sexta-feira, 17 de novembro de 2017

M.J. Arlidge - Mal Me Quer [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Ahhh como é bom rever Helen Grace! Correndo o risco de me tornar repetitiva, M. J. Arlidge consagrou-se como um dos autores obrigatórios na minha estante. E melhor, este ano contámos com a publicação de dois títulos da série, pelo que foi excelente! No entanto, começa a instalar-se um sentimento de vazio porque, segundo constatei, este é o último livro publicado da série. Restam-nos dois contos para amenizar as saudades que, certamente, sentiremos de Helen.

Simplesmente não me canso desta série (e recomendo-a com grande frequência) porque o autor desenvolve tramas diferentes, tendo como denominador comum a protagonista e sua equipa bem como a jornalista Emilia Garanita. Devo deixar um parêntesis e mencionar que fiquei surpreendida com a provação pela qual passou a personagem nesta história.

O autor elevou a fasquia, a meu ver, com o último livro publicado até então, O Anjo da Morte. Tendo-se passado na prisão, pessoalmente, achei todo o enredo muito intenso. Parti com bastante expectativa para este. 
Relativamente a Mal Me Quer, o vilão é conhecido sensivelmente a meio da trama, após uma reviravolta que me surpreendeu de sobremaneira. Ainda que a identidade do antagonista seja revelada atempadamente, creio que a trama é estimulante devido às acções (e até descobrir as motivações) deste.

A estrutura viciante a que o autor nos habituara nos seis livros anteriores mantém-se: capítulos curtos, terminados em suspense e intercalados em duas acções. 
Creio ser consensual que o autor fomenta o suspense de uma forma exímia. O leitor folheia, com grande interesse, as páginas repletas de acção e adrenalina. Algumas mortes brutais pautam o enredo, começando logo no primeiro capítulo. Não obstante considerar, ainda assim, que de toda a série protagonizada por Grace, esta é, talvez, a história mais previsível. E mesmo com esta percepção, foi um livro que li avidamente, sempre empolgada.

Contrariamente aos outros livros da série que se debruçavam igualmente sobre o passado sombrio de Helen Grace, creio que Mal Me Quer, sendo o sétimo da saga, faz uma breve referência à vida pessoal da detective. Quem acompanha a saga, está familiarizado com a protagonista feminina assim como o restante elenco. Isto permitiu ao autor incidir mais sobre o caso criminal e novos acontecimentos sobre as personagens.

Em suma, embora com contornos mais previsíveis, a acção frenética da trama de Mal Me Quer, transforma este livro num page turner. Ficaremos, com certeza, a aguardar com grande ansiedade o próximo trabalho do autor. Esta série de Helen Grace é obrigatória para os fãs deste género!


Sem comentários:

Publicar um comentário