segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Ken Follett - O Estilete Assassino [Opinião]

Sinopse: Um agente secreto de Hitler, um assassino frio e profissional com o nome de código «Agulha», vê-se envolvido na manobra de diversão dos aliados que antecede o desembarque militar em França. Estamos em 1944, a semanas do Dia D.
O Estilete Assassino é um arrebatador bestseller internacional em que o destino da guerra assenta nas mãos de um espião, do seu adversário e de uma mulher corajosa.

Opinião: Logo que tive conhecimento da publicação deste livro, pensei o que teria relacionado o Estilete Assassino com o título original, Eye of The Needle, relação essa convincentemente explicada logo nas primeiras páginas. A história tem um rápido arranque que assegurava certamente, uma excepcional história, ao estilo do que o autor nos tem vindo a habituar. E de facto, a sinopse é tão sucinta que não exprime o quão excelente é este livro. O Estilete Assassino foi uma das primeiras obras de Ken Follett e já é notório o seu talento a nível da escrita e criatividade da trama.

Não sou grande entusiasta, embora ultimamente comece a gostar mais, de tramas que tenham como tema central, a Segunda Guerra Mundial. E associado a este, vem inevitavelmente a temática da espionagem.
Follett, assim o explica, a história tem como alicerces um contexto histórico verídico, embora com personagens ficcionadas que enriquecem em muito a presente trama.

O ataque à Normandia e as acções de despiste por parte dos britânicos, de forma a iludir os alemães do verdadeiro local de desembarque e o próprio desenvolvimento de estratégias da guerra, foram portanto, factos que se constituíram didácticos, pela sua natureza intrínseca, sendo explanados de uma forma muito entusiasta. Para os mais cépticos, não creio que tenha sido nada maçador.
Por outro lado, o autor desenvolve aquele que seria o quotidiano neste período tão turbulento e que certamente seria o verdadeiro retrato de uma sociedade em convulsão. A grande depressão dos anos 30 fez com que a democracia fosse posta em causa em alguns países, proporcionando a ascensão dos regimes totalitários como o nazismo na Alemanha. Ainda assim, este não é exaustivamente explorado como seria expectável, cingindo-se o autor às temáticas acima supra referidas, sem que contemple as morosas e até habituais narrativas relacionadas com campo de concentração e judeus (que já se verificou constituírem excelentes argumentos para thrillers).

Por outro lado, os laços de natureza mais histórica contrapõem-se com duas histórias de vida. Como já li anteriormente algumas obras do autor, esperava fascinar-me pelas personagens, aliás como acontece sempre, e neste caso não foi excepção.
Além do espião que constitui indiscutivelmente, o protagonismo da trama, existem outras duas de igual importância: o casal Lucy e David. Por um lado, Henrik Faber, o espião alemão conhecido por Die Nadel. Este, como qualquer espião, é inteligente mas um verdadeiro assassino a sangue frio.
Por outro lado, temos numa ilha isolada, Lucy que casou com David, mas após um acidente, vê surgir um casamento de aparências. Ela mostra as emoções de uma esposa negligenciada mas é suficientemente forte para defender a si e à sua família contra as adversidades. Rapidamente, o autor dá a entender que as histórias de Faber e o casal se iriam cruzar, embora não se saiba como.
Penso que o maravilhoso dos livros de Follett é precisamente a forma como ele caracteriza as personagens, a ponto de despertar os mais vários sentimentos no leitor.

Embora este seja um livro claramente classificado como pertencente ao género de espionagem de alto nível, o autor não se coíbe no suspense, emoções fortes e cenas sexuais... sim, porque essas também as há, parecendo constar daqueles livros mais marotos.
O Estilete Assassino reuniu em mim, emoções de naturezas várias: o fascínio pela história e por aprender mais sobre a Segunda Guerra e por outro lado as minhas angústias sentidas através das personagens. Mais uma vez, Ken Follett mostra o porquê de ser um dos autores de eleição! Gostei imenso, e recomendo, claro!

Denotei que o livro já foi adaptado em cinema, em 1981. Caso vos interesse, podem ver o trailer AQUI. Sinceramente, acho que fica aquém do livro mas de qualquer das formas, fiquei interessada em ver a adaptação cinematográfica.




2 comentários:

  1. Olá!

    Excelente opinião! Estou muito curiosa com este livro!

    http://oimaginariodoslivros.blogspot.pt/

    Se quiseres seguir :D

    Boas leituras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Maria

      Muito obrigado! Espero que gostes tanto deste livro, quanto eu :)
      Já fui espreitar o teu blogue, e fiquei fã :) Sigo-o com muito gosto!

      Beijinhos e boas leituras :)

      Eliminar