quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

A Estante está mais cheia [Novembro 2016]


Ora aí está! Mais um mês repleto de livrinhos novos (eu e a estante agradecemos!)
Em Outubro, no dia dos momentos Wook, encomendei o novo Vampiro, O Mistério dos Fósforos Queimados de Ellery Queen e À Mesa Com o Assassino de Hans Olav Lahlum. Chegaram já em Novembro. Ei-los. Como acumulei algum dinheiro na minha conta cliente da Wook, mandei vir Broken - Destroçada de Karin Slaughter, a um preço muito simpático. 
O meu marido ofereceu-me o Vampiro deste mês, A Liga dos Homens Assustados de Rex Stout.

Da Bertrand chegou-me o livro de contos, A Morte Usa Uma Máscara de Beleza da tia Mary Higgins Clark, livro cuja opinião se encontra no post imediatamente abaixo. Da Planeta, dois eróticos, Tua Para Sempre de Meredith Wild (é em 2017, sem falta, que lerei o primeiro da série) e Viciado no Pecado de Monica James, lido este mês, e apreciado, diga-se. Os Descendentes de Merlin 4 foi uma surpresa do Clube do Autor e parece-me uma leitura mais leve.
Da Dom Quixote veio Polícia de Jo Nesbo. Adoro! Da Editorial Presença, o novíssimo da Stephenie Meyer, um livro que também foi ofertado aqui no blogue e finalmente da TopSeller chegaram os muitíssimos aguardados O Trilho da Morte (terminado nesta madrugada, vou escrevinhar sobre ele) e As Desaparecidas cuja leitura está agendada agora para Dezembro.
Esqueci-me de incluir na foto um livro muito querido que recebi do grupo Penguin Random House, O Livro das Coisas Boas! Não é querido? Não se relaciona com literatura, é um arquivo das melhores coisas e cada um preenche da forma como pretende:

 

Devo endereçar uma mensagem de agradecimento às editoras parceiras!

Contudo... a compra mais literária que fiz foi a continuação do projecto que comecei o mês passado. A mudança das minhas estantes. 

Antes estava assim, um pouco desarrumado, confesso:

Para dar lugar a um white side of the library:

Confesso que gosto mais de ver em branco, parece-me mais leve. E contrasta com o outro lado, que continua a ter estantes escuras. 

E vocês que me contam este mês? Muitos livrinhos comprados? Muitas leituras? Vou decidir com que mês inicio o mês de Dezembro. O dia de hoje, 1 de Dezembro (regresso do Feriado que celebra a Restauração da Independência) e chuvoso, é mesmo propício a umas mantinhas e livrinhos :)

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Mary Higgins Clark - A Morte Usa Uma Máscara de Beleza [Opinião]


Sinopse: AQUI

Opinião: A Morte Usa Uma Máscara de Beleza é uma colectânea de contos. A autora explica, nas notas iniciais, que começara uma história sobre o mundo da moda, no entanto, esta ficou em stand by para escrever Onde Estão as Crianças?. Estávamos nos anos 70. Ainda assim, e tendo em conta que alguns destes contos foram escritos no início de carreira da autora, creio que as histórias são intemporais e adequam-se aos dias de hoje. Note-se que esta antologia contém a primeira obra de Higgins Clark, escrita em 1958.
Uma das vantagens de ler um livro de contos é a liberdade que o leitor tem em escolher as histórias que pretende ler primeiro. O índice, colocado no final da obra, auxilia esta opção.

Não costumo ler muitos livros de contos, por norma, acho-os histórias subdesenvolvidas, no entanto, a autora Mary Higgins Clark é uma excelente contadora de histórias e envolveu-me nas várias short stories de suspense que apresenta. É certo que as personagens que participam nestas histórias não são tão complexas mas há aqui uns contos até bastante interessantes, daí crer ser pertinente tecer algumas considerações individuais. Vou tentar não me alongar em demasia nesta recensão.

A primeira história (e que dá o título ao livro) é o conto mais longo da colectânea e, a meu ver, um excelente cartão de visita para as tramas que se seguiriam. A Morte Usa Uma Máscara de Beleza conta a história de um desaparecimento. A irmã de Alexandra, Janice e o seu marido tentam encontrar a mulher quando se coloca a hipótese de esta ter sido morta. A primeira história explora o mundo da moda e beleza, um universo que não descuro por completo mas, pessoalmente, prefiro os livros. Há uma reviravolta bastante interessante a meio que desencadeia um final não tão trágico quanto eu pintava.

O Passageiro Clandestino é um conto algo estranho. Isto porque a protagonista, Carol, tenta esconder um fugitivo sem que sejam apresentadas as razões para tal. Não obstante, há um clima intenso de suspense devido à eminência de se descobrir o paradeiro do suposto antagonista. Gosto destes ambientes tensos. 

Quando o Galho Quebrar é um  conto muito bonito e, ao mesmo tempo, triste. Fala sobre a perda e debruça-se sobre uma mãe que perdeu um filho. O suspense característico da autora é substituído pelo dramatismo da situação, até a uma revelação que me deixou de coração pequenino.

Vozes no Depósito de Carvão é um pequeníssimo conto de terror, arrepiante e com um desfecho algo macabro, mesmo como eu gosto.

A Farsa de Cape Cod conta com a participação de duas personagens já conhecidas no universo de Mary Higgins Clark, Alvirah Meehan e Willy. Gostei do papel destas duas personagens que ajudaram Cynthia a limpar o seu nome, depois de ter sido presa, acusada de ter morto o seu padrasto. Esta história envolveu-me muito e durante toda a leitura, estava céptica com a protagonista, sempre na dúvida se esta seria mesmo culpada.

O título Decididamente, Um Crime Passional diz tudo sobre o teor da história. Um crime passional é sempre interessante, não acham? O Vizinho do Lado conta a história de um homem que tem um local secreto onde hospeda alguns visitantes. Eis que o último visitante é o seu vizinho... é um conto bastante interessante! 

Quando li Não nos Conhecemos Antes?, a história pareceu-me algo familiar. E depois percebi que já tinha visto o filme adaptado deste conto. É sobre um stalker e uma estranha obsessão com uma jovem, alegando que a conheceu numa vida passada. Tudo indica que a história tem laivos de paranormal mas é tudo explicado à luz da racionalidade.

Tem Andado a Acontecer-me Uma Coisa Curiosa é a história de um homem que quer vingar a morte da filha. Gosto muito deste estilo de tramas, devo dizer. O Ronronar Revelador é a história do plano de Fred em matar a sua avó. Achei particularmente piada ao tom sarcástico com que é contada esta trama e o final que me lembrou um dos episódios da série Hitchcock Apresenta.

Em suma, um livro de contos tem destas coisas: não gostei de todas as short stories da mesma forma. Decididamente que umas cativaram-me mais, não obstante, a qualidade das mesmas não alcançar histórias tão espectaculares da autora como Onde Estão as Crianças? e outras obras já anteriormente publicadas. Ainda assim, A Morte Usa Uma Máscara de Beleza é um livro obrigatório para as fãs da autora para constatar a vertente dos contos.  


sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Carina Rosa - O Escultor [Divulgação Coolbooks]


Data de publicação: 25 Novembro 2016

               Preço com IVA: 16,60€ (livro físico
                                          6,99€ (ebook)
               Páginas: 460 

Sinopse: O Escultor, de Carina Rosa, é a mais recente novidade da Coolbooks e está disponível, a partir de hoje (em formato físico e digital), na livraria virtual Wook. Depois de ter publicado A sombra de um passado, em 2014, a chancela da Porto Editora dá agora a conhecer a incursão desta jovem autora pelo thriller.
A vida de Mariana, uma galerista de sucesso, é radicalmente alterada após receber vários bilhetes ameaçadores que culminam com o desaparecimento da sua companheira de casa às mãos de O Escultor, um assassino em série. Tudo indica, porém, que este é apenas primeiro e macabro incidente de uma perseguição incessante.
Neste thriller, tão obscuro quanto romântico, desenha-se a história dos delírios de um fanático e de uma mulher e de um homem que, unidos pelas circunstâncias, terão de o travar.

Sobre a autora: Carina Rosa nasceu em Lisboa em 1986 e vive no Algarve. Licenciou-se em Ciências da Comunicação pela Universidade do Algarve e trabalhou em jornalismo de imprensa, na rádio e televisão online. No entanto, a ginástica foi sempre a sua casa e é trabalhando com classes de formação gímnica que passa os seus dias, como técnica de Ginástica Acrobática. 
Considera-se uma apaixonada pelas artes e pela cultura, no geral, estabelecendo uma relação muito próxima entre a música, a dança e as letras. A escrita é uma paixão que tomou forma em 2012, ao publicar o seu primeiro romance O Intruso. Desde então tem-se dedicado a escrever romances, uns mais leves, outros com um carácter mais denso, entre histórias contemporâneas e policiais, os seus géneros favoritos.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Stephenie Meyer - A Química [Resultado Passatempo Editorial Presença]


Com a preciosa colaboração da editora Editorial Presença, a menina dos policiais tinha um exemplar do livro Química de Stephenie Meyer para oferecer.
Desde já agradeço à editora e aos participantes que contribuíram para o sucesso deste passatempo. Com 244 participações válidas, as respostas correctas eram:

1.  Para que instituição trabalhava a protagonista da obra? Para o governo dos Estados Unidos
2.  Qual a formação académica de Stephenie Meyer? Literatura Inglesa
3.  A que colecção da Editorial Presença pertence este livro? Grandes Narrativas

Note-se que este passatempo tinha uma particularidade facultativa: quem partilhasse o passatempo no Facebook, no seu mural e de forma pública, a participação era duplicada. Assim, quem participaria na posição 1 e cumprisse este requisito, participa com os números 1 e 2. O objectivo era divulgar o blogue aos amigos :)

E após um sorteio no random.org, a vencedora é:

98 - Joana Bento (Condeixa-a-Velha)

Parabéns à vencedora!!! A todos os que tentaram mas não conseguiram, não desistam pois terei o maior prazer em fazer estes passatempos! Boa sorte e boas leituras para todos!

Para mais informações sobre o livro A Química, clique aqui
Para mais informações sobre a Editorial Presença, clique aqui




quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Monica James - Viciado no Pecado [Opinião]


Sinopse: Intenso, Sexy, Inesperado e Arrepiante. Uma história erótica e de suspense, que é também uma grande história de amor e redenção. Escrito do ponto de vista do Doutor Dixon Mathews, um psiquiatra de Nova York. Convincente e chocante é uma história de amor que irá manter o leitor absorvido até ao fim... Matthew Dixon irá contar-nos a atracção por duas mulheres. Uma acalma os seus instintos predatórios. A outra o instinto protector. Qual das duas escolherá?

Opinião: Viciado no Pecado é a mais recente aposta da Planeta no género erótico. Sendo eu uma leitora pouco assídua do género e como tal, tenho uma imberbe experiência, ainda assim, posso afiançar-vos que este livro difere dos que andam por aí em que se debruçam sobre submissões e afins. 
Esta história é completamente diferente em vários aspectos que irei salientar nesta recensão.

O primeiro aspecto que ressalta à vista é a formulação e dinâmica das personagens. Como livro erótico que é, existem uma série de passagens com elevado teor sexual. No entanto, Viciado no Pecado distancia-se das demais obras do género por não abordar submissões /dominações. O único aspecto mais kinky é a forma com que o sexo é tratado, em forma de vício, justificando o título do livro.

Além disso, o protagonista, Dixon Mathews é psiquiatra e parece-me ser psicologicamente mais complexo e inteligente do que os demais personagens masculinos de eróticos. Não obstante haver um aspecto em comum: o facto de ele ter tido um trauma que condicionou a forma como perspectiva novas relações.
Dada a actividade profissional da personagem masculina, penso que a obra explora à luz da psicologia (se bem que de forma mais fugaz), alguns aspectos inerentes ao comportamento humano. Não fosse Dixon um profissional na área da saúde mental. 

É neste contexto emocional (embora pautado por inúmeras e luxuriosas sessões de sexo com as pacientes) que o psiquiatra conhece Juliet, uma mulher enigmática e que irradia um magnetismo sobre ele. Dixon trava conhecimento também com Madison que funciona como uma antítese de Juliet, despertando uma empatia muito natural na leitora. 
Mais do que um mero triângulo amoroso, a história assume contornos algo perturbadores que exploram os limites da obsessão.
No final há uma reviravolta que deixa em aberto o rumo da história de Viciado no Pecado. Percebi, então, que terá uma continuação em que ficará definitivamente resolvida a situação de Dixon. Ao invés de uma longa série erótica de livros (correndo o risco de alguns pouco adiantarem para a história), a autora Monica James optou por fechar a trama em dois livros.

Como puderam constatar, este é um erótico out of the box, não se limitando em debitar sessões de sexo com taras. Há um cenário de romance e, em segundo plano, sentimentos obsessivos. 
Estou curiosa com o desfecho.


segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Passatempo Editorial Presença: Stephenie Meyer - A Química


Desta vez, e em parceria com a Editorial Presença, a menina dos policiais tem para sortear um exemplar do livro A Química de Stephenie Meyer. Para participar no passatempo tem apenas de responder acertadamente a todas as questões seguintes.
São mantidos os moldes do passatempo anterior: a partilha do passatempo numa rede social, pública, garante ao participante mais uma entrada válida!

Regras do Passatempo:

- O passatempo começa hoje, 14 de Novembro de 2016 e termina às 23h59 do dia 20 de Novembro de 2016.
- Os participantes deverão ser seguidores do blogue (fazer login na caixa dos seguidores na barra direita do blogue)
- O participante vencedor será escolhido aleatoriamente.
- O vencedor será contactado via e-mail.
- O blogue não se responsabiliza por extravios dos CTT.
- Apenas poderão participar residentes em Portugal e só será permitida uma participação por residência.
- Se precisarem de ajuda podem consultar aqui

Só me resta desejar boa sorte aos participantes!!! :)

Para mais informações sobre o livro A Química, clique aqui
Para mais informações sobre a Editorial Presença, clique aqui








domingo, 13 de novembro de 2016

M. J. Arlidge - Na Boca do Lobo [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Que mais dizer sobre M. J. Arlidge? Tornou-se um dos meus autores de eleição e ao quinto volume da série protagonizada por Helen Grace, posso assegurar que a mesma não perde qualidade, antes pelo contrário, cada volume supera o antecessor. Adorei Na Boca do Lobo!

A sensação que tenho é que o autor magistralmente construiu o mundo social de Helen para se valer neste livro. Sou sincera, não me recordo tão bem das personagens que até à data eram algo fugazes, como o Max Paine (era inevitável lembrar-me do Jake), nunca pensando que seriam elementos chave em Na Boca do Lobo. Foi inteligente, por parte de M. J. Arlidge, ter consolidado ao longo da série estas personagens ao ponto de tornar esta trama mais pessoal para Helen. A temática de fundo é o BDSM e mais do que a dor infringida na prática sexual, é o quão demente pode ser uma pessoa a ponto de matar os parceiros no decorrer destes actos. Sim, novamente temos passagens gráficas, ao jeito que o autor nos habituara nos livros anteriores!

Talvez por essa razão, a história absorveu-me por completo. Ao ponto de terminar esta obra em apenas dois dias. Os capítulos são curtos, promovendo a ávida leitura que eu experienciei.
Simplesmente estava tão embrenhada com esta perseguição tão cerrada a Helen e aterrada com a eminência de se descobrir o seu lado mais íntimo que, quem acompanha a série pode constatar, é talvez inconsistente com a actividade profissional da protagonista.

Não é do protagonismo de Helen Grace que vive o sucesso desta série. Emilia Garanita mostra, uma vez mais, a ambição de ter o exclusivo na imprensa da investigação criminal e Gardam surpreendeu-me, não pelas melhores razões.

Entendo que o autor queira surpreender o leitor ao desvendar a identidade do antagonista, não obstante achar que a revelação final foi algo súbita e carecia, no meu entender, de uma explicação ainda mais convincente. Claro que por essa razão, nunca equacionei quem seria o assassino. 
No entanto, esta vai despoletar uma nova situação para Helen. E eu estou deveras ansiosa para saber o que se segue!

O tempo voou enquanto lia este livro. Urgia descortinar o mistério mas ao mesmo tempo não queria terminar a obra. Afinal de contas, o próximo livro, Hide and Seek ainda não se encontra, com muita pena minha, no mercado literário português. Mal pousava o livro, pensava em Helen e rapidamente retomava a leitura. Não fiz muito mais neste domingo do que ler, confesso.

Pelos motivos indicados, confesso que este livro me cativou tanto quanto o primeiro da série, Um Dó Li Tá. Apesar da série ser bastante interessante, na minha opinião, estes dois títulos destacam-se.

Não há forma como descrever o quão desejo ler já já o próximo volume, por isso deixo aqui o meu apelo, TopSeller, não demorem a editar mais uma obra prima deste autor! Ficção policial no seu melhor, mesmo!