quinta-feira, 19 de abril de 2018

Lars Kepler - O Caçador [Divulgação Porto Editora]


Data de publicação: 26 Abril 2018

               Título Original: Kaninjägaren
               Tradução: Regina Valente
               Preço com IVA: 17,70€
               Páginas: 568
               ISBN: 9789898869807

A 26 de abril regressamos à sombria cidade de Estocolmo com o novo thriller de Lars Kepler, O Caçador, publicado pela Porto Editora. Depois de um interregno, a dupla mais famosa da Suécia traz de volta à ação o ex-comissário Joona Linna para uma investigação sangrenta. 
A sede de vingança deste «caçador» levará a terríveis execuções, todas elas
ligadas a um traumático acontecimento que só Joona Linna conseguirá desvendar.
Com suspense e violência, O Caçador é um novo episódio desta saga de sucesso de Alexander Ahndoril e Alexandra Coelho Ahndoril, que já conta com 12 milhões de livros vendidos em todo o mundo.

Sinopse: A noite tinha acabado de cair, quando Sofia entra numa mansão nos arredores de Estocolmo, onde o seu cliente – um homem muito abastado que nunca viu – a espera. Talvez seja por isso que Sofia avança furtivamente, como um animal selvagem. Enquanto atravessa o grande salão, tentando memorizar todos os detalhes, Sofia não imagina quem é o homem que a escolheu para aquela noite. Nem ele imagina que dentro em breve se encontrará frente a frente com um assassino implacável e meticuloso, que não deixa vestígios nem pistas. Limitar o círculo de eventuais alvos torna-se um verdadeiro pesadelo para a Polícia, embora na mira se encontrem personalidades proeminentes do país. E, para tentar resolver o mistério, a Polícia terá de contar com a ajuda do ex-comissário Joona Linna, há dois anos a cumprir pena na prisão de alta segurança de Kumla. Infiltrado e trabalhando em estreita parceria com a agente especial Saga Bauer, Joona Linna tudo fará para travar «o caçador» antes que seja tarde de mais ou que o caçador os cace a eles…

Sobre o autor: Lars Kepler é o pseudónimo de uma dupla de escritores de sucesso na Suécia: Alexander Ahndoril e Alexandra Coelho Ahndoril. O Hipnotista, primeiro volume da saga, alcançou um enorme sucesso internacional e foi adaptado ao cinema pela mão do realizador Lasse Hallström. A sua obra em Portugal está publicada na Porto Editora.
Mais informações em www.larskepler.com





segunda-feira, 16 de abril de 2018

Anna Snoekstra - Pequenos Segredos [Divulgação TopSeller]


Data de publicação: 16 Abril 2018

               Título Original: Little Secrets
               Preço com IVA: 16,99€
               Páginas: 320
               ISBN: 9789898869807

Sinopse: Uma cidade a recuperar de uma tragédia.
Um pirómano anda à solta em Colmstock, na Austrália. Incendiou o tribunal da cidade, e um rapaz que ficara encurralado no  interior do edifício morreu.

Uma jovem aspirante a jornalista à procura de um furo.
Rose Blakey sempre sonhou em ser jornalista, mas todas as candidaturas que envia para os meios de comunicação social são rejeitadas. Tudo o que precisa é de uma história que a faça dar o grande passo da sua vida, e essa história finalmente aparece.
Pequenas bonecas de porcelana cheias de segredos.
Algumas semanas após o incêndio no tribunal, começam a aparecer à porta de certas casas bonecas com rostos idênticos aos das crianças que aí vivem. A população fica aterrorizada, pois suspeita-se de que um pedófilo possa estar envolvido, e a polícia desvia a sua atenção do incendiário para este caso. Rose começa a escrever artigos sobre o tema, que são publicados num jornal, ganhando uma dimensão cada vez maior à medida que vão sendo divulgadas mensagens do pedófilo. Mas numa cidade em que toda a gente guarda pequenos segredos, a verdade torna-se difícil de encontrar.

Sobre a autora: Anna Snoekstra nasceu em Camberra, na Austrália, em 1988. Estudou Escrita Criativa e Cinema na Universidade de Melbourne, frequentando posteriormente o curso de Guionismo no Instituto Real de Tecnologia de Melbourne.
Após concluir o ensino superior, Anna Snoekstra começou a escrever guiões para filmes independentes e para peças de teatro, tendo escrito também uma série de contos que foram publicados e premiados.
Atualmente, vive com o marido e o seu gato, dedicando-se à escrita a tempo inteiro.

Imprensa
«Um romance obrigatório para os fãs de policiais» 
Bookpage


Amy Lloyd - A Mulher Inocente [Divulgação Planeta]


Data de publicação: 17 Abril 2018

               Título Original: The Innocent Wife
               Preço com IVA: 18,85€
               Páginas: 312
               ISBN:9789897770449

Uma história arrepiante baseada num caso real, que foi o suporte de dois documentários para a TV: Paradise Lost e West of Memphis. 

Um thriller que explora as fragilidades humanas e como as influências exteriores, que podem ser enganadoras, fazem com que possamos tomar decisões precipitadas e sem nexo.

Sinopse: Uma mulher obcecada que quis acreditar que um assassino era inocente e que coloca a vida em risco, porque acreditou num conto de fadas.
A história deste thriller é perturbadora e real.
Há vinte anos Dennis Danson foi preso pelo brutal assassínio de uma jovem na Florida, no condado de Red River.
Na actualidade é o assunto de um documentário resultante de um frenesi online para descobrir a verdade e libertar o homem que foi injustamente acusado.
A muitos quilómetros, em Inglaterra, Samantha é obcecada pelo caso de Dennis e começa a corresponder-se com ele.
Sam depressa cai enfeitiçada pelo charme e bondade que ele tem para com ela. Decide rumar a Red River, para trabalhar na sua libertação e casar com ele.
Mas quando a campanha é bem-sucedida e Dennis é libertado, Sam começa a descobrir pormenores que sugerem que afinal ele pode não ser assim tão inocente.
Mas como confrontar o marido quando não se quer descobrir a verdade?

Sobre a autora: Estudou Inglês e Escrita Criativa na Cardiff Metropolitan University.
Venceu o Daily Mail First Novel com A Mulher Inocente em 2016.
Vive em Cardiff, no País de Gales, com o companheiro e dois gatos.


Imprensa
«Adorei A Mulher Inocente, bem feito e convincente. Manteve-me a adivinhar e embrenhada! 5 estrelas!»
C.J. Tudor, autora de O Homem de Giz 


«Hábil, inteligente e muito oportuno.»
The Sunday Mirror 

«Escrito com coragem, o livro capta com habilidade a natureza da obsessão e as suas consequências e culmina num clímax que Patricia Highsmith teria admirado.»
The Daily Mail

Mindy Mejia - Tudo O Que Queres Que Eu Seja [Opinião]


Sinopse: AQUI

Opinião: Tenho acompanhado as últimas tendências do género thriller psicológico lá fora e fiquei com este título de Mindy Mejia debaixo de olho. Fiquei satisfeitíssima quando soube que seria publicado por cá e devo congratular a editora Bertrand por tal publicação ter sido tão célere.

De facto a presente obra, Tudo O Que Queres Que Eu Seja, acaba por ser, dentro do género, uma narrativa que se destaca, uma vez que alia a componente de thriller psicológico ao policial. A investigação criminal ocupa uma parte tão importante quanto a do suspense.
É-nos revelado que a protagonista, Hattie Hoffman, é encontrada brutalmente assassinada, sendo tal acontecimento o porto de partida para esta história. 
Devo confessar que fiquei bastante agradada com a premissa da obra. 

Hattie Hoffman é uma adolescente que representa múltiplos papéis: é a aluna exemplar e a filha modelo mas ninguém sabe dos seus segredos mais obscuros.
Embora a trama comece por desvendar o homicídio de Hattie, na perspectiva de Del, o polícia da cidade, um dos aspectos que considerei mais fascinante foi a narração feita sob perspectiva de três personagens, incluindo a própria jovem assassinada. Confesso que, inicialmente, temi que a história se cingisse aos dramas da adolescência, mas sublinho que me agradou que Hattie não fosse uma adolescente convencional, como o próprio título da obra indica. A caracterização da jovem é, sem sombra de dúvida, um dos aspectos mais bem conseguidos da história.

Através das perspectivas de Hattie, Peter e Del, conseguimos acompanhar, simultaneamente, os desenvolvimentos das várias subtramas. No caso de Hattie tomamos conhecimento de uma subnarrativa anterior que relata algumas das suas indecorosos comportamentos, reconstruindo, desse modo, os últimos dias da sua vida. 
Os testemunhos de Peter também nos remetem para o passado. Esta personagem masculina é um professor de inglês recém chegado à cidade na companhia da sua esposa e da sogra que se encontra enferma.
Por último, Del relata a acção actual na qual acompanhamos o desenvolvimento da investigação policial, assim como avaliamos as interacções entre os intervenientes da história. 

É uma obra com um ritmo moroso pois desenvolve-se a partir dos segredos que a protagonista mantinha, ao mesmo tempo que vamos assistindo ao estabelecimento de correlações dos aludidos segredos da protagonista com as demais personagens. Um pormenor que me despertou interesse foi a abordagem sobre interacções cibernéticas, um assunto convidativo à reflexão e que está na ordem do dia. 

O desfecho indica, como não podia deixar de ser, a resolução do crime. Foi neste ponto que senti uma maior vulnerabilidade na história. Apesar de termos, em princípio, um restrito núcleo de suspeitos e tudo apontar para um culpado, confesso que não me senti surpreendida quando a identidade do homicida foi revelada. 

Em suma, um thriller bastante interessante que levanta algumas questões pertinentes e actuais sobre os adolescentes. Pessoalmente teria gostado que o final fosse mais intenso e arrebatador, todavia tal não comprometeu o gozo que foi ler sobre Hattie Hoffman, uma miúda que não me sairá da retina durante os próximos tempos.


quinta-feira, 12 de abril de 2018

Robert Bryndza - O Último Fôlego [Divulgação Alma dos Livros]


Data de publicação: 13 Abril 2018

               Título Original: Last Breath
               Tradução: Ana Lourenço
               Preço com IVA: 17,45€
               Páginas: 328
               ISBN: 9789898907189

Sinopse: O ENCONTRO PERFEITO. A PRÓXIMA VÍTIMA.
Quando o corpo torturado de uma mulher, jovem e bonita, é encontrado num contentor do lixo, com os olhos inchados e as roupas ensopadas em sangue, a inspetora-chefe Erika Foster é dos primeiros detetives a chegar ao cenário do crime. O problema é que, desta vez, o caso não lhe pertence.
Enquanto luta para integrar a equipa de investigação, Erika envolve-se no processo e rapidamente encontra semelhanças com o assassínio não resolvido de outra mulher, quatro meses antes. Largadas ambas num contentor do lixo em parques de estacionamento diferentes, têm ferimentos idênticos – uma incisão fatal na artéria femoral da coxa esquerda... E, entretanto, é localizada uma terceira vítima em circunstâncias idênticas.
Perseguindo as vítimas online, apresentando-se com identidades falsas, o assassino ataca mulheres jovens e bonitas de cabelo castanho comprido e desaparece misteriosamente, sem deixar qualquer pista. Como irá Erika apanhar um assassino que parece não existir?
Enquanto decorre a investigação, outra rapariga é raptada quando esperava por um encontro. Erika e a sua equipa têm de a localizar, para não depararem com mais uma vítima mortal, e enfrentar um indivíduo terrivelmente sádico e perigoso.
Alucinante, tenso e impossível de parar de o ler, O Último Fôlego mantém o leitor preso logo na primeira página, enquanto o livro se encaminha vertiginosamente para um final surpreendente.

Sobre o autor: Robert Bryndza é autor, entre outros, do bestseller internacional A Rapariga no Gelo, n.º 1 na Amazon, no USA Today e no The Wall Street Journal. Os seus livros venderam mais de dois milhões de exemplares e estão, até ao momento, traduzidos em 27 idiomas.
Robert Bryndza tem continuado com a saga da inspetora-chefe Erika Foster, sempre com sucesso, com os livros A Sombra da Noite, Águas Profundas e, agora, O Último Fôlego. Novos títulos estarão brevemente disponíveis.

quarta-feira, 11 de abril de 2018

K.L. Slater - Sem Rasto [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Mais um thriller psicológico de K. L. Slater, o segundo título da autora por terras lusas. 
No Verão li A Salvo Comigo e gostei bastante do estilo desta autora britânica. A presente obra debruça-se, como indica o título, sobre o desaparecimento de uma criança. Uma trama desta natureza suscita, desde logo, a dúvida no que concerne ao paradeiro da menina, bem como a razão do seu desaparecimento. Se por um lado, persiste a esperança que a garota esteja viva, contudo, acabamos por nunca descartar a hipótese de um homicídio.

A narrativa vai alternando entre o passado e o presente. Temos pois uma subnarrativa que se reporta à época do já aludido desaparecimento e que se situa três anos antes do tempo presente onde vamos assistindo ao desenrolar da narrativa principal. 
A meu ver essa subnarrativa é, numa fase inicial da leitura, mais interessante do que a acção actual, precisamente por nos dar a conhecer os dias que antecederam o desaparecimento da criança. É a partir destas passagens que o leitor conhece algumas personagens fulcrais, assim como a interacção entre as mesmas e ainda todo o contexto sobre o qual assenta a trama.
A narração dessa mesma parte é feita ora pela mãe, Toni, ora por uma professora. Evie, sendo que a menina narra, igualmente, algumas das passagens, de forma a salientar algumas decisões imprudentes da parte da mãe. 

Um dos aspectos que mais apreciei na trama é a caracterização da protagonista. Nunca escondi que tenho um fraquinho por personagens não confiáveis e creio que este sentimento se encontra bastante presente na obra, sobretudo no que concerne a Toni, a mãe. Oscilando entre comportamentos pouco aceitáveis e escolhas algo descuidadas, a mãe acaba por desencadear, simultaneamente, compaixão e alguma raiva ao leitor.

Na narrativa principal, que equivale, como já dissemos, ao tempo presente, tomamos conhecimento de que a mãe se encontra, praticamente, em estado catatónico, corroída por um sentimento de culpa arrasador. Na minha opinião, as primeiras passagens no tempo actual pouco adiantam à narrativa, todavia, ressalvo que essa sensação diz respeito, unicamente, aos trechos iniciais, pois, à medida que a história evolui, o tempo actual será aquele que, evidentemente, apresentará a chave do enigma.

Ficar-me-á na retina aquele final extremamente intenso. Confesso que à medida que a história se desenrolava, procurei avidamente, no meu íntimo, por um culpado para toda aquela trama e confesso que consegui adivinhar, porém, estava longe de prever as motivações, tão intrincadas e complexas.

Como balanço final, devo sublinhar que estamos perante um livro cativante protagonizado por personagens complexas e que culmina num belíssimo desfecho, intenso e arrebatador. Esperarei ansiosamente pelo próximo livro de K.L. Slater.


segunda-feira, 9 de abril de 2018

Sarah Pinborough - Por Trás dos Seus Olhos [Passatempo Editorial Presença]


Desta vez, e em parceria com a Editorial Presença, a menina dos policiais tem para sortear um exemplar do livro Por Trás dos Seus Olhos de Sarah Pinborough. Para participar no passatempo tem apenas de responder acertadamente a todas as questões seguintes.
São mantidos os moldes do passatempo anterior: a partilha do passatempo numa rede social, pública, garante ao participante mais uma entrada válida!

Regras do Passatempo:

- O passatempo começa hoje, 9 de Abril de 2018 e termina às 23h59 do dia 15 de Abril de 2018.
- Os participantes deverão ser seguidores do blogue (fazer login na caixa dos seguidores na barra direita do blogue)
- O participante vencedor será escolhido aleatoriamente.
- O vencedor será contactado via e-mail.
- O blogue não se responsabiliza por extravios dos CTT.
- Apenas poderão participar residentes em Portugal e só será permitida uma participação por residência.
- Se precisarem de ajuda podem consultar aqui

Só me resta desejar boa sorte aos participantes!!! :)

Para mais informações sobre o livro Por Trás dos Seus Olhos, clique aqui
Para mais informações sobre a Editorial Presença, clique aqui






sexta-feira, 6 de abril de 2018

A. J. Finn - A Mulher à Janela [Opinião]


Sinopse: AQUI

Opinião: Confesso que estava um pouco céptica ao iniciar esta leitura. O motivo prendia-se com as claras semelhanças entre esta história e a de Janela Indiscreta (um filme de Hitchcock mas, pelo que pude apurar, baseado num livro de Cornell Woolrich).
Ora vejamos: uma pessoa está impossibilitada de sair de casa, devido a uma limitação, entretém-se a espiolhar os seus vizinhos e acaba por testemunhar o que parece ser um crime.
Creio, no entanto, que este ponto de partida terá sido intencional, na medida em que o autor menciona uma série de filmes noir, entre os quais, os clássicos de Hitchcock, uma vez que um dos passatempos preferidos da protagonista, Anna Fox, consiste no visionamento de filmes a preto e branco e outras fitas de culto.

Confesso que no início achei que o ritmo da trama foi moroso. Não adiantava muito mais do que os afazeres de Anna, as conversas que ela tinha com o ex-marido e a filha e outras considerações sobre as famílias vizinhas. Contudo, o ponto de viragem - o momento em que Anna assiste a um aparente crime na casa dos Russell - tornou a história mais intrigante ao ponto de dar por mim a querer ler avidamente para tentar perceber o que afinal se passara.

Um ponto digno de destaque é a forma como a história é apresentada, sob o ponto de vista de Anna e narrada pela própria. Esta personagem tem uma particularidade que aprecio neste tipo de tramas: ela é altamente problemática.
Além de se desleixar com a medicação, bebe demasiado, o que condiciona a veracidade dos seus testemunhos. Creio ser desafiante ler uma trama narrada por uma personagem não confiável.
Ainda neste prisma, considerei exímia a caracterização de Anna e confesso que os meus sentimentos por ela oscilavam entre a compaixão e alguma desconfiança. Talvez a sua agorafobia acentue esta característica embora a origem desta condição tenha sido devidamente explicada, o que, para mim, se tornou uma das maiores surpresas da trama. Tão intensa quanto o próprio desfecho.

Gostei da forma como o autor pegou nos clichés da história e deu-lhes um rumo inovador. 

Em suma, apesar de ser um livro que tardou em cativar-me, A Mulher à Janela prima pela história inteligente, por dois grandes twists surpreendentes e um destrinçar da perturbação de ansiedade - agorafobia - extremamente interessante. 
Um promissor thriller de estreia de A. J. Finn. 


quinta-feira, 5 de abril de 2018

Sarah Pinborough - Por Trás dos Seus Olhos [Divulgação Editorial Presença]


Data de publicação: 4 Abril 2018

               Título Original: Behind Her Eyes
               Colecção: Grandes Narrativas #686
               Tradução: Marta Mendonça
               Preço com IVA: 17,90€
               Páginas: 360
               ISBN: 9789722361996

THRILLER PSICOLÓGICO DE GRANDE SUSPENSE
Autora 3 vezes vencedora do British Fantasy Award
Bestseller internacional e do New York Times

Sinopse: Louise
Mãe solteira, fez do filho o seu mundo. Trabalha em part-time. Segue um quotidiano discreto e preso à rotina. Mas tudo muda quando numa rara saída à noite, conhece David num bar... não sabendo que se trata do seu novo chefe. Ambos sentem de imediato uma atração mútua.


David
É ainda jovem, bem sucedido, encantador e dedicado à sua mulher. Louise nem consegue acreditar que um homem como David se sinta atraído por ela. E tudo se complica quando Louise conhece Adele, a mulher de David.


Adele
Bela, elegante, delicada. Perfeita em todos os aspetos. Um dia, conhece Louise, de quem se torna desde logo amiga.
Fascinada por Adele e David - o casal ideal, aparentemente irrepreensível -, Louise acaba por se ir envolvendo na intrincada teia que é aquele casamento. E, a pouco e pouco, à medida que penetra cada vez mais nas suas vidas, começa a descobrir que há falhas entre eles... Será David realmente o homem que ela pensava conhecer bem? Será Adele tão frágil quanto aparenta? Que segredos inquietantes e perigosos escondem eles? E até onde serão capazes de chegar para os esconder?


Um thriller que se lê de um só fôlego, com um final surpreendentemente inesperado, e que reinventa com mestria o tradicional triângulo amoroso. Um bestseller internacional de excelente qualidade literária.

Sobre a autora: Sarah Pinborough é autora de várias obras para adultos, jovens adultos e adolescentes. Venceu por três vezes o British Fantasy Award, em 2009 e 2010 na categoria de melhor conto, e em 2014 na categoria de melhor novela. Ao longo da sua carreira, já publicou mais de vinte livros de ficção. É também argumentista, tendo colaborado em projetos televisivos para a BBC. Por Trás dos Seus Olhos tem direitos de tradução vendidos para 26 países. 
É um bestseller internacional, do Sunday Times e do New York Times.

Imprensa 
«Uma obra imperdível... um thriller brilhante.»
Stephen King


«Um romance eletrizante, com um final extraordinário. Sarah Pinborough está prestes a tornar -se a nova obsessão dos leitores.»
Harlan Coben


«Uma obra-prima do suspense... um prazer único.»
Booklist


«Uma história de cortar a respiração. Um final surpreendente que faz o leitor voltar ao início para ver se tudo faz sentido. E faz mesmo.»
The Guardian 








Liv Constantine - A Conspiração da Senhora Parrish [Opinião HarperCollins]


Sinopse: AQUI

Opinião: Estamos perante um magnifico thriller psicológico alicerçado em três pecados mortais. Inveja, Avareza e Luxúria. E estes defeitos revestem uma personagem, que se tornará, para mim, memorável por ser tão detestável. 

A Conspiração da Senhora Parrish é a obra de estreia das irmãs Constantine e a avaliar pelo presente livro, tenciono seguir de perto os seus futuros trabalhos.

Confesso que este meu fascínio pelo livro começou somente na segunda parte da obra, altura em que ocorre um twist inesperado e a história segue um rumo completamente imprevisível. Diria até que a componente de thriller faz-se sentir com maior intensidade a partir desse momento. A par da incrível reviravolta, o elemento mais aliciante, para mim, foi sem dúvida a caracterização da personagem Amber. Uma mulher manipuladora, calculista, e extremamente insensível. Embora abomine pessoas com estas características, foi delicioso ler sobre as maquinações desta personagem.

Não obstante a primeira parte incida sobre Amber, diria que o protagonismo é disputado por esta e por Daphne Parrish, uma filantropa da alta sociedade, que acaba por narrar, na primeira pessoa, a segunda parte da história e, a meu ver, esta acaba por ter um maior impacto na trama pelos motivos já acima mencionados.
Quero que vós, leitores, sejam tão surpreendidos quanto eu por isso não vou falar demasiado sobre a evolução da narrativa. 
Na terceira parte, voltamos à narrativa na terceira pessoa, revisitando a personagem Amber, sendo que, nesta fase, Liv Constantine já me deixara estupefacta com a história. 

Apenas posso afiançar que a história é intrigante. Nos primeiros momentos presumimos que é a história clássica da mulher que ambiciona roubar a vida de outrem, porém, o rumo da trama muda substancialmente. É uma narrativa que choca e perturba e, a partir de um dado momento, é-nos impossível pousar o livro e interromper a leitura. 

Não obstante ter ficado rendida à história, não devo deixar a manifestar o meu desagrado pela tradução do título, A Conspiração da Senhora Parrish. Creio que é demasiado revelador, agora que reflicto sobre a história.

Em suma, sugiro esta thriller psicológico verdadeiramente surpreendente. O rumo da história converge para um tema já explorado na literatura (consigo lembrar-me logo de dois ou três livros com temática similar) mas é-nos impossível, nas páginas iniciais, deduzir que a narrativa se tornará tão intensa. 
Um livro sombrio e inquietante. Sem dúvida, uma grande aposta da HarperCollins!