quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Chris Carter - Uma Mente Perversa [Opinião]


Sinopse: AQUI

Opinião: Chris Carter é, sem sombra de dúvida, um dos meus autores de eleição! Cada novo livro seu que leio faz-me pensar que o autor se supera e, muito honestamente, tenho para mim que a série protagonizada por Robert Hunter está cada vez melhor.

Este título em particular é muito diferente dos demais. Nas páginas finais, o autor tece algumas considerações concernentes ao modo como a sua experiência como psicólogo criminal terá ajudado na escrita da presente obra. Deste modo, o autor transita de um estilo tipicamente policial para uma obra que equiparo a um thriller psicológico, embora de cariz mais pesado, cru e gráfico, como o autor já nos habituou.

Após uma terrível descoberta, um homem é detido e pretende falar especificamente com Robert Hunter, alegando que o conhece. Grande parte da trama debruça-se sobre os intensos diálogos entabulados entre o vilão e o protagonista, permitindo-nos não só conhecer os crimes perpretados pelo referido antagonista, como descobrir alguns elementos do passado de Hunter, que até então nos eram dados a conhecer com parcos detalhes. De certa forma, diria que é quase impossível não estabelecer uma comparação com a relação próxima entre Hannibal Lecter e Clarice Sterling. Creio pois que a interacção entre Hunter e Lucien é bastante similar à das carismáticas personagens criadas por Thomas Harris.

Os mais cépticos poderão alegar que se sente a falta da fórmula a que o autor nos habituou, basicamente alicerçada na investigação criminal e consequente caça ao criminoso, cuja identidade, no presente título, é desvendada desde o início. Tal facto inviabilizará, deste modo, a ocorrência do derradeiro twist que, tradicionalmente, se consubstancia na revelação do vilão. De facto, e por este motivo, não considerei que a obra fosse verdadeiramente surpreendente embora confesse não ter conseguido antecipar alguns momentos da trama.

Ainda assim, tenho para mim que esta obra é ainda superior na medida em que o perfil do antagonista, uma mente deveras perversa, como o próprio título da obra indica, é consolidada ao longo da história. Para quem se interessa por psicologia criminal, este é, sem dúvida o livro indicado.

Trata.se, sem dúvida, de uma trama que incomoda, dado que os pormenores dos feitos deste homem são explícitos. Mais uma vez, o nível de violência vai ao detalhe, o que faz deste título (além dos demais livros do autor) não serem recomendados aos leitores mais susceptíveis.

Em suma, estamos perante um excelente thriller! Que ficará, certamente, durante muito tempo, na minha retina e é mais uma constatação que Chris Carter é um dos autores contemporâneos que se afigura imperdível dentro do género! 


sexta-feira, 15 de novembro de 2019

Stephen King & Owen King - Belas Adormecidas [Divulgação Bertrand]


Data de publicação: 15 Novembro 2019

               Título Original: Sleeping Beauties
               Tradução: Ana Lourenço e Maria João Lourenço
               Preço com IVA: 22,20€
               Páginas: 760
               ISBN: 9789722537889

Sinopse: Num futuro próximo, algo muito estranho começa a suceder. Quando as mulheres adormecem, dos seus corpos emerge uma espécie de casulo que as isola do mundo exterior. Enquanto dormem, são transportadas para um lugar onde não existe violência e onde tudo é harmonioso. Se, durante esse processo, forem incomodadas, acordadas ou se o invólucro for tocado, elas tornam-se extremamente violentas. Mas há uma mulher, Evie, que é imune a esse fenómeno. Tratar-se-á de uma singularidade médica que deve ser estudada ou de um demónio que deve ser exterminado?
Os homens, abandonados aos seus instintos mais primários e divididos em fações guerreiras, ou tentam destruí-la ou salvá-la.

Sobre o autor: Stephen  King,  apelidado  por  muitos  de  «mestre  do  terror»,  escreveu  mais  de  quarenta  livros,  incluindo  a  série  da Torre Negra e  clássicos  como Carrie, The  Shining ou Misery. Vencedor  do  prestigiado  National Book  Award  e  nomeado  Grande Mestre nos prémios Edgar Allan Poe de 2007, conta hoje com mais de trezentos milhões de exemplares vendidos em cerca de trinta e cinco países. Números e um currículo impressionantes a fazerem jus ao seu estatuto de escritor mais bem pago do mundo.
www.stephenking.com

Owen King é o filho mais novo de Stephen e Tabitha King. O seu primeiro livro, We’re All in This Together, uma colecção de três contos foi publicado em 2005. O seu trabalho de escrita mais recente é Belas Adormecidas, escrito em parceria com o seu pai.


segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Ragnar Jónasson - Branco Puro [Divulgação TopSeller]


Data de publicação: 11 Novembro 2019

               Título Original: Andköf
               Tradução:
               Preço com IVA: 17,69€
               Páginas: 288
               ISBN: 9789896687373

Sinopse: Pela mão de um dos autores de maior sucesso do policial nórdico, Branco Puro transporta-nos para uma paisagem de neve única e arrepiante…
O corpo de uma jovem é encontrado no fundo de uma falésia, perto do farol de Kálfshamarsvík. Terá sido suicídio? Em pleno inverno, com a neve intensa e a violência das ondas no local, ela poderá simplesmente ter tropeçado e caído. 
Mas quando o inspetor Ari Thór descobre que, 25 anos antes, a mãe e a irmã mais nova da vítima haviam perdido a vida no mesmo local, logo surge a suspeita de que a causa da morte pode não ter uma explicação assim tão simples, e que algo mais sinistro poderá, afinal, ter acontecido. 

Sobre o autor: Ragnar Jónasson nasceu na Islândia e é um autor bestseller internacional publicado em 21 línguas espalhadas por 30 países, com amplo sucesso junto da crítica e dos seus pares. Trabalhou em televisão e em rádio, inclusive como jornalista da Radiotelevisão Nacional da Islândia. Atualmente, trabalha como banqueiro de investimentos e é professor na Faculdade de Direito da Universidade de Reiquiavique.
Autor em ascensão na literatura policial internacional, Jónasson traduziu 14 livros de Agatha Christie para islandês e viu já vários dos seus contos serem publicados em revistas literárias alemãs, inglesas e islandesas.
Saiba mais sobre o autor em: www.ragnarjonasson.com

Imprensa
«Um crime analisado com a mestria de uma lente islandesa. Soberbo… recomendo vivamente.»
Lee Child

«O noir nórdico assume o seu expoente máximo na Islândia, e nenhum outro escritor consegue retratar tão habilmente os elementos que compõem esse ambiente sombrio e gélido quanto Ragnar Jónasson.» 
The Times



terça-feira, 5 de novembro de 2019

João Tordo - O Dia em que o Verão Acabou [Divulgação Companhia das Letras]


Data de publicação: 5 Novembro 2019

               Preço com IVA: 22,00€
               Páginas: 672
               ISBN: 9789896659127 

Sinopse: 14 de Setembro de 1998. O dia em que Chatlam, uma pequena vila americana, acordou em choque com o homicídio de Noah Walsh. O principal suspeito: a sua filha de dezasseis anos.
No Verão de 1987, o adolescente Pedro Taborda apaixona-se por Laura Walsh, a filha mais velha de um magnata nova-iorquino. Ela e Levi - uma criança misteriosa - passam férias com os pais no Lagoeiro, uma pacata cidade algarvia. Rica e moderna, a família Walsh tem tudo para dar muito nas vistas no sul de Portugal. Inebriado pelas formas perfeitas e pelos modos ousados de Laura, Pedro encontra na rapariga americana o seu primeiro amor. Mas quando o Verão acaba, a família Walsh regressa aos Estados Unidos e o destino fica por cumprir.
Dez anos depois, Pedro, decidido a tornar-se escritor, vai estudar para Nova-Iorque. Fascinado com Gary List, antigo prodígio das letras americanas, chega aos Estados Unidos determinado a perseguir os sonhos da juventude. Ao reencontrar Laura, está longe de suspeitar que esse acaso o mergulhará no crime mais falado dos anos noventa, o homicídio do milionário Noah Walsh.
Com um segundo homicídio a atrapalhar a investigação e uma corrida para salvar Levi, de apenas dezasseis anos, acusada de matar o pai, Pedro e Laura enredam-se irremediavelmente na teia de segredos que envolve a família Walsh, desde os anos quarenta do século XX até ao impensável desfecho nas primeiras décadas do novo milénio.
Porque em Chatlam - e neste thriller imparável - nada é o que parece.
O QUE ESCONDE LEVI WALSH?

Sobre o autor: João Tordo nasceu em Lisboa em 1975.
Venceu o Prémio Literário José Saramago 2009 com As Três Vidas, tendo sido finalista, com o mesmo livro, do Prémio Portugal Telecom, em 2011. Publicou doze romances, entre eles O Livro dos Homens sem Luz (2004), Hotel Memória (2007), Anatomia dos Mártires (2011), O Ano Sabático (2013), Biografia Involuntária dos Amantes (2014), O Luto de Elias Gro (2015), O Paraíso Segundo Lars D. (2015), O Deslumbre de Cecilia Fluss (2017) e Ensina-me a Voar Sobre os Telhados (2018). Foi finalista do Prémio Melhor Livro de Ficção Narrativa da Sociedade Portuguesa de Autores (2011 e 2015), do Prémio Literário Fernando Namora (2011, 2012, 2015, 2016), e do Prémio Literário Europeu em 2012. Os seus livros estão publicados em vários países, incluindo França, Itália, Alemanha, Hungria, Espanha, México, Argentina, Brasil, Uruguai, entre outros.



M. J. Arlidge - O Dom da Morte [Opinião]


Sinopse: AQUI

Opinião: Sou uma fã inveterada do trabalho do autor britânico e já afiancei, por diversas vezes, que a série protagonizada por Helen Grace é uma das minhas favoritas no que concerne ao género policial. Daí ter ficado bastante expectante com a publicação deste título que é um stand-alone

Confesso que enveredei por esta leitura um pouco apreensiva, percepção que ter-se-á devido à alteração da fórmula usada pelo autor nesta história, alicerçada sobre um fenómeno paranormal que, no presente caso, é o dom da previsão da morte. Como sabeis, opto por, na grande maioria das vezes, histórias lógicas e que sejam devidamente explicadas no campo da racionalidade - ainda que grande parte dos modus operandi dos psicopatas esteja muito longe da minha compreensão. Ora, tinha consciência que à priori tal não aconteceria e parti para a leitura, num estado de espírito mais open minded.

A meu ver, esta característica de mediunidade de Kassie, a jovem protagonista de 15 anos, torna a trama ainda mais intrigante. Constantemente incrédula com o dom da personagem, num primeiro momento questionava-me se estas premonições seriam verdadeiras pois achei que o problema da adição da marijuana toldasse a percepção da rapariga. Contudo, rapidamente me deixei levar pelo ritmo da história que, a certo momento, me pareceu um pouco cíclica - jovem prevê a morte de alguém, tenta avisar e não tem sucesso, acabando por não conseguir evitar que os ditos homicídios ocorram. Mais uma vez, aponto a descrição exímia dos crimes, deixando-me angustiada como já sentira aquando a leitura de obras antecessoras do autor.

O psicólogo forense Adam Brandt assume um particular destaque na medida em que tenta ajudar a jovem Kassie. Como o autor já nos habituou, o background pessoal da personagem é deveras importante e há um esmero na caracterização do psicólogo, principalmente na sua vida familiar. Creio que o desenvolvimento desta acaba por ser tão importante quanto os contornos do caso de Kassie que estão além da compreensão da polícia.
Gostei da forma como o autor nos conecta às personagens e, acima de tudo, da escrita irrepreensível. A acção, de tão rica em pormenores, tem um ritmo cinematográfico repleto de acontecimentos fortes, sendo precisamente neste ponto onde assenta a minha maior crítica.

A trama deixou-me alguns dissabores. Em certos momentos, os acontecimentos foram tão intensos que me senti desolada e revoltada. Não creio que o sinónimo de um bom thriller seja dar um tom dramático como senti em certas passagens. Em várias alturas fechei o livro, completamente arrasada com o rumo de certas personagens, um estado de espírito que se intensificou no final. O desfecho é desvendado numa fase muito precoce do livro, pelo que esperava ser arrebatada por um twist, o que não acabou por acontecer. Para mim, a única surpresa foi, de facto, o desvendar da identidade do antagonista.

Posto isto e no seu cômputo, tenho para mim que este stand-alone ficou um pouco aquém do que Arlidge me habituou com a série anterior. Ainda assim, vale a pena ser esmiuçado para descobrir uma história completamente diferente das tramas que Helen Grace protagoniza.


segunda-feira, 4 de novembro de 2019

Jessica Barry - A Fugitiva [Divulgação Planeta]


Data de publicação: 5 Novembro 2019

               Título Original: Freefall
               Tradução: Ana Maria Pinto da Silva
               Preço com IVA: 19,95€
               Páginas: 432
               ISBN: 9789897772856

Sinopse: Sobreviver a um acidente de avião é apenas o início para Allison. A vida que construiu para si - o noivo perfeito e o mundo luxuoso de ambos -desapareceu num ápice. Agora tem de correr, não só para fugir dos segredos sombrios do passado mas também para despistar o homem que a persegue a cada passo.No outro lado do país, a mãe de Allison desespera por notícias da filha, que se encontra desaparecida, dada como morta. Uma história de mistério, cativante e impossível de parar de ler.

Sobre a autora: Jessica Barry é o pseudónimo de uma autora americana que vive e trabalha em Londres há quinze anos.
A Fugitiva, o seu thriller de estreia, foi vendido a mais de 17 países e já assegurou um contrato importante para uma versão cinematográfica em Hollywood.