terça-feira, 11 de abril de 2017

Ransom Riggs - O Lar da Senhora Peregrine Para Crianças Peculiares [Opinião]


Sinopse: Uma ilha misteriosa. Uma casa abandonada. Uma estranha coleção de fotografias peculiares. Uma terrível tragédia familiar leva Jacob, um jovem de dezasseis anos, a uma ilha remota na costa do País de Gales, onde vai encontrar as ruínas do lar para crianças peculiares, criado pela senhora Peregrine. Ao explorar os quartos e corredores abandonados, apercebe-se de que as crianças do lar eram mais do que apenas peculiares; podiam também ser perigosas. É possível que tenham sido mantidas enclausuradas numa ilha quase deserta por um bom motivo. E, por incrível que pareça, podem ainda estar viva as... Um romance arrepiante, ilustrado com fantasmagóricas fotografias vintage, que fará as delícias de adultos, jovens e todos aqueles que apreciam o suspense.

Opinião: Aproveitando o lançamento do último livro da trilogia, optei por uma leitura diferente. Já conheço a história, é certo, afinal de contas fui ver o filme baseado na obra (Tim Burton é, para mim, obrigatório) mas o livro, na minha opinião, acrescenta sempre algo mais à trama.

É inevitável, por isso, que ilustre a minha recensão do livro com as diferenças do filme. Devo dizer que, quando comprei este livro, achava que era de terror, percepção que tive devido à capa, sombria e ao conteúdo com algumas fotografias bizarras, dignas de freakshows.
Dúvidas desfeitas quando vi o filme: esta trama insere-se no género de fantasia e o público alvo seria o juvenil.

Enquanto isso, deambulamos pela história que, à medida que avança, vai divergindo do filme. Apesar das diferencias substanciais, o início, fiel, apresenta um jovem, Jacob e rapidamente apercebemo-nos da relação que este tem com o seu excêntrico avô, Abe. Este alega que, durante a sua vida, contactou com um orfanato que acolhia crianças com características únicas, como o título assim o sugere.

Uma história com este cariz só podia ser realizada pelo extravagante Tim Burton, claro. Não obstante ter ficado com a ideia de que o realizador não realizará os três filmes alusivos à trilogia, por fechar o filme com um acontecimento bem diferente e que, obviamente, é omitido na obra.
Assim, finda a leitura de O Lar da Senhora Peregrine para Crianças Peculiares ficou, naturalmente, a sensação de que a história ainda poderá dar mais frutos.
Estou curiosa para ler os outros dois volumes da trilogia que aguardam a sua vez na estante.

Não é, como afirmei em cima, um livro que esteja na minha zona de conforto. Não leio com frequência obras de fantasia e nem sequer tenho sensibilidade para avaliar quais as melhores dentro do género.
Posso apenas dizer que o livro me proporcionou uma leitura ligeira, bem diferente das que costumo fazer uma vez que, regra geral, quando pauso o livro, fico a matutar nas possíveis resoluções do crime o tempo todo. No entanto, o livro não me fascinou na íntegra, explicação que devo unicamente às minhas expectativas. Como mencionei, eu julgava que me iria deparar com uma história de terror e, ao invés, esta é a história de uns meninos que têm características sobrenaturais dentro de um cenário também este irreal, recorrendo com frequência às viagens no tempo por intermédio de vórtices temporais.
Não deixo de valorizar a mensagem subjacente, a do sentimento tão intenso de amizade.

Os personagens são mágicos e completamente inverossímeis. Aliam a inocência das crianças às habilidades tão peculiares. Jacob é o único personagem que é convincente, por motivos óbvios.

Em suma, apesar de não ser o meu género de livro, li O Lar da Senhora Peregrine com grande curiosidade que não esmoreceu. Pretendo conhecer o final desta história, caracterizada por ter crianças tão especiais. E claro, confrontar o desenvolvimento da trama com a que Tim Burton idealizou na sua adaptação cinematográfica.


Sem comentários:

Publicar um comentário