segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Mary Higgins Clark - A Morte Usa Uma Máscara de Beleza [Opinião]


Sinopse: AQUI

Opinião: A Morte Usa Uma Máscara de Beleza é uma colectânea de contos. A autora explica, nas notas iniciais, que começara uma história sobre o mundo da moda, no entanto, esta ficou em stand by para escrever Onde Estão as Crianças?. Estávamos nos anos 70. Ainda assim, e tendo em conta que alguns destes contos foram escritos no início de carreira da autora, creio que as histórias são intemporais e adequam-se aos dias de hoje. Note-se que esta antologia contém a primeira obra de Higgins Clark, escrita em 1958.
Uma das vantagens de ler um livro de contos é a liberdade que o leitor tem em escolher as histórias que pretende ler primeiro. O índice, colocado no final da obra, auxilia esta opção.

Não costumo ler muitos livros de contos, por norma, acho-os histórias subdesenvolvidas, no entanto, a autora Mary Higgins Clark é uma excelente contadora de histórias e envolveu-me nas várias short stories de suspense que apresenta. É certo que as personagens que participam nestas histórias não são tão complexas mas há aqui uns contos até bastante interessantes, daí crer ser pertinente tecer algumas considerações individuais. Vou tentar não me alongar em demasia nesta recensão.

A primeira história (e que dá o título ao livro) é o conto mais longo da colectânea e, a meu ver, um excelente cartão de visita para as tramas que se seguiriam. A Morte Usa Uma Máscara de Beleza conta a história de um desaparecimento. A irmã de Alexandra, Janice e o seu marido tentam encontrar a mulher quando se coloca a hipótese de esta ter sido morta. A primeira história explora o mundo da moda e beleza, um universo que não descuro por completo mas, pessoalmente, prefiro os livros. Há uma reviravolta bastante interessante a meio que desencadeia um final não tão trágico quanto eu pintava.

O Passageiro Clandestino é um conto algo estranho. Isto porque a protagonista, Carol, tenta esconder um fugitivo sem que sejam apresentadas as razões para tal. Não obstante, há um clima intenso de suspense devido à eminência de se descobrir o paradeiro do suposto antagonista. Gosto destes ambientes tensos. 

Quando o Galho Quebrar é um  conto muito bonito e, ao mesmo tempo, triste. Fala sobre a perda e debruça-se sobre uma mãe que perdeu um filho. O suspense característico da autora é substituído pelo dramatismo da situação, até a uma revelação que me deixou de coração pequenino.

Vozes no Depósito de Carvão é um pequeníssimo conto de terror, arrepiante e com um desfecho algo macabro, mesmo como eu gosto.

A Farsa de Cape Cod conta com a participação de duas personagens já conhecidas no universo de Mary Higgins Clark, Alvirah Meehan e Willy. Gostei do papel destas duas personagens que ajudaram Cynthia a limpar o seu nome, depois de ter sido presa, acusada de ter morto o seu padrasto. Esta história envolveu-me muito e durante toda a leitura, estava céptica com a protagonista, sempre na dúvida se esta seria mesmo culpada.

O título Decididamente, Um Crime Passional diz tudo sobre o teor da história. Um crime passional é sempre interessante, não acham? O Vizinho do Lado conta a história de um homem que tem um local secreto onde hospeda alguns visitantes. Eis que o último visitante é o seu vizinho... é um conto bastante interessante! 

Quando li Não nos Conhecemos Antes?, a história pareceu-me algo familiar. E depois percebi que já tinha visto o filme adaptado deste conto. É sobre um stalker e uma estranha obsessão com uma jovem, alegando que a conheceu numa vida passada. Tudo indica que a história tem laivos de paranormal mas é tudo explicado à luz da racionalidade.

Tem Andado a Acontecer-me Uma Coisa Curiosa é a história de um homem que quer vingar a morte da filha. Gosto muito deste estilo de tramas, devo dizer. O Ronronar Revelador é a história do plano de Fred em matar a sua avó. Achei particularmente piada ao tom sarcástico com que é contada esta trama e o final que me lembrou um dos episódios da série Hitchcock Apresenta.

Em suma, um livro de contos tem destas coisas: não gostei de todas as short stories da mesma forma. Decididamente que umas cativaram-me mais, não obstante, a qualidade das mesmas não alcançar histórias tão espectaculares da autora como Onde Estão as Crianças? e outras obras já anteriormente publicadas. Ainda assim, A Morte Usa Uma Máscara de Beleza é um livro obrigatório para as fãs da autora para constatar a vertente dos contos.  


Sem comentários:

Publicar um comentário