terça-feira, 10 de setembro de 2013

Alfredo Colitto - O Livro do Anjo [Opinião]


Sinopse: AQUI

Opinião: O Livro do Anjo, de Alfredo Colitto, é um thriller histórico com uma componente muito forte de romance. Passado em 1313 e tendo Veneza como cenário, é notória a forma como o autor nos conduz à cidade, sem que, no entanto, recorra a grandes descrições. Este contexto espacial é enriquecido com várias referências históricas, em especial uma abordagem aos templários e a relação que a esta ordem mantinha com Portugal. 
De facto, os templários assumem forma neste romance, no específico caso da personagem Gerardo, que auxilia os protagonistas no desvendar do mistério que assume forma a cada página que desfolhamos. 

Como podem deduzir, esta abordagem medieval conduz a uma narrativa mais morosa sem que esteja focada no crime que, conforme se explicita na sinopse, manifesta-se sobre três crianças, com contornos chocantes por precisamente se tratar de um triplo infanticídio. Ainda com a justificação da idade medieval, é dada uma ênfase à religião, debruçando-se na posição dos judeus, que infelizmente e por representarem uma minoria, eram perseguidos e torturados. Eleazor, judeu, é acusado injustamente de ter morto as três crianças. Tendo deixado uma mensagem em latim, torna-se este o principal mistério, associado à identidade do assassino.

As personagens, coerentes com o período medieval, são cativantes. O autor explora, ainda que não exaustivamente, aquela sociedade em que era notório o fosso entre os nobres/clero e burguesia (surgiu nesta altura nas cidades italianas) e o povo que viviam isentos de quaisquer direitos. 
Bem, confesso que inicialmente não simpatizei com o protagonista Mondino de Liuzzi, o médico anatomista que segue viagem para Veneza afim de ver a alquimista árabe Adia. Apesar de estar noivo de Mina, Mondino não hesitou na escolha. Ainda que debilitada, Adia nutre ainda um carinho pelo médico, já que tiveram um caso amoroso. Já se percebe porque não gostei do médico, certo? Mas reconheço que para a época, mostra ser uma personagem culta e corajosa.

Em suma, o Livro do Anjo é uma experiência literária riquíssima que vai além do mero policial, abarcando uma diversidade de géneros na mágica atmosfera veneziana medieval. Lê-se num ápice, não só pela abordagem interessante que a história apresenta, como também tem um reduzido número de páginas, não chegando às 300. Sinceramente, prefiro os thrillers com mais acção mas confesso que fiquei fascinada com o mistério que é encerrado n´O Livro do Anjo. Gostei!


Sem comentários:

Publicar um comentário