quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Ngaio Marsh - Crime de Luxo [Opinião]


Sinopse: AQUI

Opinião: Não conhecia a autora Ngaio Marsh, contudo, esta colecção, Crime à Hora do Chá, tem-me dado a conhecer grandes autoras clássicas da literatura policial.
Contemporânea de Agatha Christie, Marsh traz-nos todo o glamour da sociedade inglesa das primeiras décadas do séc. XX, associado ao mistério de um crime, que, como seria de esperar, é descrito com uma elegancia que contrasta com a crueza das narrativas contemporâneas.

Como principal crítica aponto essencialmente o facto deste livro, Crime de Luxo, ser o sétimo protagonizado pelo inspector Alleyn, e como tal, sinto que não o conheço como gostaria.
A narrativa apresenta-nos Roderick Alleyn, detective da Scotland Yard, que está enamorado por Agatha Troy, facto que é corroborado pela introdução do próprio tradutor. Sinto uma certa pena ter perdido os primórdios da relação, afinal de contas, gosto de acompanhar a corte dos cavalheiros na época.

Não obstante, a autora enfatiza a importância dos bailes, aqui denominados por temporadas, no arranjo dos casamentos, os quais consubstanciavam o objectivo de vida das moças solteiras da época. Um cenário extremamente bem recriado, que conduz o leitor ao ambiente londrino

No entanto, a par da componente mundana, a componente policial também me agradou. Como referi, o livro insere-se na literatura policial clássica, facto que me levou a estabelecer um paralelo entre o inspector Alleyn e o famoso Hercule Poirot, no que concerne aos métodos de interrogatório como principal condutor da investigação.

A trama foca essencialmente a alta sociedade inglesa. Apesar do alto cargo, as personagens contempladas não podiam ser mais díspares, relevando quão necessários são os segredos, bem como a ocultação de certos pormenores a fim de não desmascarar as aparências dessa alta sociedade. Uma época em que os escândalos faziam cair em desgraça todos os que se viam envolvidos neles.

O que mais me fascinou foi precisamente essa caracterização da sociedade da época que acaba por dispersar atenções sobre o assassino. As suspeitas recaem, como seria de esperar, sobre uma série de personagens, uma vez que todas elas têm algo a esconder.
Em suma, Crime de Luxo foi um bom livro mas ainda não destronou o meu preferido na colecção Crime à Hora do Chá, que é precisamente o primeiro.

Crime de Luxo mostrou ser uma história leve, despojada de violência que me manteve na expectativa até ao final. Fico a aguardar o próximo volume desta colecção, que me tem permitido conhecer mais clássicos policiais uma vez que, até agora, apenas conhecia os mais óbvios como Agatha Chistie, Raymond Chandler e o incontornável Conan Doyle.



Sem comentários:

Publicar um comentário