terça-feira, 18 de março de 2014

Erik Axl Sund em Portugal


Os autores Jerker Eriksson e Håkan Axlander Sundquist, que escrevem sob o pseudónimo Erik Axl Sund, estiveram em Portugal para promover o livro A Rapariga-Corvo, o primeiro de uma trilogia que vai dar que falar. Eu li o primeiro e fiquei fascinada com os autores suecos! Reforço que este livro está na lista dos melhores que alguma vez li pois impressionou-me por diversas vezes ao longo da sua leitura. 

De manhã do dia 14 de Março, a menina dos policiais esteve à conversa com os autores numa conversa tão interessante que transcrevo algumas perguntas e respectivas respostas dos autores.

Verovsky (V): Parabéns pelo vosso livro, um dos melhores que alguma vez li! É sobretudo muito sombrio e durante a sua leitura passou-me pela cabeça várias vezes como seria criar uma personagem tão complexa como Victoria Bergman e um enredo tão negro como o que acabei de ler. Qual foi a inspiração para tal?

Jerker (J): Tudo começou em 2008. Tanto eu como Håkan estávamos a passar por uma fase muito negra. Eu e ele divorciámo-nos na mesma altura e estávamos muito zangados com o mundo. Líamos o jornal e só víamos crimes, apercebemo-nos que estes eram reais. Quisemos abordar esta componente. 
Em relação à Victoria, lemos alguns casos sobre personalidade múltipla, e conhecemos uma situação concreta de uma mulher sueca e como a sua infância desencadeou uma personalidade múltipla. 

V: Tiveram alguma inspiração de outros autores escandinavos?

J: Claro que foi inspirado pelo sucesso de Stieg Larsson. Como é que um tipo sueco fez isto, inspirou uma série de leitores. Eu não li, confesso.

Håkan (H): Eu li apenas o primeiro.

V: Bem, eu li a trilogia e não creio que esta seja comparável com a do Stieg. Sobretudo pois a Victoria Bergman tem um ambiente mais sombrio, é bem mais psicológico que a trilogia Millennium, em que aborda também uma componente social de corrupção. À sua maneira, são duas trilogias muito boas mas também sou suspeita pois sou grande fã de policiais escandinavos. (falámos sobre alguns autores suecos)

V:  Como surgiu Erik Axl Sund?

J: Os nomes suecos são muito longos e achámos que ficaria muito cansativo ficar ambos os nomes. Então juntámos num só: Erik vem do meu apelido, Eriksson e Axl Sund da parte do Håkan que é Axlander Sundquist, dois nomes muito longos.

V: Vocês são duas pessoas que escrevem como fossem uma única. Como é o processo de escrita a duas mãos?

J: Eu escrevo um capítulo e passo ao Håkan que escreve outro e passa para mim. Estamos em sintonia e temos um rascunho com as ligações entre as personagens.

(Håkan mostra-me o rascunho no tablet) H: Como vês, até podíamos trabalhar na polícia (risos). 
Falámos frequentemente com pessoas na polícia que se deparam com abusos infantis.

V: Depois desta trilogia, o que se seguirá?

J: O quarto é um stand-alone e está praticamente acabado, pronto para ser publicado na Suécia. Vais gostar pois tem uma abordagem ao black metal. Tem o mesmo universo, ambiente sombrio, muito psicológico. Prevemos escrever três stand alones e podem ser lidos em qualquer ordem.

V: Oh até chegar esse vai demorar e eu estou tão ansiosa por Julho e por Outubro (meses em que saem os dois livros seguintes). Por falar nisso, o que podemos esperar de Fome de Fogo e As Instruções de Pitonisa? Porque falo por mim, eu terminei o livro e fui à internet procurar os dois seguintes para ler em inglês e fiquei desiludida pois não encontrei.

J: Ainda não estão traduzidos para inglês. A versão portuguesa sairá primeiro. Mas em França, já foi publicada a trilogia completa. O segundo livro é mais moroso pois tem muitas revelações.

H: Reflexões. E o terceiro, o alívio, uma catárse. A redenção...

V: Estou mesmo ansiosa! Obrigada!


Creio que não poderia haver um local mais bonito para a apresentação do livro que foi na livraria mais antiga do mundo, a Bertrand do Chiado. A apresentação foi diferente do habitual, tendo sido uma conversa entre os autores, fãs e colaboradores da Editora. Até se proporcionou um brinde!


Tenho a agradecer à equipa da Bertrand pelo convite para jantar com os autores no Cantinho do Avillez, juntamente com os colaboradores da editora e as vencedoras de um passatempo, a Filipa Monteiro e a Margarida Rodrigues. Fiquei em frente ao Jerker e conversámos imenso, tanto que ainda estou mais fascinada pela Suécia! Até aprendi algumas palavras em sueco :) 
Foi sem dúvida um excelente momento ter conhecido dois autores que têm de talento como de simpatia! Espero poder conviver com Erik Axl Sund novamente!

10 comentários:

  1. Oh adorei :') Também gostava que cá viessem de novo, quem sabe para o fim da trilogia (para passar mais tempo) e podia ser que desta vez conseguisse dizer alguma coisa de jeito sem estar bloqueada xD
    Ao pensar no jantar, lembro-me de algumas coisas e só me dá vontade de rir xD
    A versão em português vai sair primeiro que a em inglês? :DDD
    Perdemos para França, bolas :P

    ResponderEliminar
  2. Bolas, estou a roer-me de inveja! Parecem tão simpáticos e o livro parece tão bom >.<

    ResponderEliminar
  3. Vera, parabéns pela entrevista e pelas informações em primeira mão sobre os novos livros. Bj

    ResponderEliminar
  4. Parabéns pela entrevista Vera. Estive hoje com o livro na mão mas assim que vi "o Hipnotista" com 40% de desconto mudei de alvo ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foste para a Suécia à mesma ;) Adoro Lars Kepler! Espero que gostes d´O Hipnotista :) Fico a aguardar o teu veredicto ;)

      Eliminar
  5. Thanx for a nice interview! Hope to see you soon again.By the way, please don´t compare us with Lars Kepler.:)

    ResponderEliminar
  6. Excelente artigo e excelente entrevista Vera (Estiveste nas tuas 7 quintas!)
    Já tinha lido a tua opinião sobre este livro, e confesso que fiquei deveras entusiasmado com a sua leitura. Vou aguardar pelo menos que sia o 2º Volume para começar a leitura.
    Regressei também a Lars Kepler com "O Executor" que tinha para ler há mais de 2 anos. Ainda estou bem no início.
    *Reparei neste último comentário LOLOLOL

    ResponderEliminar
  7. Ahahaha Espero que gostes Nuno, O Executor foi o que menos gostei... Mas lê a Rapariga Corvo para ficares a salivar por mais ;)
    Eu ando a ler o The Killing e neste momento eles estão... na Suécia! :D Tudo o que é literatura nórdica fascina-me :D

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. LeitorA. aconselho-te a leres a sinopse do livro em que fala quais são as temáticas abordadas e essa é uma delas. Não transcrevi a entrevista toda e aí sim, haveria spoilers porque falamos do final do livro e do enredo em si.
      Agradeço o elogio. Espero que ainda assim continues a visitar o blogue.
      Um beijinho e boas leituras

      Eliminar