sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Shirley Jackson - A Maldição de Hill House [Divulgação Cavalo de Ferro]


Data de publicação: 19 Fevereiro 2018

               Título Original: The Haunting of Hill House
               Preço com IVA: 16,59€ 
               Páginas: 208
               ISBN: 9789896232511

Sinopse: John Montague, especialista e estudioso do oculto, chega a Hill House em busca de algo concreto que possa provar a existência do sobrenatural. Acompanham-no, Theodora, a sua assistente, Luke, o futuro herdeiro da propriedade e Eleanor, uma mulher solitária e frágil, já com experiência de encontros com poltergeists.
Contudo, aquilo que, inicialmente, era apenas uma experiência em torno de fenómenos inexplicáveis torna-se, em pouco tempo, uma corrida pela sobrevivência, à medida que Hill House ganha poder e escolhe, de entre eles, aquele que quer para si…
A Maldição de Hill House é um dos mais perfeitos exemplos do terror e do suspense em literatura. Fonte de inspiração para nomes como Stephen King ou Guillermo del Toro, confessos admiradores de Shirley Jackson, a história foi adaptada por duas vezes ao cinema em filmes de grande sucesso.

Sobre a autora: Shirley Jackson (14 de Dezembro de 1916 – 8 de Agosto de 1965) foi uma autora americana, conhecida pelas suas obras de terror e mistério.

Imprensa
«Uma das histórias de terror mais perfeitas que já li.» 
Stephen King

«Uma mestre maior do terror e do suspense.» 
The New York Times Book Review

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

K. L. Slater - Sem Rasto [Divulgação TopSeller]


Data de publicação: 19 Fevereiro 2018

               Título Original: Blink
               Preço com IVA: 17,69€ 
               Páginas: 320
               ISBN: 9789898869760

Sinopse: Para Toni, Evie é a coisa mais importante do mundo
Quando perdeu o marido na guerra, Toni tomou medidas para começar tudo de novo e dar à filha, Evie, uma vida melhor. Mudou-se para uma cidade diferente, arranjou um novo emprego e mudou a filha para outra escola.
Mas há coisas más que não param de acontecer. O recomeço está a ser difícil. Evie não gosta da escola, os vizinhos têm antecedentes criminais e a nova chefe é terrível. Para conseguir lidar com tudo isto, Toni começa a abusar de sedativos.
Quando fecha os olhos, as horas desaparecem e o descanso torna-se possível. É quando algo terrível acontece.
E agora Evie desapareceu
Ninguém sabe onde Evie está e não há pistas, nem suspeitos. Toda a gente culpa Toni, que rapidamente é vista pela opinião pública como uma mãe irresponsável e toxicodependente. Mas ela tem a certeza de não ter feito nada de errado. Ou será que fez? 

Sobre a autora: K. L. Slater é uma nova voz do thriller psicológico que em poucos meses viu o seu romance de estreia, A Salvo Comigo, alcançar o topo das tabelas de vendas internacionais.
Também escreve livros de ficção YA, multipremiados, com o nome Kim Slater. Mora em Nottingham, no Reino Unido, com o marido e os três filhos.
Saiba mais sobre a autora em www.klslaterauthor.com.

Imprensa
«É brilhante e muito inteligente. Recomendo-o vivamente!» 
B. A. Paris, autora bestseller internacional


C.L. Taylor - Desaparecido: No Rasto de Billy [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Gostei muito do anterior livro desta autora, Em Fuga, igualmente publicado pela Topseller, motivo pelo qual ansiava ler Desaparecido: No Rasto de Billy.

Estamos perante uma temática diferente da narrativa antecessora, uma vez que a premissa deste assenta no desaparecimento de um jovem de 15 anos. Confesso que não consigo escolher qual das obras mais me agradou. A razão pela qual gostei tanto da presente trama deve-se, em grande parte, à formulação da família Wilkinson. À medida que a história se desenrolava, percebia que aquela família, aparentemente tão perfeita, teria alguns segredos sombrios que poderiam abalar os alicerces daquele agregado.  

O único aspecto que considerei menos positivo prende-se com uma característica relativa à mãe, dado que esta, por vezes, padecia de certos lapsos de memória que a faziam apagar e acordar em locais desconhecidos. Foi inevitável pensar em Rachel, a protagonista de A Rapariga no Comboio, não obstante, no presente caso, o aludido padecimento não estivesse associado a um problema de alcoolismo. 
Achei pertinente a tradução da nota da autora onde é revelado que estes episódios de amnésia dissociativa devem-se a uma questão neurológica e Taylor abordou-os por ser fascinada pela área da Psicologia. Confesso ter ficado mais convencida após ter lido as considerações finais da autora.

A história é narrada por Claire, a mãe de Billy, com excepção de um capítulo na recta final da trama. Desta forma, é mostrada uma perspectiva muito real do desespero e da dor que advêm do desaparecimento de um filho. A narrativa é intercalada por conversas no Snapchat que começam por ser inocentes, mas que progridem no sentido de se tornarem mais constrangedoras. Aliás, o culminar dessa conversa é a primeira página do livro acabando por funcionar como um elemento que alicia a leitura. Depreende-se que um dos intervenientes é Billy. A identidade do segundo manter-se-á como mais uma peça do quebra cabeças que será revelado apenas no final.

É interessante constatar como este desaparecimento vai despoletar diferentes reacções nos elementos da família. Tendo em conta que a trama se desenvolve em torno da descoberta de segredos no seio familiar do adolescente, considerei a atmosfera da trama tensa, uma percepção que senti logo nas páginas iniciais. 

É difícil de prever as razões pelas quais o jovem desapareceu e a revelação final, para mim, foi surpreendente. Igualmente intrincado foi definir quem seria o vilão nesta história onde, aparentemente, todos são vítimas por verem um elemento da família desaparecido. 

Em suma, confesso que fiquei imediatamente intrigada com esta história. Li-a em apenas dois dias, num misto de emoções que oscilava entre a incredulidade e a dúvida. Não consegui ler nas entrelinhas se Billy teria desaparecido por vontade própria ou forçado. Ou a pior hipótese, se teria sido morto.
Por outro lado, a componente thriller entrelaça-se com um brilhante ensaio sobre a exasperação de uma mãe na incerteza do paradeiro de um filho. 
Recomendo, sem reservas! 


Lee Child - Escola da Noite [Resultado Passatempo]


Com a preciosa colaboração da Bertrand, a menina dos policiais tinha um exemplar do livro Escola da Noite de Lee Child para oferecer. Desde já agradeço à editora e aos participantes que contribuíram para o sucesso deste passatempo. Com 181 participações válidas, as respostas correctas eram:

1. Que homens é que estão na turma? Um agente do FBI e um analista da CIA.
2. O que é que um agente infiltrado da CIA ouve dizer? "O americano quer cem milhões de dólares".
3. Mencione um livro publicado pela Bertrand de Lee Child. Uma Questão Pessoal, Nem Morto!, Não Voltes Atrás

Note-se que este passatempo tinha uma particularidade facultativa: quem partilhasse o passatempo no Facebook, no seu mural e de forma pública, a participação era duplicada. Assim, quem participaria na posição 1 e cumprisse este requisito, participa com os números 1 e 2. O objectivo era divulgar o blogue aos amigos :)

E após um sorteio no random.org, a vencedora é:

147 - Ana Pombeiro (Lisboa)  

Parabéns à vencedora!!! A todos os que tentaram mas não conseguiram, não desistam pois terei o maior prazer em fazer estes passatempos! Boa sorte e boas leituras para todos!

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Chloé Esposito - Louca [Resultado Passatempo]

 

Com a preciosa colaboração da Bertrand, a menina dos policiais tinha um exemplar do livro Louca de Chloé Esposito para oferecer. Desde já agradeço à editora e aos participantes que contribuíram para o sucesso deste passatempo. Com 203 participações válidas, as respostas correctas eram:

1. Que ingredientes podemos encontrar em Louca, o livro de estreia de Chloé Esposito? Luxo, inveja, loucura, sexo, segredos e crime.
2. Como se chamam as irmãs gémeas, protagonistas da trama? Alvie e Beth
3. Para que país viaja Alvie para visitar a irmã? Itália

Note-se que este passatempo tinha uma particularidade facultativa: quem partilhasse o passatempo no Facebook, no seu mural e de forma pública, a participação era duplicada. Assim, quem participaria na posição 1 e cumprisse este requisito, participa com os números 1 e 2. O objectivo era divulgar o blogue aos amigos :)

E após um sorteio no random.org, a vencedora é:

182 - Mariana Trindade (Abrantes)

Parabéns à vencedora!!! A todos os que tentaram mas não conseguiram, não desistam pois terei o maior prazer em fazer estes passatempos! Boa sorte e boas leituras para todos!

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Robert Goldsborough - O Caso de Nero Wolfe [Opinião]


Sinopse: AQUI

Opinião: É com alguma vergonha que revelo nunca ter lido nada (ainda) de Rex Stout. Na realidade, deixo-me fascinar pelas novidades editoriais que os clássicos vão ficando para trás, com muita pena minha.
Por isso, foi com O Caso de Nero Wolfe que tive contacto, pela primeira vez, com as personagens icónicas criadas por Rex Stout. Poder-se-ia até dizer que este livro funciona como uma prequela da série desenvolvida por Stout uma vez que recria o encontro de Archie Goodwin com Nero Wolfe, originando a parceria que eles desenvolvem no decorrer dos casos criados por um dos clássicos mestres policiais.

Como tal, e dadas as circunstâncias, basear-me-ei apenas na presente obra para fazer algumas observações referentes às personagens centrais. Creio que estarão fidedignas com o registo de Stout. 

O Caso de Nero Wolfe é um cozy mystery muito simpático que integra a colecção Crime à Hora do Chá. Apesar de ser uma obra publicada em 2012, está muitíssimo bem contextualizada na época. 
A descrição primorosa sobre o ambiente do autor transportou-me para a sociedade nova-iorquina dos anos 30, altura em que se sentiram os efeitos da Grande Depressão. 

Relativamente ao caso policial, este começa por ser um sequestro de uma criança, o Tommie de apenas oito anos. Senti-me surpreendida quando foi revelada, a poucas páginas do início, a resolução deste caso e temi que a trama não voltasse a surpreender até ao final. Contudo, este rapto trouxe algumas implicações que me agradaram. 
Um outro aspecto que me satisfez foi a descrição da família de Tommie. Talvez por já não haver esta tradição, a dinâmica na casa da criança, com toda uma interacção entre os serviçais, mordomo e donos da casa fez-me lembrar a afamada série Downton Abbey.

Gostei de conhecer o emblemático Nero Wolfe e questiono-me se a personagem também não participa tão activamente como na presente trama. Refiro-me a ele nesta forma pois Wolfe cinge-se a ficar em casa, a analisar e relacionar factos decorrentes dos testemunhos de Archie.
Apercebi-me que Wolfe é excêntrico e só me apetece comprovar e ler um livro escrito por Rex Stout. Creio que a publicação desta obra poderá potenciar a leitura dos clássicos policiais do autor que criou a personagem.

O ritmo da história é lento, à semelhança dos policiais ditos clássicos, e a investigação do caso entrelaça com um enquadramento da época. A trama é desprovida de elementos chocantes. Como certamente sabeis, sou uma leitora que dá primazia às tramas mais violentas com pormenores mais sórdidos. 
No entanto, ler um mistério destes é um guilty pleasure. São histórias que primam pela dedução lógica na resolução dos casos e tenho para mim que é apreciar a literatura policial na sua essência.

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Sheena Kamal - Os Perdidos [Divulgação HarperCollins]


Data de publicação: 9 Fevereiro 2018

               Título Original: Eyes Like Mine
               Preço com IVA: 17,70€ 
               Páginas: 352
               ISBN: 9788491392521

Sinopse: A estreia de um thriller psicológico sombrio e de leitura viciante, o primeiro numa série completamente nova, que dá o protagonismo a Nora Watts - uma personagem profundamente atormentada, complexa a nível emocional, e irresistivelmente convincente.
O telefone toca passados apenas cinco minutos das cinco da manhã...
«Nunca tinha ouvido falar do nome Everett Walsh antes, contudo, segundo a pessoa que me ligou, poderei saber alguma coisa sobre uma miúda desaparecida. Embora não me diga o quê. Ainda considero a hipótese de não me encontrar com ele, mas parecia desesperado e, se há coisa que me atrai mais numa pessoa do que a persistência, é o desespero. Apesar de encontrar pessoas fazer parte da forma como ganho a vida, o que poderia eu saber sobre uma miúda desaparecida que justificasse uma chamada a esta hora?

Tudo começa com uma chamada telefónica que Nora Watts receou durante quinze anos - desde o dia em que deu a sua filha recém-nascida para adoção. Bonnie desapareceu. A polícia considera-a uma fugitiva crónica e não anda à procura dela, levando os pais adotivos a procurar, como última esperança, a mãe biológica.
Resultado de uma relação multirracial e proveniente de instituições de acolhimento, transiente, sem-abrigo, apavorada pelo seu passado repleto de dor e violência, e amaldiçoada com uns intimidantes olhos escuros que absorvem toda a luz circundante - e com a capacidade de penetrar bem fundo na alma de uma pessoa - Nora sabe intimamente o que acontece a raparigas vulneráveis na rua... 

Sobre a autora: Sheena Kamal é licenciada em Ciência Política pela Universidade de Toronto e foi galardoada com uma bolsa de estudos TD Canada Trust pela sua liderança comunitária e ativismo em torno da questão dos sem-abrigo. Também trabalhou como jornalista de crimes e de investigação para a indústria cinematográfica e televisiva - conhecimentos académicos e experiências essas que serviram de inspiração para o seu romance de estreia, Os Perdidos. Atualmente vive em Vancouver, no Canadá.



Simon Scarrow & Lee Francis - Brincar Com A Morte [Divulgação Saída de Emergência]


Data de publicação: 9 Fevereiro 2018

               Título Original: Playing with Death
               Preço com IVA: 17,70€ 
               Páginas: 400
               ISBN: 9789897730948

Sinopse: Às vezes, o assassino vence...
A agente especial do FBI Rose Blake enfrentou o mal e sobreviveu. Assombrada por uma desastrosa missão infiltrada, Rose não consegue esquecer a memória do seu encontro cara a cara com um cruel serial killer – que continua em liberdade e pode atacar a qualquer momento.
A chamada para investigar um incêndio com possível mão criminosa que causou uma morte é uma distração bem-vinda. Este é um caso que normalmente não é atribuído ao FBI, mas nada neste crime é comum, e Rose teme o pior: que um assassino impiedoso tenha executado o crime perfeito. Um criminoso com uma imaginação aterradora e a inteligência para se manter sempre um passo à frente. Ela sabe apenas uma coisa sobre ele: que vai voltar a matar.

Sobre os autores 
Simon Scarrow: Com grande paixão pela escrita e pela antiguidade clássica, Simon Scarrow é professor no colégio de Norwich. Apaixonado pelo período romano, organizou muitos encontros para levar os seus alunos a muitas ruínas e museus por toda a Inglaterra. Grande fã das obras de Forester, Cornwell e O’Brian, um dia decidiu escrever precisamente aquilo que gostava de ler: romances passados no seio das míticas legiõs romanas. E ainda bem que o fez pois os seus livros, tal como as legiões sobre as quais escreve, arrasaram a crítica e conquistaram leitores em todos os países onde foram publicados.

Lee Francis trabalhou durante vários anos no mundo do cinema, televisão e publicidade como leitor de guiões e assistente de realização. Brincar com a Morte é o seu primeiro romance.  

Imprensa
«Se Stephen King tivesse colaborado com Michael Crichton num thriller, talvez fosse tão bom como este.»
Peterborough Evening Telegraph

«Intriga, traição e violência... ação intensa, personagens sedutoras e detalhes genuínos.»
Publishers Weekly


quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Federico Axat - A Última Saída [Passatempo Editorial Presença]


Desta vez, e em parceria com a Editorial Presença, a menina dos policiais tem para sortear um exemplar do livro A Última Saída de Federico Axat. Para participar no passatempo tem apenas de responder acertadamente a todas as questões seguintes.
São mantidos os moldes do passatempo anterior: a partilha do passatempo numa rede social, pública, garante ao participante mais uma entrada válida!

Regras do Passatempo:

- O passatempo começa hoje, 8 de Fevereiro de 2018 e termina às 23h59 do dia 18 Fevereiro de 2018.
- Os participantes deverão ser seguidores do blogue (fazer login na caixa dos seguidores na barra direita do blogue)
- O participante vencedor será escolhido aleatoriamente.
- O vencedor será contactado via e-mail.
- O blogue não se responsabiliza por extravios dos CTT.
- Apenas poderão participar residentes em Portugal e só será permitida uma participação por residência.
- Se precisarem de ajuda podem consultar aqui

Só me resta desejar boa sorte aos participantes!!! :)

Para mais informações sobre o livro A Última Saída, clique aqui
Para mais informações sobre a Editorial Presença, clique aqui



sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Chloé Esposito - Louca [Passatempo Bertrand]


Desta vez, e em parceria com a editora Bertrand, a menina dos policiais tem para sortear um exemplar do livro Louca de Chloé Esposito. Para participar no passatempo tem apenas de responder acertadamente a todas as questões seguintes.
São mantidos os moldes do passatempo anterior: a partilha do passatempo numa rede social, pública, garante ao participante mais uma entrada válida!

Regras do Passatempo:

NOTA: O exemplar será enviado pela editora que pede o NIF do vencedor. Assim sendo, após o sorteio, entrarei em contacto com o contemplado afim de aferir este dado.

- O passatempo começa hoje, 2 de Fevereiro de 2018 e termina às 23h59 do dia 11 de Fevereiro de 2018.
- Os participantes deverão ser seguidores do blogue (fazer login na caixa dos seguidores na barra direita do blogue)
- O participante vencedor será escolhido aleatoriamente.
- O vencedor será contactado via e-mail.
- O blogue não se responsabiliza por extravios dos CTT.
- Apenas poderão participar residentes em Portugal e só será permitida uma participação por residência.
- Se precisarem de ajuda podem consultar aqui

Só me resta desejar boa sorte aos participantes!!! :)







quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Sandra Brown - Rapto Escaldante [Divulgação Quinta Essência]


Data de publicação: 20 Fevereiro 2018

               Titulo Original: Sting
               Preço com IVA: 16,60€
               Páginas: 392
               ISBN: 9789897418822

Sinopse: Num bar fumarento e sombrio do Louisiana, o olhar de Shaw Kinnard cruza-se com o da elegante Jordie Bennet. Mas não se trata de amor à primeira vista. Ele está lá para a matar.
Jordie sente que chegou a sua hora. Mas Shaw tem outros planos, pois sabe que o irmão dela, Josh, deitou indevidamente a mão a 30 milhões de dólares. No último minuto, Shaw poupa a vida de Jordie mas rapta-a. Agora, estão ambos em perigo, pois não são os únicos que procuram Josh e a fortuna roubada.
Jordie e Shaw precisam um do outro para se manterem vivos – mas confiar é baixar as defesas. E se Shaw emana uma aura de perigo que é quase irresistível, Jordie não lhe fica atrás; é misteriosa e impenetrável, e incapaz de revelar o que sente. À medida que o desejo e a tensão entre ambos aumentam, torna-se evidente que terão de fazer o impensável: confiar um no outro.
RAPTADA é uma história de encontros, desencontros e enganos… mas quem está a enganar quem?

Sobre a autora: Sandra Brown é autora de mais de setenta romances, na sua maioria bestsellers do New York Times. É uma das mais importantes escritoras de romances policiais dos Estados Unidos, distinguidas, entre outros, com os prémios Texas Medal of Arts Awards for Literature e o Thriller Master de 2008, a distinção máxima atribuída pela International Thriller Writer’s Association.
Publicou o seu primeiro romance em 1981 e, desde então, já vendeu cerca de oitenta milhões de exemplares em todo o mundo, estado a sua obra traduzida em trinta e três idiomas.
Vive com o marido em Arlington, no Texas.


Joseph Roth - Confissão de Um Assassino [Divulgação Cavalo de Ferro]


Data de publicação: 22 Janeiro 2018

               Titulo Original: Beichte eines Mörders, erzählt in einer Nacht
               Preço com IVA: 13,99€
               Páginas: 144
               ISBN: 9789896232504

Confissão de um Assassino é um dos romances mais famosos de Joseph Roth, jornalista e escritor austríaco, nascido em 1894 e falecido em 1939. Nas suas obras encontramos um admirável fresco da Europa das primeiras décadas do século XX. Neste caso, como anuncia o subtítulo, trata-se do relato de uma noite, de uma fuga, de um crime.

Sinopse: Sentado ao balcão de um restaurante, ponto de encontro de emigrantes e exilados russos em Paris, Golubchik, antigo agente da Okhrana, a temível polícia secreta do Czar, entrega-se finalmente ao relato sofrido da sua vida.
À medida que avança, copo após copo, noite dentro, os poucos clientes presentes veem-se embrenhados no fascinante percurso deste homem, desde a sua tentativa em reclamar o nome nobre do seu pai, ao encontro com uma personagem misteriosa que ensombrará para sempre o seu futuro, passando pela sua destrutiva história de amor com uma mulher e pelo seu ódio ao meio-irmão, o Príncipe.
Confissão de um Assassino, romance até hoje inédito em Portugal, é, ao estilo dos grandes romances russos, simultaneamente uma poderosa análise da natureza humana e do poder hipnótico do Mal e um retrato vívido e agitado dos modos e dos acontecimentos mais marcantes de uma época, da Revolução bolchevique ao ambiente de Paris que antecede a Primeira Guerra Mundial.

Sobre o autor:  Joseph Roth, escritor austríaco de origem judaica, nasceu em 1894 na cidade de Brody (Galícia Oriental, atual Ucrânia). Estudou Filosofia e Literatura Alemã na Universidade de Viena. Em 1916, alista-se como voluntário na Primeira Guerra Mundial e cai prisioneiro do exército russo, experiência que o marca profundamente. Após o final da guerra, inicia uma carreira no jornalismo que o leva a mudar-se com a família, primeiro para Berlim, depois para Frankfurt, e, finalmente, em 1925, para Paris.
O final da vida do escritor seria marcado pela tragédia, pressentida na sua breve e pungente novela A Lenda do Santo Bebedor, de 1939: exilado numa Paris em vésperas de mais uma guerra mundial, Roth acabaria por falecer nesse mesmo ano, consumido pelo alcoolismo. 

Imprensa«Joseph Roth é um dos grandes escritores de língua alemã do século XX.»
The Times 
«Um dos aspetos mais notáveis do talento de Roth é a sua versatilidade (...) e, nos últimos anos do seu exílio, com Confissão de um Assassino, conseguiu um livro que, entre o suspense e o livro de espionagem, nos recorda Dostoievski.»
New York Review of Books

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Jens Lapidus - Apagar Estocolmo [Divulgação Suma de Letras]


Data de publicação: 6 Fevereiro 2018

               Titulo Original: Sthlm Delete
               Preço com IVA: 21,90€
               Páginas: 544
               ISBN: 9789722360951

Sinopse: Quando o alarme de uma casa dispara em Värmdö, uma ilha do arquipélago de Estocolmo, um guarda acode, temendo uma invasão. Mas o que encontra está longe de ser comum: um corpo não identificável, brutalmente assassinado. Para complicar ainda mais as coisas, depara-se com um jovem ferido perto da cena do crime — um homem que a Polícia considerará o principal suspeito. Emelie Jansson, uma jovem e prometedora advogada, recém-admitida numa conhecida firma de advogados, assume o caso do jovem, apesar da discordância do seu chefe. A apoiá-la está Teddy, um ex-presidiário que tenta permanecer no lado certo da lei, trabalhando como investigador para a firma de advogados. Mas Teddy tem os seus próprios problemas — nomeadamente, o seu rebelde sobrinho, que está prestes a seguir os passos criminosos do tio. Quem é a vítima do assassinato e quem é o assassino? E por que é que todos os caminhos parecem conduzir a Mats Emanuelsson, um homem que Teddy sequestrou em tempos? Enquanto Emelie investiga, Teddy deve confrontar-se com o passado e salvar o sobrinho de um destino problemático. Rapidamente, os três ficam presos num jogo arriscado que ameaça desfazer as suas vidas.
"Apagar Estocolmo" é a história de pessoas que tentam apagar o seu passado e que estão dispostas a fazer qualquer coisa para fazer desaparecer os seus velhos eus. Fala de um mundo caprichoso que apaga algumas pessoas, enquanto concede a outras oportunidades incríveis.  

Sobre o autor:  Jens Lapidus, brilhante advogado criminalista em Estocolmo, serve-se da sua experiência profissional, que lhe oferece uma visão privilegiada, para escrever as histórias cruas e realistas que estão a conquistar o mundo. Autor comparado com James Ellroy pela crueza e realismo da sua prosa, os seus thrillers são aclamados pela crítica e pelo público nos mais de 20 países onde é publicado. Algumas das suas obras foram adaptadas para o cinema e os direitos de Apagar Estocolmo já foram também vendidos para o cinema.

Imprensa
«Finalmente um thriller épico europeu à altura dos livros de Stieg Larson  um romance selvaticamente emocionante.» 
James Ellroy

«Veloz e cheio de ação, este thriller obscuro e duro é ideal para aqueles que gostam de histórias de mistério viscerais.»
Library Journal

«Com destacadas frases de cortar a respiração, combinadas com um ritmo rápido e elegante, ao estilo da prosa crua e delicada de James Ellroy, Lapidus oferece uma intriga que o manterá colado às páginas.»
Politiken



Federico Axat - A Última Saída [Divulgação Editorial Presença]


Data de publicação: 7 Fevereiro 2018

               Titulo Original: La Última Salida
               Colecção: Grandes Narrativas #681
               Tradução: Isabel Maria Pettermann Frausto
               Preço com IVA: 19,90€
               Páginas: 408
               ISBN: 9789722360951

Um thriller psicológico fascinante e audacioso onde nada é o que parece.
Com direitos vendidos para 35 países, adaptação cinematográfica em curso e excelentes críticas internacionais.
  
Sinopse: Ted é rico e tem uma família perfeita. O que o terá levado a tomar a decisão de acabar com a própria vida ?
Quando ouve o toque da campainha, a sua primeira reação é ignorá-lo e premir o gatilho. É então que descobre uma nota escrita por si próprio de que ele não se lembra de todo: Abre a porta. É a tua última saída! Do outro lado da porta, vê um desconhecido, Lynch, que não só sabe o que Ted ia fazer como também lhe faz uma proposta difícil: um plano para evitar que a família sofra as consequências devastadoras da decisão que tomara . Ted aceita sem imaginar que a nota escrita e a proposta de Lynch são apenas o início de um jogo macabro de manipulações... Às vezes, só podemos confiar em nós próprios. Outras nem sequer isso. 

Sobre o autor: Federico Axat nasceu em Buenos Aires, em 1975. É engenheiro de formação, mas o seu interesse e vocação levaram-no também à escrita. A sua obra é marcada por suspense, surpreendentes reviravoltas na narrativa e finais sempre inesperados. É autor de Benjamim (2010), El Pantano de las Mariposas (2013). A Última Saída, o seu romance mais recente, despertou um entusiasmo tal que, mesmo antes de ser publicado em castelhano, já contava com direitos de tradução adquiridos por diversas editoras estrangeiras, estando agora publicado em mais de 35 países. Foi nomeado para o Prémio Ian Fleming Steel CWA Dagger e será brevemente adaptado ao cinema numa grande produção de Hollywood. 

Imprensa
«Abram alas, Hitchcock, P.D. James, Ruth Rendell e outros. Aqui está um thriller que fará sombra a muitos livros do género. Personagens bem construídas, um enredo destemido e uma narrativa de primeira linha são os ingredientes desta emocionante história que vai abalar o leitor.»
New York Journal of Books

«Um thriller psicológico onde nada é o que parece, onde as peças são movidas como se de um jogo de xadrez se tratasse.»
El Mundo

«Federico Axat tem o tipo de escrita hipnótica que os leitores adoram mas na qual nunca podem confiar .» 
The New York Times

Para mais informações sobre a Editorial Presença, clique aqui
Para mais informações sobre o livro A Última Saída, clique aqui


Chloé Esposito - Louca [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Sobre esta obra, começo por dizer que estamos perante um thriller muito pouco convencional. Por essa razão creio que não se destinará a todos os leitores. 

A principal característica de Louca é, indubitavelmente, o humor com que a trama está dotada e a oscilação deste ao longo da narrativa. Começa por ser, inicialmente, um humor escatológico para caracterizar a protagonista, passando para, numa fase posterior, um registo mais negro. 

Um dos ingredientes que mais aprecio nos thrillers é a formulação das personagens que sejam detestáveis. No final do livro, custou-me rotular uma vítima e uma vilã. A protagonista pareceu-me apenas uma oportunista que toma péssimas decisões, tudo em prol do seu bem estar. O adjectivo que dá nome ao livro, Louca, não poderia caracterizar melhor Alvina, mais conhecida por Alvie.
Pessoalmente gosto muito quando as personagens são intragáveis e no que concerne à presente obra, a autora acertou em cheio. O leitor apercebe-se, logo nas páginas iniciais, de uma grande futilidade por parte da protagonista. É praticamente impossível conter as gargalhadas quando lemos os episódios do aeroporto ou o casamento da irmã. Sim, Alvie tem uma gémea, Beth, aparentemente mais bem sucedida. A trama começa verdadeiramente quando Beth lhe pede para a ir visitar e que ambas troquem, momentaneamente, de identidade.

Tenho para mim que a sinopse desvenda demasiado mas fui entretanto consultar a original que ainda é mais reveladora. Não obstante, creio que a trama se tornará mais interessante a partir do momento em que Beth morre acidentalmente. A partir daí, são muitas as situações insólitas que Alvie passa e que me provocaram alguma incredulidade e risos vários. A personagem feminina torna-se, inevitavelmente, uma anti-heroína por quem torcemos que se safe das várias situações mirabolantes e imprevisíveis pelas quais passa. Muito sinceramente, quando não me estava a rir, sentia-me estupefacta pela incrível sucessão de acontecimentos. 
Há inúmeras cenas de sexo, explícitas, outro ingrediente bastante incomum na literatura de thriller. Não me chocou, até porque, muito pontualmente, gosto de ler um erótico e considero que estas passagens trouxeram alguma audácia à narrativa.

Atento também para a invulgar estrutura da história, dividida nos vários pecados mortais, introduzido com um credo, bastante simplista no entanto, por parte de Alvie com um breve flashback da sua infância. Não desresponsabiliza os seus actos, é certo, mas acabamos por sentir alguma compaixão pela personagem.

Remato com o meu cepticismo face à sua cotação no Goodreads, para mim, subvalorizada. É certo que Louca não é um thriller tradicional, razão pela qual, na minha opinião, é uma obra que traz algo de novo ao género e isso é louvável.

Louca prima por ser muito bem escrito. Não me esquecerei das tiradas hilariantes de Alvie bem como as peripécias caricatas da personagem. Estou muito curiosa por ler o segundo livro da trilogia, Bad, fazendo votos que a Bertrand seja célere na sua publicação. 
Hilariante, sexy e misterioso. Uma combinação que descreve perfeitamente esta obra. Recomendo, é claro!


quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Chloé Esposito - Louca [Divulgação Bertrand]


Data de publicação: 2 Fevereiro 2018

               Titulo Original: Mad
               Tradução: Fernanda Oliveira
               Preço com IVA: 17,70€
               Páginas: 384
               ISBN: 9789722534581

Luxo, inveja, loucura, sexo, segredos e crime são alguns dos ingredientes que podemos encontrar em Louca, o livro de estreia de Chloé Esposito e que chega às livrarias nacionais no dia 2 de fevereiro. Trata-se de um thriller sexy e arrebatador contado por uma voz perversa, e que tem como protagonista uma gémea que se apodera da vida perfeita da irmã após esta morrer em circunstâncias duvidosas. A autora partiu da seguinte premissa para construir o enredo de Louca: «O que me tornaria obsessivamente ciumenta? Talvez se eu tivesse uma gémea idêntica com mais sucesso do que eu, mais bonita do que eu, mais rica do que eu e casada com o homem que eu amo». 

Louca foi mesmo um dos livros mais disputados pelas editoras a nível internacional durante a Feira de Londres, sendo um dos livros mais aguardados do ano.
A obra de Chloé Esposito já despertou, inclusivamente, o interesse de Hollywood. A Universal Studios adquiriu os direitos de adaptação ao cinema e Michael de Luca, o mesmo produtor de As 50 Sombras de Grey, será o responsável pelo projeto.
  
Sinopse: Louca é um thriller passado em Londres e na Sicília, no espaço de uma violenta semana de verão, e que explora os temas do ciúme e do engano, do crime e da inveja. Uma gémea não só se apodera da vida perfeita da irmã, como se dispõe a continuar a vivê-la.
Alvie Knightly está muito em baixo: sem objetivos na vida e a beber demais. A sua vida é ainda pior se comparada com a de Beth, a sua irmã gémea e perfeita. Beth casou-se com um italiano lindo e rico, tem um bebé maravilhoso e sempre foi a preferida da mãe. Há muito tempo que a única coisa que as gémeas têm em comum é a aparência. Quando Beth envia um bilhete de avião à irmã para que a visite em Itália, Alvie mostra alguma relutância. Mas quando é despedida do emprego que detesta e os companheiros de casa a põem na rua, começa a mudar de ideias e a pensar na luxuosa villa de Taormina. Beth pede à irmã que troque de identidade com ela durante umas horas, para poder escapar à atenção do marido. Alvie agarra com unhas e dentes a oportunidade de viver a vida da irmã, ainda que temporariamente. Porém, quando a noite acaba com Beth morta no fundo da piscina, Alvie dá-se conta de que aquela é a sua oportunidade de mudar de vida. E, afinal, o que escondia Beth do marido? E porque é que a convidou para ir a Itália? Alvie vai descobrindo segredos e mentiras à medida que mergulha mais fundo na vida da irmã morta. E terá de fazer de tudo para conseguir suportar as suas próprias mentiras. 

Sobre a autora: Chloé Esposito vive em Londres com o marido e a filha. Formada em Letras pela universidade de Oxford, foi professora, assessora de direção e consultora de moda na Condé Nast. Este é o seu primeiro romance.

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Nuno Nepomuceno - Pecados Santos [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Ler um livro do Nuno Nepomuceno é constatar automaticamente que existe excelente ficção policial em Portugal. É com imenso agrado que verifico que, dentro deste género, cada vez mais, os escritores portugueses dão cartas, ombreando com consagrados autores estrangeiros.

Antes de escrever o meu parecer sobre Pecados Santos, quero alertar-vos, meus caros leitores, que embora me seja muito difícil dissociar o autor da obra, cingir-me-ei apenas à trama e personagens sem que me deixe influenciar por qualquer sentimento mais pessoal.
Conhecer o autor pessoalmente e nutrir por ele, um grande sentimento de admiração e amizade poderia, à primeira vista, enviesar os meus juízos relativamente à obra.

Lembro-me de, ao ler a trilogia Freelancer, me render devagarinho. Note-se que nunca fui grande fã do subgénero de Espionagem (confesso até que nunca vi nenhum filme protagonizado pelo famigerado espião britânico James Bond), porém é praticamente impossível não apreciar aquela trilogia. Especialmente porque a escrita do autor contribuiu para uma aproximação invulgar entre o leitor e o protagonista, André Marques-Smith.

Pecados Santos aproxima-se mais dos meus gostos. O autor bem que me avisara. A dita componente de Espionagem escasseia, dando origem a um thriller policial, daqueles que eu gosto. Os crimes, descritos de forma gráfica, reportam-se a episódios bíblicos, sendo este o único ponto em que me sinto impelida a fazer um reparo. Não sou, é certo, uma conhecedora nata sobre o livro sagrado, no entanto, verifiquei que há um lapso concernente ao episódio de Abel e Caim. Abel era pastor e Caim lavrador e não o contrário como é referido na presente obra.

Descurando esta pequena imprecisão, o autor revelou um domínio de diversos conteúdos sobre religião, estabelecendo um interessante paralelismo entre Judaísmo e Cristianismo. A exposição dos temas é feita sob uma forma interessante. O primeiro impacto surge logo no início da obra, numa aula leccionada pelo professor. Creio ter-me sentido tão fascinada quanto os caloiros universitários que assistiam à palestra.
O Islamismo fora uma religião esmiuçada no livro anterior, A Célula Adormecida.

Apesar de termos personagens que migraram dessa mesma obra, como é o caso flagrante do Professor Afonso Catalão, não creio que haja uma necessidade em ler as obras como série. Os principais acontecimentos do livro antecessor são sucintamente reportados para que o leitor não perca o fio à meada. Agradou-me particularmente ver o protagonista enredado numa situação ligada ao seu passado enquanto se debatia com a trama actual. Senti que o autor nos oferecia dois mistérios: um de cariz mais pessoal e o outro, o caso de investigação criminal.
Devo salientar novamente o poder descritivo da escrita do Nuno. Senti-me a deambular, uma vez mais, pelas ruas de Lisboa ao lado do Professor Catalão. 

Na eminência de se deslindar o passado do professor, bem como a identidade do vilão a narrativa torna-se cada vez mais empolgante. O autor tirou-me o chão nas páginas finais. Senti-me simplesmente destroçada. Nos livros futuros protagonizados por Catalão, prevejo algumas alterações na dinâmica familiar. Além disso, para mim, que engendro uma série de teorias, o whodunnit foi imprevisível.
Além de ter ficado saciada com a resolução do crime, por outro lado começa a instalar-se uma nostalgia que só se apagará aquando o lançamento de um próximo livro. 

Em suma, um livro inteligente e brilhantemente escrito que não poderei deixar de recomendar não só aos ávidos pelo crime bem como aos curiosos por Teologia ou Estudos Bíblicos. 

https://www.culturaeditora.pt/wp-content/uploads/2017/10/lg_cultura.png

Rex Stout - A Quadrilha de Rubber [Divulgação Colecção Vampiro]


Data de publicação: 1 Fevereiro 2018

               Titulo Original: The Rubber Band
               Tradução: Maria do Carmo Pizarro
               Preço com IVA: 7,70€
               Páginas: 312
               ISBN:

A Quadrilha de Rubber, terceira aventura da dupla Wolfe/Goodwin, escrita em 1936, é Rex Stout no seu melhor e é publicada pela Livros do Brasil a 1 de fevereiro, na coleção Vampiro. 
Archie Goodwin, parceiro de Nero Wolfe e homem de ação, volta a ser o narrador bem-humorado desta história de ritmo veloz, onde a perspicácia do ocioso detetive amante de cerveja e de orquídeas confirma a sua superioridade, mesmo que desta vez isso quase lhe cause a morte.

Sinopse: Tudo começa quando a jovem Clara Fox é acusada de um roubo avultado dentro da empresa em que trabalha, a multimilionária Seaboard Products Corporation, mas o seu presidente não está convencido de que seja ela a culpada. Horas depois de Nero Wolfe receber o pedido para investigar este caso, uma outra visita bate-lhe à porta e solicita os seus serviços para resolver uma demanda nascida há mais de quatro décadas: um grupo de aventureiros resgatara um rapaz inglês nos tempos do Velho Oeste aceitando como pagamento um documento em que aquele se comprometia a entregar metade da fortuna da família, logo que a herdasse. E assim que se conhece a líder do grupo que agora reclama o dinheiro, torna-se claro que estes dois mistérios podem muito bem ser apenas um.

Sobre o autor:  Rex Stout nasceu a 1 de dezembro de 1886 na cidade americana de Noblesville, Indiana. Após uma breve passagem pela Universidade do Kansas, alista-se na Marinha em 1906 e durante dois anos serve a bordo do iate Mayflower, do Presidente Roosevelt, como subtenente. Em 1916 cria um sistema bancário escolar que seria implementado em mais de quatrocentos estabelecimentos de ensino e que lhe garantiu lucros confortáveis, mas em 1927 abandona os negócios e passa a dedicar-se inteiramente à escrita. Publica três romances, que obtiveram críticas favoráveis, mas é com a sua primeira obra policial que alcança o reconhecimento do grande público: Picada Mortal surgiu em 1934 e com ela surgiu a personagem de Nero Wolfe, detetive excêntrico, amante de boa comida e de belas orquídeas, que, juntamente com o jovem assistente Archie Goodwin, viria a protagonizar dezenas de histórias.
Em 1959, Rex Stout recebeu a distinção de Grande Mestre pela Mystery Writers of America.
Morreu a 27 de outubro de 1975, em Danbury, no Connecticut, cerca de um mês após a publicação do seu último romance, Um Caso Familiar.

Já na coleção Vampiro:
No. 1: Os Crimes do Bispo, de S.S. Van Dine
No. 2: Vivenda Calamidade, de Ellery Queen
No. 3: O Falcão de Malta, de Dashiell Hammett
No. 4: O Imenso Adeus, de Raymond Chandler
No. 5: Picada Mortal, de Rex Stout 
No. 6: O Mistério dos Fósforos Queimados, de Ellery Queen
No. 7: A Liga dos Homens Assustados, de Rex Stout
No. 8: A Morte da Canária, de S. S. Van Dine 
No. 9: O Grande Mistério de Bow, de Israel Zangwill
No. 10. A Dama do Lago, de Raymond Chandler
No. 11. A Pista do Alfinete Novo, de Edgar Wallace
No. 12. Colheita Sangrenta, de Dashiell Hammett
No. 13. O Caso da Quinta Avenida, de Anna Katharine Green  
No. 14. O Caso Benson, de S.S. Van Dine 
No. 15. O Impostor, de E. Phillips Oppenheim
No. 16. A Chave de Cristal, de Dashiell Hammett
No. 17. O Crime do Escaravelho, de S.S. Van Dine
No. 18. O Gato de Diamantes, de Dorothy L. Sayers