domingo, 31 de dezembro de 2017

Top 10 de 2017


Ora cá estamos para anunciar os melhores de 2017! Foi um bom ano e reparei que houve mais posts aqui no blogue (se bem que acho que são sempre pouquinhos...) Raramente o Ricardo escreve aqui pelo que sou apenas eu a dinamizar a menina dos policiais. Gosto sempre de partilhar convosco as minhas opiniões de livros, algumas de filmes e muitas divulgações que thrillers que são publicados por cá. Aprecio igualmente os vossos feedbacks com sugestões de leituras e trocas de ideias. Tenho conhecido por cá tantas pessoas fantásticas! Só posso agradecer todo o vosso apoio.
Já vamos em 7 anos disto e... I just can´t get enough :)

Este ano li 77 livros. Bem, conto terminar o septuagésimo sétimo, Nada de Janne Teller ainda hoje.
Li 7 livros em inglês e em ebook: The Girl Before (Rena Olsen), Behind Closed Doors (B.A. Paris), Fallen (Karin Slaughter), It Ends With Us (Colleen Hoover), Her Last Tomorrow (Adam Croft), The Good Daughter (Karin Slaughter) e Behind Her Eyes (Sarah Pinborough). Não tantos como desejaria, portanto... Quero disciplinar-me a ler mais neste idioma em 2018 pois descobri excelentes tramas que, curiosamente, seriam mais tarde publicadas em Portugal como o Behind Closed Doors ou The Good Daughter.

Vamos lá então aos melhores do ano de 2017. Os thrillers que mais me marcaram.

Estranhamente já tenho um na lista de 2018, O Homem de Giz de C.J. Tudor. Mas não me pareça justo que esse entre na contagem deste ano, por isso vou deixá-lo de lado e voltar a mencionar O Homem de Giz daqui a um ano.

À semelhança do ano passado, continuo a enaltecer o autor Chris Carter. Este ano foram publicados dois livros do autor: O Predador da Noite e O Escultor da Morte. 


Tenho para mim que a série tende a melhorar. Eu que me afirmei fã do autor já em 2016, fiquei ainda mais impressionada após a leitura de O Escultor da Morte. E dizia uma fã do género: "Espera só até chegares ao 6º livro". Estou deveras ansiosa! 


Um outro autor, também da editora TopSeller, de quem sou fã é M.J. Arlidge. Aquele ambiente na prisão, claustrofóbico, fez com que ainda hoje me lembre de Helen Grace naquele local. Por isso, para mim, O Anjo da Morte tornou-se inesquecível.


Li em inglês Behind Closed Doors. Durante dois dias fiquei imersa naquela história e andava sempre a falar no livro quando soube que a Editorial Presença o iria publicar. Fiquei em êxtase. Nunca me esquecerei do casal Jack e Grace bem como de Millie.


Ahhh como é bom ler Raphael Montes. Ficou-me apenas a faltar ler Suicidas que não perderá pela demora e será lido, certamente, em 2018. Jantar Secreto ficou pautado por um peculiar humor negro que seria substituído pelo gore. Adorei esta história!


Karin Slaughter é uma das minhas autoras de eleição. Infelizmente a série de Will Trent deu um grande salto pelo que achei melhor fazer a transição deste abrupto intervalo lendo Fallen. Tenciono ler os que intermediam no próximo ano, também em inglês.


Contudo, senti-me talvez ainda mais fascinada com The Good Daughter. Li no Verão, desconhecendo que a sua publicação em português seria tão célere.  


Mais um livro que me deixou fascinada foi The Girl Before. Entre esta Rapariga de Antes e a de JP Delaney não há qualquer semelhança. Esta história, pautada pelo penoso cativeiro de Clara, deixou-me rendida e estupefacta perante toda aquela lavagem cerebral. Tornou-se, por isso, uma história memorável.


Vidas Finais pareceu-me uma ode aos filmes que tanto aprecio, o subgénero de slasher. Talvez por isso tenha apreciado tanto.


Este era um dos mais aguardados do ano. Não fiquei tão rendida quanto desejaria com O Homem Ausente, publicado no início do ano mas A Menina Silenciosa é fantástico e deixou-me a ansiar por mais. Definitivamente, esta dupla de autores é um must-have na estante!

2017 foi um ano de grandes leituras. Só posso aguardar que 2018 me traga a mim, aos meus e a vós que seguis este meu espaço, muita saúde, amor, felicidades, paz, sucessos, alegrias e dinheiro (para comprar ainda mais livros). Obrigada por estarem desse lado! Cá vos espero no próximo ano :) 

Dezembro em Livros


Em termos de leituras também correu bem. Hoje ainda termino Nada, de Janne Teller. É pequenino, motivo pelo qual foi escolhido para ocupar os dois últimos dias do mês.
Os melhores livros foram, sem qualquer dúvida, O Escultor da Morte de Chris Carter e O Homem de Giz de C.J. Tudor. Podem encontrar o meu parecer sobre estas obras aqui no blogue.

E vocês? Muitos livrinhos lidos em Dezembro?

A Estante está mais cheia [Dezembro 2017]


Fechou a loja este mês (e por conseguinte, este ano) que já não compro nada. Mas ontem encontrei um verdadeiro achado na feira de alfarrabistas do Chiado. Dolores Claiborne de Stephen King, um livro que já procurava há tanto tempo... por apenas 5€! Nem hesitei!
Também comprei, a módicos preços, Morte Dum Fantasma e Tragédia do Y (eu adoro estes clássicos). No Natal recebi 2 livrinhos, os vampiros O Crime do Escaravelho e A Chave de Cristal. O marido ofertou (e eu nem os guardei para o Natal, tal era a ânsia) Toda Vestida de Branco e Corpos Perfeitos.

Das editoras parceiras chegaram Reino de Feras, da Suma de Letras. Já o li e podem encontrar a opinião no blogue. O exemplar de avanço de O Homem de Giz veio da Planeta (que livro estrondoso!) e O Deus do Rio chegou da Presença (e tenho um exemplar para vocês também, participem no passatempo aqui no blogue).

Ia fazer um balanço aos livros que comprei mas é melhor estar quietinha. Perdi-me muito nos primeiros meses de 2017 e acumulei os livros que tenho por ler. 
A ver se em 2018 controlo mais esta vontade desenfreada de comprar livros... 

E vocês? Compraram muitos livros neste mês?

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

C. J. Tudor - O Homem de Giz [Opinião]


Sinopse: AQUI

Opinião: O Homem de Giz será publicado em Janeiro do próximo ano e creio que dará que falar.
Numa primeira análise, a obra relembrou-me o universo de Stephen King devido essencialmente às interacções de um grupo de miúdos nos anos 80. Foi, para mim, difícil dissociar esta dinâmica das crianças das influências de It ou O Corpo (cujo título original é Stand By Me, conto que integra a compilação Estações Diferentes). Por instantes, a cena inicial no parque de diversões até me recordou o Joyland.

Contudo, tenho para mim que a influência de King vai muito além das personagens, mostrando-se igualmente na escrita da autora. Este é o romance de estreia de C.J. Tudor e não lhe consigo apontar um defeito. Há um toque sombrio, pesado, que se acentua em algumas cenas mais fortes. As figuras de giz que antecedem grandes acidentes poderiam constituir uma história de terror ao estilo de King. A escrita é irrepreensível e a história cativou-me logo nas primeiras páginas.

Desenrolando-se em dois tempos, 1986 e 2016, a trama debruça-se sobre Eddie e o seu grupo de amigos. Para quem, tal como eu, nasceu nos anos 80, é fácil sentir alguma nostalgia. A par da incursão àquela que considero uma década fascinante, a forma como a história é contada é deveras cativante. Há um desenrolar de segredos no passado com repercussões no presente. A autora apanhou-me desprevenida em várias situações.
Logo nas primeiras páginas, o grupo de jovens descobre um corpo. Deslindar este crime foi verdadeiramente desafiante. E temi verdadeiramente quando outras situações surreais ocorreram sempre após o aparecimento das figuras de giz.
E não esqueço as personagens, com profundidade, com especial ênfase no protagonista, Eddie, um indivíduo peculiar.

Temia que este Homem de Giz fosse uma entidade sobrenatural e que o enredo enveredasse por um rumo menos verosímil. No entanto, os meus medos foram infundados uma vez que a explicação rege-se pela lógica. O final é super intenso e deixou saudades. Confesso que ainda me lembro, mesmo passados alguns dias de ter terminado esta leitura, das personagens e desta história tão sombria.
De certeza que quererei reler este livro um dia mais tarde.

Adorei esta obra pois tem tudo para ser uma grande aposta no género thriller no próximo ano. A roçar o terror, O Homem de Giz tem um nível elevado de suspense e fez-me revisitar a minha infância e o desfecho foi bastante satisfatório.
Ainda estamos muito longe de conhecer todas as apostas literárias de 2018 mas uma coisa é certa: O Homem do Giz estará, sem dúvida, entre os melhores.


quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Gin Phillips - Reino de Feras [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Já li o thriller sensação que será publicado em 2018 pela Suma de Letras, mais concretamente no próximo dia 2. E eis o que penso sobre o mesmo:

A sinopse omite o acontecimento que transforma num pesadelo aquilo que era uma simples visita ao Jardim Zoológico. Não é uma situação completamente original e o único aspecto inovador relaciona-se com o local onde o mesmo acontece, que é o Zoo.
Portanto, para estar coerente com a sinopse, vou também evitar falar sobre essa situação em particular. 

Na minha opinião, o ponto forte reside na premissa da trama, que se alicerça na poderosa relação entre uma mãe, Joan, e o seu filho de 4 anos, Lincoln. quando estes se vêem numa situação delicada.

Pelo que pude apurar a priori, uma das questões mais polémicas desta história seria a violência contra os animais. No entanto, creio que esta componente não sobressai na trama e está perfeitamente contextualizada na acção. Não julgo, portanto, que choque os leitores como temia. Poderão ser mais impressionáveis as cenas relacionadas com animais decorrentes das memórias do vilão, aspecto que, a meu ver, reforça a psicopatia do antagonista. Embora não seja original, agrada-me que exista uma construção da personagem recorrendo a episódios do passado.

O aspecto que considerei igualmente tenso foi o desenvolvimento da trama. Temi genuinamente pela vida da mãe e do filho, embora considere que Joan teve atitudes menos coerentes, como a má utilização de um telemóvel naquelas circunstâncias. Eu, que vejo imensos filmes de terror, há um cliché frequente que é a inutilização de um telemóvel seja por falta de bateria ou rede. Aqui havia o poder de utilizar essa tecnologia e não foi bem sucedida, de todo. 

A trama é narrada maioritariamente por Joan contudo, na minha opinião, teria funcionado melhor caso fosse esta a única narradora. Exceptuando os capítulos referentes ao vilão, não creio que personagens mais secundárias, como a adolescente ou a professora, tenham algum destaque com os seus capítulos pois, a meu ver, estas careciam de um maior desenvolvimento. O livro é curto, debruçando-se mormente sobre a acção mas não particularmente sobre as personagens, o que justificará também o facto de não ter respondido devidamente a alguns aspectos que se tornaram pontas soltas no enredo.

Não sendo um thriller que me tenha deslumbrado (a fasquia que a Suma de Letras impôs no género está muito alta devido ao último livro da autoria de Hjorth & Rosenfeldt), Reino de Feras acaba por proporcionar uma reflexão profunda sobre a relação entre mãe e filho. 


sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Gin Phillips - Reino de Feras [Divulgação Suma de Letras]


Data de publicação: 2 Janeiro 2018

               Titulo Original: Fierce Kingdom
               Preço com IVA: 17,45€
               Páginas: 272
               ISBN: 9789896655259

Sinopse: Lincoln é um bom menino. Aos quatro anos, é curioso, inteligente e bem-comportado. Lincoln faz o que a mãe diz e sabe quais são as regras.
«As regras hoje são diferentes. As regras são que temos de nos esconder e não deixar que o homem da pistola nos encontre.»
Quando um dia comum no Jardim Zoológico se transfoma num pesadelo, Joan fica presa com o seu querido filho. tem de reunir todas as suas forças, encontrar a coragem oculta e proteger Lincoln a todo o custo - mesmo que isso signifique cruzar a linha entre o certo e o errado, entre a humanidade e o instinto animal.
É uma linha que nenhum de nós jamais sonharia cruzar.
Mas, por vezes, as regras são diferentes.
Um passeio de emoção magistral e uma exploração da maternidade em si - desde os ternos momentos de graça até ao poder selvagem. Reino de Feras questiona onde se encontra o limite entre o instinto animal para sobreviver e o dever humano de proteger os outros. Por quem deve uma mãe arriscar a sua vida?

Sobre a autora: Gin Phillips, autora premiada com o Barnes and NobleDiscover pelo seu primeiro romance, tem a obra publicada em mais de 29 países. Reino de Feras, a sua primeira incursão no mundo do thriller, está a ser aclamado pelo público e pela crítica.

Imprensa
«Um thriller brilhante, inteligente e irresistível.»
The New York Times

«Philips constrói as personagens de forma extraordinária e a sua prosa é habilidosa e evocativa. Aflitivo e profundo, este thriller cheio de adrenalina quebrará os leitores como uma bala atravessa o osso.»
Kirkus Review

«Uma exploração controversa da maternidade, no que ela tem de mais básico.»
Publishers Weekly

«Philips consegue combinar imagens bonitas com uma intensidade imprópria para cardíacos, uma intensidade que desgasta os nervos. Os fãs de thrillers literários não vão querer perder este livro.»
Booklist

«Gin Philips capta habilmente o terror da situação mas também a beleza das minúcias da nossa vida quotidiana.»
Library Journal

«Um tiro de adrenalina pura. Mas não é apenas a acção que o manterá a virar estas páginas: Reino de Feras é também uma história comovente.»
Entertainment Weekly

«Não conseguirá parar de ler. Adrenalina pura.»
The Guardian

«Ao introduzir a ameaça de violência, o livro amplifica as preocupações domésticas quotidianas, produzindo uma espécie de cristalização da experiência da paternidade.»
New Yorker

«Uma potente leitura que equilibra empatia e medo, pois levanta questões complexas sobre a natureza humana.»
Washington Independent Review of Books



segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Brad Parks - Não Digas Nada [Opinião]


Sinopse: AQUI

Opinião: Desconhecia o autor Brad Parks. Pelo que pude apurar trata-se de um escritor aclamado lá fora por ter ganho três dos maiores prémios de literatura de ficção criminal. Por isso, não me deixei intimidar pelo volume da obra, e mergulhei nesta história sobre rapto de crianças, um tema ao qual sou sensível. 

O aspecto que sobressaiu, numa primeira análise, foi a forma intensa e rápida com que a trama arrancou. Logo no primeiro capítulo, os acontecimentos descritos na sinopse sucedem-se e começa a instalar-se uma desconfiança que permanece ao longo de todo o livro: quem é responsável pelo rapto de Sam e Emma, os dois irmãos gémeos de 6 anos e com que intenções o terá feito?

A narrativa é pautada por inúmeras reviravoltas, mantendo uma inquietação e suspeita. Alterna entre capítulos narrados na primeira pessoa, o juiz Scott Sampson - permitindo-nos avaliar as suas suspeitas e paranoias, características de um pai desesperado, impelido a seguir as instruções dos raptores - e na terceira pessoa, em que são relatados acontecimentos referentes ao cativeiro. Creio que, deste modo, foi-se acentuando um sentimento de desconforto no leitor. Confesso que não dei pelas páginas passar, de tão embrenhada que estava na história. 

O ritmo quebrou, a meu ver, nos detalhes referentes aos casos do juiz Sampson. Nesses trechos, confesso que só me apetecia passar páginas à frente, deserta para ler mais sobre o desenvolvimento do caso do rapto. Reconheço, no entanto, que esta componente conferia maior solidez à profissão do protagonista e, por conseguinte, intensificou os motivos pelos quais quiseram raptar as crianças.
Além disso, à medida que a trama se adensa, o móbil do rapto começa a desenhar-se, remetendo-nos para o subgénero de conspiração, que não aprecio particularmente. Apesar de ser verossímil, achei que a resolução se inseria num âmbito mais criminal ou policial. 
Numa perspectiva mais pessoal, estes dois pontos foram os que menos apreciei na obra. 

Há alguma violência infligida às crianças, crendo que não seja abundante, é o suficiente para deixar o leitor com calafrios vários. O factor psicológico é, claramente, o mais intenso. Contudo as imagens de Emma teimam em não me sair da retina, ainda hoje, um par de dias após ter terminado a leitura.

Gostei particularmente de deslindar a identidade do raptor. Foi completamente inesperado. Não obstante crer que teria gostado mais de uma motivação com cariz menos conspirativo.

Não posso deixar de congratular o autor pela aposta audaz com que terminou o livro. Ao invés de uma resolução positiva - um happy ending - , o autor opta por um desfecho dramático, ingrediente que nem sempre encontro nas tramas policiais. 

Em suma, para quem procura emoções fortes e aprecia tramas de conspiração, Não Digas Nada é o livro ideal. Vale pelas surpresas ao longo da trama bem como o final profundamente emocionante. 


domingo, 17 de dezembro de 2017

Chris Carter - O Escultor da Morte [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Sigo atentamente o trabalho de Chris Carter desde a publicação de O Assassino de Crucifixo. Por ter ficado tão impressionada com o teor gráfico da trama, que se imiscui no fascinante mundo da psicologia forense, é uma série que não tenho reservas em recomendar. Creio que esta minha percepção se intensificou ao ler o 4º volume protagonizado por Robert Hunter. 

Como evidencia o título, o antagonista mata as suas vítimas, mutila os seus corpos e monta estátuas com os membros decepados. Um cenário de horror que me deixou genuinamente impressionada. É consensual dizer-se que a originalidade dos crimes é ímpar. Assim, tenho para mim que, relativamente a nível de violência praticada pelo antagonista neste livro, o autor superou-se.
Além disso, Carter continua a discriminar, com grande detalhe, os procedimentos decorrentes de uma autópsia, um ingrediente que aprecio nas tramas de índole criminal.

Sendo o autor Chris Carter perito em psicologia criminal, à semelhança dos livros antecessores, o protagonista da série tece algumas considerações dentro da área para tentar descortinar o comportamento do vilão. A avaliar por tão macabras peças de arte estaremos, sem dúvida, perante um antagonista deveras violento.

Embora as cenas gráficas sejam difíceis de digerir, a trama é bastante ágil e o livro lê-se num ápice. Esta sensação deve-se essencialmente às reviravoltas da narrativa. Após a morte inicial, de um doente oncológico em fase terminal (e posterior construção de uma estátua) seguem-se outras vítimas, através de um modus operandi semelhante. 
Como já anteriormente referi, as pormenorizadas descrições dos homicídios e os detalhes gráficos com que somos brindados no que concerne à construção das estátuas, contribuíram para que, enquanto leitora, me deixasse levar pelos meandros da investigação, com particular incidência para os aspectos mais sórdidos.

A interacção entre Hunter e o seu parceiro, Carlos Garcia, continua a ser o elemento que ameniza o teor pesado da trama. Creio que emparelham bem e neste livro surge uma ajuda na investigação, sob a forma de uma personagem cuja dinâmica com Hunter foi interessante. 

Dei por mim a ler madrugada fora, sem que o dia de trabalho seguinte fosse impeditivo para descobrir quanto antes a identidade deste antagonista. E mais uma vez, Carter surpreendeu-me. Não esperava de todo aquele desfecho.
Dados os motivos supra referidos, não pude deixar de atribuir cinco estrelas, nota máxima, no Goodreads, a O Escultor da Morte. E finda esta leitura já penso no próximo volume da série.

Mais do que recomendar este livro, aconselho a leitura da série. Quiçá, um presente de Natal ideal para os fãs de thrillers viscerais. E este é bom, muito bom!


sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Wilbur Smith - O Deus do Deserto [Passatempo Editorial Presença]


Desta vez, e em parceria com a Editorial Presença, a menina dos policiais tem para sortear um exemplar do livro O Deus do Deserto de Wilbur Smith. Para participar no passatempo tem apenas de responder acertadamente a todas as questões seguintes.
São mantidos os moldes do passatempo anterior: a partilha do passatempo numa rede social, pública, garante ao participante mais uma entrada válida!

Regras do Passatempo:

- O passatempo começa hoje, 15 de Dezembro de 2017 e termina às 23h59 do dia 31 de Dezembro de 2017.
- Os participantes deverão ser seguidores do blogue (fazer login na caixa dos seguidores na barra direita do blogue)
- O participante vencedor será escolhido aleatoriamente.
- O vencedor será contactado via e-mail.
- O blogue não se responsabiliza por extravios dos CTT.
- Apenas poderão participar residentes em Portugal e só será permitida uma participação por residência.
- Se precisarem de ajuda podem consultar aqui

Só me resta desejar boa sorte aos participantes!!! :)

Para mais informações sobre o livro O Deus do Deserto, clique aqui
Para mais informações sobre a Editorial Presença, clique aqui


Wilbur Smith - O Deus do Deserto [Divulgação Editorial Presença]


Data de publicação: Novembro 2017

               Titulo Original: Desert God
               Colecção: Grandes Narrativas, #676
               Tradução: Isabel Andrade
               Preço com IVA: 18,40€
               Páginas: 456
               ISBN: 9789722361279

Sinopse: Nas vastas planícies do Egito, nas margens do Nilo, surge um herói.
Taita, um escravo eunuco liberto, usa com subtileza a sua autoridade. Não só é um dos principais conselheiros do Faraó Tamose, como é também o guardião das suas irmãs mais novas, as princesas Tehuti e Bekatha.
O reino não está em paz. Enfrenta os ataques dos seus inimigos de sempre, os Hicsos do Norte. Para
finalmente conseguir esmagá-los, o Faraó procura o apoio do seu amigo mais fiável.
Taita, filósofo, poeta e um estratega militar exímio, prepara um plano para destruir os exércitos dos Hicsos e estabelece uma aliança com Creta. Este plano conduzi-lo-á, juntamente com Zaras, o comandante da expedição planeada, e os seus corajosos guerreiros, a uma perigosa jornada pelo Nilo acima, através da Arábia , até à cidade mágica de Babilónia e, em seguida, mar adentro até Creta. É uma missão de alto risco que custará muitas vidas e tempo. E Taita não poderá ignorar as suas responsabilidades inerentes à segurança das duas joviais princesas Tehuti e Bekatha, cuja atração pelos guerreiros que lideram as tropas ameaça o seu plano meticuloso e o próprio futuro do Egito.
Wilbur Smith é um mestre na reconstituição de uma das maiores histórias de todos os tempos.

Sobre a autora: Wilbur Smith nasceu em 1933, na Rodésia do Norte, atualmente República da Zâmbia. Tornou-se escritor a tempo inteiro em 1964 após a publicação de When the Lion Feeds, e desde então escreveu 39 romances, todos eles valorizados por meticulosas pesquisas realizadas durante as inúmeras expedições em que participou por todo o mundo. A sua obra encontra-se traduzida em 32 línguas, tendo vendido cerca de 135 milhões de exemplares no seu conjunto. Muitos dos seus romances foram adaptados ao cinema. Depois da série «Hector Cross» com A Lei do Deserto, Vingança de Sangue e No Rasto do Predador, a Presença publica O Deus do Deserto, um romance apaixonante cuja ação se desenrola no Antigo Egito.

Imprensa
«Um dos autores de thrillers mais apreciados em todo o mundo.»
Washington Post
«Wilbur Smith é um contador de histórias magistral, que cruza como mais ninguém intriga, ação, suspense e uma rigorosa pesquisa histórica.»
Publishers Weekly
«Um dos maiores escritores da atualidade de livros de aventura e ação.»
Daily Express

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

C.J. Tudor - O Homem de Giz [Divulgação Planeta]


Data de publicação: 16 Janeiro 2018

               Titulo Original: The Chalk Man
               Preço com IVA: 18,85€
               Páginas: 320
               ISBN: 9789896579937

Um fenómeno mundial que começou antes da Feira de Frankfurt 2016.
Direitos vendidos para 48 países.
Um thriller arrepiante de que todos irão falar.

Toda a gente tem segredos.
Toda a gente é culpada de alguma coisa.
E as crianças nem sempre são inocentes.

NINGUÉM FICARÁ INDIFERENTE
O livro de estreia de C. J. Tudor é um thriller com uma atmosfera densa e viciante que se passa em dois registos, em 1986 e nos nossos dias.
A história começa em 1986 e, após um hiato de trinta anos, o passado surge para transformar a vida de Eddie.
As influências de Stephen King e o toque de Irvin Welsh, conferem ao livro não só um tipo de narrativa diferente como um suspense ao limite.
O que contribui para que a história tenha um desfecho muito real e chocante. O Homem de Giz conta-nos a história de um grupo de crianças, não poupando nos pormenores sociais onde estão inseridas e em como as influências de famílias disfuncionais contribuem para exacerbar o imaginário infantil.

Sinopse: A história começa quando aos doze anos Eddie e os amigos tiveram contacto com o misterioso Homem de Giz. Uma personagem central na trama e Eddie será assombrado por ela.
As estranhas figuras de giz conduzem Eddie e os amigos a um cadáver de uma rapariga pouco mais velha que eles e esta descoberta irá marcá-los para sempre.
Tudo aconteceu há trinta anos, e Eddie convenceu-se de que o passado tinha ficado para trás. Até ao dia em que recebeu uma carta que continha apenas duas coisas: um pedaço de giz e o desenho de uma figura em traços rígidos.
À medida que a história se vai repetindo, Eddie vai percebendo que o jogo nunca terminou.

Sobre a autora: C. J. Taylor é natural de Salisbury e cresceu em Nottingham, onde ainda vive com o companheiro e a filha pequena. O seu amor pela escrita, em especial pelo macabro e pelo sinistro, manifestou-se desde cedo. Enquanto os jovens da sua idade liam Judy Blume, ela devorava as obras de Stephen King e de James Herbet.
Ao longo dos anos, envolveu-se em tarefas tão diferentes como jornalista estagiária, empregada de mesa e de loja, autora de textos radiofónicos, voz off, apresentadora de televisão, redactora publicitária e agora escritora. Vencedora da competição nacional de escrita de Twenty7, em 2016, O Homem de Giz é o seu livro de estreia.

Imprensa
«[Há] muito tempo que não tinha uma noite em branco devido a um livro. O Homem de Giz mudou isso. Muitos parabéns C. J Tudor!»
Fiona Barton, autora best-seller de A Víuva e O Silêncio

«Há muito tempo que não lia uma estreia tão impressionante. O ritmo foi perfeitamente delineado, as personagens desenhadas soberbamente e há uma sensação de desconforto que começa com o prólogo e cresce ao longo do livro. E esse fim é tão diferente que o livro merece ser um êxito.»
James Oswald, autor best-seller do Sunday Times da série Inspector McLean
 
«Que estreia impressionante! Que ideia tão hábil e engenhosa! Fiquei absorvida desde a primeira página. Adorei como as histórias de 1986 e as de hoje se unem e criam este fim inesquecível e inesperado. Apelativo, tenso e muito muito arrepiante. Este livro irá assombrá-lo!»
Claire Douglas, autora best-seller do Sunday Times de Irmãs
 
« C. J. Tudor brilha intensamente e apresenta uma história assustadora e vividamente imaginada. Muito mais do que um mistério de assassínio é uma exploração inteligente e aterrorizante dos laços e limitações das amizades de infância e de segredos que se recusam a permanecer enterrados. Apaixonei-me pela voz que nos guia no romance, Eddie, pensativo e solitário. Prepare-se para se surpreender uma e outra vez, até à última página!»
Michelle Richmond, autora de O Pacto



domingo, 10 de dezembro de 2017

Patricia MacDonald - Baptizo-te Para a Morte [Opinião]


Sinopse: Segredos e mistério, num thriller inesperado. Claire e Guy pareciam o casal perfeito. A casa em Long Island e o bebé que enche de alegria a família espelham uma imagem de felicidade. Morgan só se apercebe de que algo se passa com a sua amiga Claire na festa de baptismo do bebé. A depressão pós-parto deixou-a desorientada, e Morgan tenta apoiá-la, mas tem de partir em viagem. Já no aeroporto, recebe uma notícia trágica – Claire assassinou o marido e o filho. Incrédula e determinada a ajudar a melhor amiga, Morgan decide investigar ela própria tão tenebroso crime.

Opinião: Ia jurar que, quando li a sinopse que estava na contracapa do livro, esta omitia as últimas linhas pelo que a maior surpresa, além do desfecho da trama, foi a morte do bebé, Drew, e do marido de Claire, Guy. Bem, creio que omitindo este facto, o leitor teria uma grande surpresa, logo na parte inicial da história.
Como não li a sinopse e optei por esta leitura por dois motivos: precisava de ler um livro com um título macabro para um desafio;  teria que ler um livro esquecido na estante para outro e devo dizer que fiquei bastante satisfeita.

É um thriller psicológico bastante interessante e com uma particularidade: convenceu-me que Claire teria mesmo cometido o crime e, por isso, a minha percepção inicial foi ter considerado que, possivelmente, a história seria previsível. Contudo, a história mostrou ser bastante aliciante e surpreendente, embora seja um thriller simples. Reflectindo sobre este aspecto, sem dúvida já li tramas com construção mais complexa.

O primeiro elemento digno de ser mencionado é, e não menosprezando a morte de Guy, a morte do bebé. Creio que é consensual: as mortes de crianças, especialmente em tenra idade, são chocantes. Não menosprezando, claro, o homicídio de Guy. Não obstante aquele trágico destino do bebé deixar-me algo inquieta...

O outro aspecto que achei deveras interessante foi a abordagem à depressão pós-parto, uma doença que ainda vejo tabu ou desacreditada por terceiros devido à ideia de que a maternidade é tão maravilhosa que não tem associados quaisquer efeitos negativos. A trama mostra uma realidade que é um abre-olhos para muitos.

Não tinha qualquer suspeita sobre o rumo da história. Como referi anteriormente, pouco ou nada sabia sobre a história pelo que fui sendo apanhada de surpresa.

Baptizo-te para a Morte manteve-me entretida. Sem dúvida que tenho que introduzir mais frequentemente a autora Patricia MacDonald nas minhas leituras. Gostei! 


Michelle Adams - Se Conhecessem A Minha Irmã [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Se Conhecessem A Minha Irmã é a obra de estreia de Michelle Adams.
Confesso que demorou a minha entrega ao livro. A minha percepção inicial relacionava-se com alguma incredulidade com a relação entre as duas irmãs. Compreendia perfeitamente que Elle e Irini não tivessem sido criadas juntas e, como consequência, ter gerado um fosso entre estas. Contudo, à medida que mergulhei nos acontecimentos passados, sob a forma de flashbacks, cada vez mais atribuía aquele ambiente sinistro a Elle e me pareciam óbvios os contornos da história. Enganei-me. A história acaba até por ter alguns volte-faces e, exceptuando os requintes de malvadez da vilã, certos aspectos até foram imprevisíveis.

Ainda sobre as personagens, é definida a fronteira entre a vilã e a heroína. Tudo aponta que seja Elle a antagonista e os vários (estranhos) acontecimentos corroboram a percepção do leitor. É, portanto, num cenário sombrio e entre uma animosidade por parte de Elle que a história se desenvolve.
À medida que me fui apercebendo dos segredos daquela família, sentia-me engolida naquele drama familiar. Razão pela qual considero que, a dado ponto, o leitor dificilmente perde o interesse pela trama.

Gostei da exploração em torno desta relação disfuncional entre irmãs. Embora a competição fraternal seja um ingrediente usado em várias narrativas, creio que esta se destaca pelas situações sombrias, aparentemente desencadeadas por Elle, fazendo o contraponto com uma submissão incomum por parte de Irini. A caracterização das irmãs teve um grande peso na história.

Lido com muito interesse, até porque não conseguia conter o meu entusiasmo com a vilã (confesso ser apreciadora de antagonistas com aquele nível de malícia), considerei que a componente de thriller psicológico quase se difunde no género de terror pois a certo ponto temi genuinamente por Irini. Gosto de livros sombrios, como este.

Já se passaram uns meses desde que li esta obra, ainda assim me recordo tão bem daquele final tão twisted e intenso. O clímax perfeito para uma história tão sombria e tortuosa. 

Em suma, Se Conhecessem A Minha Irmã destaca-se pelo cariz aterrador que pode caracterizar uma relação fraternal. Uma excelente sugestão de Natal, quiçá, para oferecer aos vossos irmãos/irmãs. 


Hjorth & Rosenfeldt - A Menina Silenciosa [Opinião]


Sinopse: AQUI

Opinião: 2017 começou com a leitura de O Homem Ausente. Confesso que esse título não foi o meu preferido da dupla Hjorth & Rosenfeldt não obstante aguardar com grande expectativa o 4º volume da série. Ei-lo, ainda este ano! (Obrigada, Suma de Letras, por não nos teres feito esperar muito por mais um livro desta dupla nórdica que se tornou obrigatória na minha estante).

A Menina Silenciosa mexeu muito comigo. Isto porque, como refere o título, alicerça sobre uma criança. E declaro ser muito sensível quando as tramas implicam crianças. Apesar de estar a atentar sobre o título do livro, a forma como esta menina apareceu foi, para mim, surpreendente. 
Considerei esta a primeira de inúmeras reviravoltas da trama. 
A minha primeira percepção relacionou-se, como não podia deixar de ser, com a iminência do desfecho da situação Sebastian/ Vanja. Creio ser consensual que este episódio, que apesar de se arrastar desde o primeiro livro, acaba por ter tanta relevância como os casos criminais.

E é sobre este ponto que gostaria de tecer algumas considerações. Os contornos daquele crime deixaram-me simplesmente abismada.
Confesso que temia uma trama semelhante à do livro, também este de uma dupla sueca, O Hipnotista. Felizmente a semelhança cingiu-se apenas ao homicídio colectivo da família. Um crime desta envergadura é de difícil assimilação. Quem teria coragem em matar uma família inteira, incluindo crianças?
Procurava avidamente qualquer pista para tentar destrinçar o autor da tamanha atrocidade. E eis que, uma vez mais, os autores Hjorth e Rosenfeldt me tiraram o tapete debaixo dos pés. 

Embora estejamos perante um livro volumoso, é com bastante avidez que o leitor se presta a envolver-se na investigação juntamente com a equipa. Atento à importância de seguir a série. Desta forma o leitor se sente duplamente interessado pela trama na medida em que as vidas pessoais dos personagens também evoluem. Até este livro, diria que o interesse recaía maioritariamente sobre a situação de Bergman e Vanya. Doravante há um personagem em particular que me parece ser alvo de curiosidade.

Não devo terminar sem mencionar a exímia reviravolta final. Fiquei estupefacta com a resolução do crime sobretudo com o cair da máscara de uma personagem. Decerto que este dará cartas no próximo volume da série. Estou deveras ansiosa em ler o 5º livro!

Em suma, A Menina Silenciosa entra no pódio dos preferidos, disputando o primeiro lugar com O Discípulo. É uma série imprescindível para os fãs do género!


quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Novembro em Livros


Foram poucos, muito poucos... Destaco A Menina Silenciosa e Mal Me Quer como os melhores do mês. E fica a promessa de devorar mais uns quantos livros em Dezembro para terminar o ano em grande. 

Espero que desse lado tenha sido um mês repleto em livros fantásticos!

A Estante está mais cheia [Novembro 2017]


Novembro foi um mês parco em leituras e compras de livros. Ainda assim chegaram alguns cá a casa, cortesia das editoras parceiras a quem devo uma palavra amiga de agradecimento. O da Anne Perry, relíquia, foi presente do marido.
Estava longe de imaginar que o orçamento destinado aos livros seria endereçado a umas compras de roupas na Black Friday... 

E vocês? Compraram muitos livros neste mês ou já pensam no próximo, pelo Natal?

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Sarah Pinborough - Behind Her Eyes [Opinião]


OK, com tantos livros para ler escolhi um, em ebook, que tem feito algum burburinho na internet. Falo de Behind Her Eyes de Sarah Pinborough, aclamado como o thriller psicológico cujo desfecho é o mais surpreendente de sempre. Há até uma campanha de marketing que desafia os leitores a partilhar a hastag #WTFThatEnding. Tive que ler para crer.

Desconheço se será publicado por cá (este ano foi editado pela Bertrand o livro 13 Minutos da autora) mas consta que esta história era superior, razão pela qual optei por esta obra.
Debruçando-se sobre um casal disfuncional, David e Adele, a trama adensa-se quando surge Louise. Esta, sem saber, engata David num bar e no dia seguinte percebe que é o seu novo patrão. A partir deste acontecimento, a história ergue-se sobre um triângulo amoroso (se bem que a relação do casal já esfriou tanto que já nem romance havia entre as personagens).

Nem sei muito bem como me expressar relativamente a este livro. Gostei da história com algumas ressalvas. Portanto, não fiquei completamente rendida mas a história teima em não sair da minha cabeça. Tem-me acompanhado desde ontem de madrugada, altura em que terminei a leitura.

Aprecio tramas credíveis e claramente que Behind Her Eyes não corresponde, de todo, a esta componente. A narrativa é pautada por alguns laivos de sobrenatural, ingrediente que vai ganhando força à medida que a história se desenvolve. Para mim, e claro que é uma percepção muito pessoal, o maior terror advém precisamente do ser humano, na maldade que este exerce (e que acaba por ser explorado no género de thriller psicológico). Porém, a história, sendo claramente do domínio paranormal devia ter uma outra categorização.

Não senti grande empatia com as personagens. Adele é uma narradora que suscita constantemente a dúvida e David pareceu-me também não ser digno de confiança. Há, no entanto, um aspecto que gostei na caracterização de Adele, uma psicopatia assumida e ao longo da leitura tive sempre presente a Amy Dunne (Gone Girl). Quanto a Louise, achei que, por vezes, teve atitudes contraditórias, Tanto tinha alturas em que ia à luta como mostrava autocomiseração e dependência. Sinceramente, nenhuma das personagens me cativou.

No que concerne ao malfadado twist, sim é verdade, é impossível adivinhá-lo. Fiquei estupefacta pois confesso que nunca pensei que a história se resolveria assim. Tendo em conta o que lera até então, sim é um final coerente com aquela trama. Contudo, também tenho uma noção de que será um final detestado por muitos leitores. Tenho para mim que não há meio termo para esta história e, em particular, este desfecho. 

Porém, sendo eu uma cinéfila de filmes de terror, asseguro que já vi dois filmes com situação semelhante e, por esse prisma, o final não é completamente inovador. Abstenho-me, claro, de mencionar os filmes afim de evitar qualquer tipo de spoiler.

É um livro completamente bizarro. Nem sei que nota lhe hei de atribuir no Goodreads. Dividido em três partes, confesso que não fiquei entusiasmada nas primeiras duas. Achei que o ritmo foi muito lento e não saía muito da vida rotineira de Louise, dos dilemas éticos sobre ser amiga da mulher do amante e outras crises existenciais. 
Contudo a terceira parte já foi lida com mais interesse. O final foi bem intenso, à sua maneira.

É um livro que deve ser lido open minded pois é muito diferente dos thrillers psicológicos que proliferam por aí. Gostei de ler algo fora da minha zona de conforto e, sobretudo, de ser surpreendida no final. No entanto, confesso que o paranormal não é bem a minha praia... 

Terei aqui leitores que já tenha lido esta obra tão incomum? Digam-me o que acharam, sem spoilar nada para desafiarmos outros leitores a descobrir o que afinal escondem David, Adele e Louise.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

M.J. Arlidge - Mal Me Quer [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Ahhh como é bom rever Helen Grace! Correndo o risco de me tornar repetitiva, M. J. Arlidge consagrou-se como um dos autores obrigatórios na minha estante. E melhor, este ano contámos com a publicação de dois títulos da série, pelo que foi excelente! No entanto, começa a instalar-se um sentimento de vazio porque, segundo constatei, este é o último livro publicado da série. Restam-nos dois contos para amenizar as saudades que, certamente, sentiremos de Helen.

Simplesmente não me canso desta série (e recomendo-a com grande frequência) porque o autor desenvolve tramas diferentes, tendo como denominador comum a protagonista e sua equipa bem como a jornalista Emilia Garanita. Devo deixar um parêntesis e mencionar que fiquei surpreendida com a provação pela qual passou a personagem nesta história.

O autor elevou a fasquia, a meu ver, com o último livro publicado até então, O Anjo da Morte. Tendo-se passado na prisão, pessoalmente, achei todo o enredo muito intenso. Parti com bastante expectativa para este. 
Relativamente a Mal Me Quer, o vilão é conhecido sensivelmente a meio da trama, após uma reviravolta que me surpreendeu de sobremaneira. Ainda que a identidade do antagonista seja revelada atempadamente, creio que a trama é estimulante devido às acções (e até descobrir as motivações) deste.

A estrutura viciante a que o autor nos habituara nos seis livros anteriores mantém-se: capítulos curtos, terminados em suspense e intercalados em duas acções. 
Creio ser consensual que o autor fomenta o suspense de uma forma exímia. O leitor folheia, com grande interesse, as páginas repletas de acção e adrenalina. Algumas mortes brutais pautam o enredo, começando logo no primeiro capítulo. Não obstante considerar, ainda assim, que de toda a série protagonizada por Grace, esta é, talvez, a história mais previsível. E mesmo com esta percepção, foi um livro que li avidamente, sempre empolgada.

Contrariamente aos outros livros da série que se debruçavam igualmente sobre o passado sombrio de Helen Grace, creio que Mal Me Quer, sendo o sétimo da saga, faz uma breve referência à vida pessoal da detective. Quem acompanha a saga, está familiarizado com a protagonista feminina assim como o restante elenco. Isto permitiu ao autor incidir mais sobre o caso criminal e novos acontecimentos sobre as personagens.

Em suma, embora com contornos mais previsíveis, a acção frenética da trama de Mal Me Quer, transforma este livro num page turner. Ficaremos, com certeza, a aguardar com grande ansiedade o próximo trabalho do autor. Esta série de Helen Grace é obrigatória para os fãs deste género!


Universal Pictures compra direitos de «Vidas Finais»


Vidas Finais, de Riley Sager, foi a grande aposta internacional deste ano. Vendido para mais de 20 países ainda em manuscrito, foi publicado em outubro passado pela Topseller. Agora vê os seus direitos cinematográficos serem comprados pela Universal Pictures.

A Anonymous Content será a produtora responsável pela adaptação ao grande ecrã desta história. Do seu repertório fazem parte sucessos como Being John Malkovich, Babel ou Eternal Sunshine of the Spotless Mind, e séries como 13 Reasons Why.

A Anonymous Content foi já distinguida com um Oscar com o filme Spotlight, e com um Globo de Ouro com o filme The Revenant.

Tudo boas razões para que seja um dos filmes mais aguardados dos próximos tempos, com um enredo que Stephen King apelidou de «o grande thriller de 2017».


segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Chris Carter - O Escultor da Morte [Divulgação TopSeller]


Data de publicação: 27 Novembro 2017

               Titulo Original: The Death Sculptor
               Preço com IVA: 18,79€
               Páginas: 416
               ISBN: 9789898869579

Sinopse: Até a obra de arte estar completa, a morte vai ter de esperar.
Quando a enfermeira Melinda Wallis entra no quarto de um paciente a seu cuidado, mal pode imaginar aquilo que vai encontrar.
Derek Nicholson, um importante advogado de Los Angeles, foi brutalmente assassinado. O homicida mutilou os seus membros e
construiu com eles uma escultura.
Chamado de emergência ao local do crime, o inspetor Robert Hunter não percebe as motivações por detrás de um crime tão hediondo. Especialmente porque Nicholson, que sofria de cancro em fase terminal, já não tinha muitas semanas de vida.
Quando um segundo corpo aparece num barco ancorado na marina de Los Angeles, o mistério adensa-se. Trata-se, agora, de um agente da polícia. E o macabro da cena repete-se, com o corpo decepado a criar uma escultura estranha.
Qual será a ligação entre as duas vítimas? Que significado terá a disposição dos seus corpos? O que estará o assassino a querer dizer?
Um thriller vibrante e misterioso, com surpresas e revelações inesperadas ao virar de cada página.

Sobre o autor: Chris Carter nasceu no Brasil mas cedo se mudou para os Estados Unidos, onde se formou em Psicologia com especialização em Comportamento Criminal. Foi psicólogo criminal durante vários anos antes de se mudar para Los Angeles e depois para Londres, onde tocou como músico para artistas conhecidos, até que deixou tudo para se tornar escritor a tempo inteiro.
Hoje, aplica na escrita a sua experiência de vários anos enquanto psicólogo criminal. A série Robert Hunter conta já com seis volumes publicados, todos bestsellers internacionais. Os seus livros já foram traduzidos para 14 línguas e são êxitos de vendas na Dinamarca e na Alemanha. Neste último país, o autor já vendeu mais de um milhão de exemplares.
Saiba mais sobre o autor em www.chriscarterbooks.com.


quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Mary Higgins Clark - Toda Vestida de Branco [Divulgação Bertrand]


Data de publicação: 10 Novembro 2017

               Titulo Original: All Dressed in White
               Preço com IVA: 16,60€
               Páginas: 280
               ISBN: 9789722534659

Sinopse: Há cinco anos, Amanda ia casar-se com o seu namorado do liceu. Depois, desapareceu. Laurie Moran escolhe o caso para o seu programa e faz uma reconstituição dessa noite com a presença dos familiares e amigos. Uma irmã ciumenta, um padrinho playboy, o noivo de Amanda agora casado com uma das damas de honor e diversos boatos sobre a «adorada» noiva levam Laurie a perceber que toda a gente tem uma teoria acerca do desaparecimento sem deixar rasto de Amanda. Mas onde estará a verdade?

Sobre os autores: Mary Higgins Clark é autora de mais de trinta romances que obtiveram um êxito assinalável, tendo vendido mais de 150 milhões de exemplares dos seus livros em todo o mundo.
Foi secretária e hospedeira, mas depois de se casar dedicou-se à escrita. Com a morte prematura do marido, que a deixou com cinco filhos pequenos, a autora investiu na escrita de guiões para rádio e, depois, nos romances. Rapidamente se tornou um dos grandes nomes da literatura de suspense, conquistando os tops de vendas, a crítica e os fãs.
Foi eleita Grand Master dos Edgar Awards 2000 pela Mystery Writers of America, que também lançou um prémio anual com o seu nome. Já foi presidente da Mystery Writers of America, bem como do International Crime Congress. 

Alafair Burke é autora best-seller de mais de uma dúzia de livros. Antiga advogada de acusação, é hoje professora de direito criminal em Manhattan.

Imprensa
«Muita intriga e emoção.»
Publishers Weekly 

 

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Jane Robins - Corpos Perfeitos [Divulgação ASA]


Data de publicação: 14 Novembro 2017

               Titulo Original: White Bodies
               Preço com IVA: 15,90€
               Páginas: 320
               ISBN: 9789892340654

Sinopse: Tilda e Felix aparentam ser o casal perfeito. São jovens e belos. Ela é uma atriz em ascensão. Ele é rico e especialista em finanças. Mas, por detrás da fachada de harmonia, nem tudo é o que parece...
Pois Callie, a tímida irmã gémea de Tilda, tem observado o casal de perto. Algo não bate certo. Desde a perda de apetite à decisão de deixar de trabalhar, tem de haver um motivo para os estranhos comportamentos da irmã. Tilda parece definhar, adquiriu hábitos invulgares, esconde seringas na casa de banho, tenta disfarçar nódoas negras... A Callie também não passaram despercebidas as fúrias incontroláveis de Felix.
Intrigada, Callie recorre à Internet, onde conhece um grupo de apoio a vítimas de maus-tratos. Mas a situação não tarda a descarrilar. Quando uma das suas novas amizades é assassinada, a jovem começa a duvidar de si própria. E, de repente, também Felix aparece morto. Não há indícios de crime, mas esta morte parece demasiado perfeita...
Suspense psicológico no seu melhor, Corpos Perfeitos dá-nos uma nova perspetiva sobre a obsessão, a violência que infligimos aos outros – e a nós próprios – ao mesmo tempo que revela o lado obscuro do amor e a força tremenda dos laços de fraternidade.

Sobre a autora: Jane Robins começou a sua carreira como jornalista no The Economist, The Independent e na BBC. Especializou-se na escrita do crime e tem um particular interesse na história da ciência forense. Robins publicou três livros de não ficção no Reino Unido, Rebel Queen (Simon & Schuster, 2006), The Magnificent Spilsbury (John Murray, 2010), e The Curious Habits of Doctor Adams (John Murray, 2013).
Ultimamente ela tornou-se membro do Royal Literary Fund.