o sentido da vida e no quão efémera esta pode ser. 

Para desfrutar deste livro, o leitor terá que ir open minded e, acima de tudo, que esta série, a avaliar pelo primeiro volume, nada tem a ver com a que é protagonizada por Linna. Há duas ilações que tiro, perante a leitura desta obra: a primeira, de cariz mais pessoal, relaciona-se com o meu estado de espírito, absorta pela surrealidade da história. Eu que adoro Lars Kepler, considero que existe um fosso entre esta obra e as demais publicadas. A segunda ilação a tirar relaciona-se com a versatilidade de Kepler em tecer tramas diferentes dentro do género de thriller. Confesso que esta nova fórmula não me interessou particularmente. Os meus preferidos continuam a ser O Hipnotista e O Homem da Areia. Nutro um especial carinho pela Vidente e pelo Stalker. As obras foram avaliadas com 4 e 5 no Goodreads, sendo esta a primeira vez que dou uma classificação mais baixa a uma obra de Kepler.

Não obstante esta minha percepção à nova obra, não me demito do cargo de fã. Continuarei a seguir atentamente os seus trabalhos, com especial ênfase naqueles em que entra Jonna Linna e dia 22 lá estarei para os saudar.


Michelle Adams - Se Conhecessem A Minha Irmã [Divulgação Planeta]


Data de publicação: 21 Junho 2017

               Título Original: My Sister
               Preço com IVA: 17,99€ 
               Páginas: 312
               ISBN: 9789896579142

A estreia electrizante de um novo talento internacional no género do suspense psicológico.
Publicação em 20 países e direitos cinematográficos já vendidos.
Jogos de sombras, de fantasmas e de espelhos e uma tensão psicológica.
As duas irmãs – protagonistas desta arrepiante história -, inimigas e opostas, reconstituem pouco a pouco um par muito mais de fusão do que de gémeas. Elas são como dois pólos que se atraem e se repelem irresistivelmente.
Uma história arrepiante e trágica na mesma medida. 

Sinopse: Irini é médica e vive com o namorado, Antonio com quem mantém uma relação pouco feliz, e não tem laços com família.
Tem uma irmã, Elle, mas nunca se vêem. Quando Irini tinha três anos, os pais entregaram-na à tia para criar. Irini nunca soube por que não era desejada nem porque a desprezaram.
Após anos sem contacto, Elle começa a telefonar-lhe de madrugada. A mãe morreu e Elle insiste que Irini vá ao funeral. Achando que pode ser uma oportunidade para saber a verdade, parte para a Escócia, onde a irmã a espera no aeroporto. A visita corre muito mal, pois o pai não a quer ver e diz-lhe que tomou a opção certa quando persuadiu a mulher em dar a filha.
Por outro lado o comportamento de Elle é errático. Na manhã seguinte, Irini descobre que o pai sofreu uma overdose de Valium que ela tinha na bagarem. Parte de imediato e quando chega a casa descobre na bagagem o testamento do pai, onde lhe deixa tudo.
Quando ainda está a processar tudo o que aconteceu a polícia quer falar com ela, pois Elle desapareceu e tudo parece indicar que Irini montou um esquema para ficar com a herança. Recusando-se a ser usada mais uma vez pela família, Irini faz uma investigação paralela à da polícia e descobre segredos perturbadores e percebe que Antonio a traiu com a última pessoa que esperava, que a irmã esteve internada num hospital para doentes e que teve outra irmã que morreu em circunstâncias suspeitas.

Sobre a autora: Michelle Adams cresceu em Inglaterra e agora vive no Chipre, onde trabalha em part-time como cientista. Leu um dos romances de Stephen King quando era muito nova e ficou viciada em suspense desde então.

Imprensa
«O romance de estreia de Michelle Adams, Se Conhecessem a Minha Irmã, é provavelmente o livro mais assustador, inquietante e deliciosamente sinistro livro do ano. Este livro entranhou-se-me desde a primeira página e manteve-me viciado até ao fim.»
Cosy Books

«Um livro altamente viciante e imprevisível de leitura obrigatória para 2017.»
Whispering Stories

«Se Conhecessem a Minha Irmã é um livro com uma leitura emocionante leitura rápida e altamente viciante. A escrita convincente cria uma tensão e apreensão fabulosas. Uma estreia fantástica de Michelle Adams.»
The Bookmagnet