segunda-feira, 10 de março de 2014

Erik Axl Sund - A Rapariga-Corvo [Opinião]


Sinopse: AQUI

Opinião: Ainda estou estupefacta com o que acabei de ler! Ainda estando em Março, este é sem dúvida, um dos melhores livros que li este ano e atribuí a cotação máxima no Goodreads, sabendo que se vai juntar a uns quantos thrillers da minha preferência.
Tenho sérias dúvidas de que um dia me esquecerei desta história!
A capa é sombria e acreditem que o conteúdo lhe faz jus. O booktrailer da Bertrand, fiel ao original, é ainda mais aterrador. Se ainda não o viram, ora espreitem lá:


Posto isto, nem sei bem por onde começar. Talvez pela enigmática e aparentemente confusa narrativa, em capítulos curtos, revezando-se entre as várias divisões onde são torturadas crianças, ora nos remete ao passado de uma personagem muito enigmática, de seu nome Victoria Bergman ou simplesmente situa o leitor na actualidade.
Uma particularidade é que os capítulos relativos à casa começam com letra minúscula, enfatizando os locais, pejados de pormenores inquietantes. O início antevia algo de muito sombrio.

Axl Sund não se coíbe em passagens de teor gráfico onde impera a violência gratuita infligida aos cadáveres das crianças estrangeiras. Fez-me confusão o público alvo pois sabe-se que a emigração é a busca de um sonho e contrapondo-se a isto, estas crianças acabam por ter um destino cruel.
Por outro lado, a Rapariga-Corvo é também um thriller psicológico onde são dissecados alguns temas como a personalidade múltipla e transtornos sociais. E mais: somos conduzidos à mente dos pedófilos. É literalmente uma viagem aos infernos, às profundezas da maldade que reside na mente humana e que insiste em perpetuar aos outros.

Também de complexidade psicológica estão dotadas as duas personagens principais: Sofia Zetterlund e Jeanette Kihlberg. Axl Sund debruça-se sobre ambas as personagens: Jeanette, investigadora criminal é casada com um artista plástico e têm um filho. Porém o seu casamento data vinte anos e começa a mostrar algum desgaste. Por sua vez Sofia, psicoterapeuta, vive uma relação com Mikael relembrando sempre aquele que terá sido o amor da sua vida, Lasse.
Embora estas mulheres tenham personalidade vincadas, elas são muito diferentes entre si e igualmente importantes no contexto a história. É Jeanette que tenta afincadamente criar uma ligação entre as crianças que vão surgindo e um potencial predador. E Sofia vacila entre a quebra do contrato de confidencialidade entre paciente e psicoterapeuta afim de ajudar na investigação.

O que me verdadeiramente chocou, a par das mutilações às crianças, foi o facto como o autor me horrorizou ao longo das 367 páginas. Principalmente nas passagens relacionadas com a pedófilia e os relatos da desfragmentada Victoria Bergman. Sofia embrenha-se no seu trabalho, ouvindo vezes sem conta cassetes onde são revelados momentos de puro horror pejados de maus tratos e abusos. 
O autor soube diferenciar aspectos diferentes na mesma personalidade, altamente convincente para o perfil da personalidade múltipla. Quer para Victoria, quer para o menino oriundo da Serra Leoa, Samuel Bai. Como aficionada da Psicologia que sou, o trato destes temas foi bastante interessante e muito realista.

Como referi, a história está repleta de atrocidades, o que causa algum incómodo e desconforto para o leitor, existindo inúmeras passagens difíceis de digerir. Sou sincera, como leio muitos livros do género, há assuntos que se tornam gradualmente banais contudo este livro abalou-me por diversas vezes. Achei-o muito forte e intenso cujas sensações são facilmente transponíveis para o leitor.
No entanto, a reviravolta que surge quase no final do livro, explicando tudo, para mim foi como uma bomba que detonou sem sequer estar preparada! Nunca, mas nunca equacionei que era daquela forma a resolução daquele caso, se é que se pode chamar de desfecho pois ainda há muito a explicar.
Tenho a certeza que o meu caro/a seguidor/a também ficará surpreendido/a.

A Rapariga-Corvo é o primeiro livro da trilogia As Faces de Victoria Bergman, e finda a sua leitura, percebi o porquê deste título. 
Tratando-se de uma série, foi expectável que o final ficasse em aberto, e sei que ficarei expectante até o próximo livro ser publicado. A Bertrand adianta já os nomes do segundo e terceiro livro que se chamarão Fome de Fogo e As Instruções da Pitonisa, previstos para Julho e Outubro, respectivamente.

O presente livro reuniu aquilo que procuro num thriller: é inquietante, chocante, assustador e impressionante. Aguardarei ansiosamente pelos mesmos, pois volto a reforçar, este A Rapariga Corvo foi um dos melhores thrillers que já li. Este livro deixou-me abismada!
Este é definitivamente o livro recomendado para os fãs de literatura mais sombria. Para aguçar o apetite, convido-vos a visitar o site dos autores, que é no mínimo, aterrador: http://www.erikaxlsund.com
Numa só palavra: imperdível!


13 comentários:

  1. Eu adoro estes romances psicológicos. Sei que costumam ser fortes e pelo que descreveste este é extremamente forte, mas deixam-me com imensa curiosidade. Estou a ver que é um livro a adicionar à lista :)

    bjs*

    ResponderEliminar
  2. Olá Vera, nossa que resenha! Estou literalmente tentado a adquirir esse livro diretamente de Portugal, uma vez que a Editora brasileira ainda não se pronunciou quando irá lançá-lo por aqui. Tb gosto de livros fortes, com temática sombria - esse assunto só gosto na ficção - e livros tem que nos tirar da realidade, que às vezes, ou sempre, é tão igual ou pior que qualquer estória criada. Parabéns pelo seu texto - ágil e inteligente! Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Valter, este vale mesmo a pena! Se o português de Portugal não te atrapalhar e os portes não forem muito caros, é uma sugestão! Pensei que por aí já houvesse uma data para o lançamento da Menina-Corvo. Sei que vais gostar tanto deste, estou ansiosa que o leias Valter ;)

      Beijinho grande

      Eliminar
    2. Vera, adoro ler em português de Portugal (já li vários livros e já me acostumei com novas palavras) - não tenho nenhum preconceito... sou 100% Portugal e aliás, tenho grande admiração pelos portugueses... comprando pelo site wook, eles entregam rápido aqui no Brasil... Bjs e obrigado sempre pelas dicas de leituras.

      Eliminar
  3. Fiquei com imensa curiosidade. Gosto de livros que mexem connosco, mesmo que sejam desconfortáveis.

    ResponderEliminar
  4. Ai Vera Vera, tu dás cabo da minha pobre carteira :P
    Mas um livro para comprar.

    ResponderEliminar
  5. Ok, convencido.
    Já tinha na WishList, mas agora passou a prioridade lol

    ResponderEliminar
  6. Acabei de ler este livro já o tinha visto nas prateleiras mas pronto...
    E lá acabei por o comprar...
    Estou de acordo com a Vera, nunca li um livro assim tão " macabro" e eu que adoro este tipo de coisas fiquei estupefacta com a proeza daqueles escritores pela trama.
    Afectou-me... afectou-me imenso.
    Tanta crueldade e com um tema tão delicado e tao na berra como é o caso da pedofilia.
    Realmente dá que pensar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade Anónimo. O segundo é muito na linha deste, muito forte... também me senti enjoada, revoltada... sei que é ficção (mas infelizmente haverão casos destes...) e o livro conseguiu com que ficasse extremamente revoltada. Uma leitura para reflectir, mesmo...

      Eliminar
  7. Acabei de o ler neste momento e adorei. Viciante, perturbador e com um twist surpreendente. O livro está muito bem escrito e as cenas de violência descritas não deixam o mais insensível indiferente. Vou já começar o segundo ;).

    ResponderEliminar
  8. Este livro é sem dúvida fenomenal, mal tenho palavras para o descrever!

    ResponderEliminar