domingo, 17 de junho de 2018

Iain Reid - I´m Thinking of Ending Things [Opinião]


I´m Thinking of Ending Things foi um livro que me despertou a atenção por aliar o thriller psicológico ao terror e a alguns fundamentos filosóficos. Por isso nem hesitei ouvir este audiobook que tem sensivelmente 5 horas, correspondendo, portanto, a um livro pequeno. Nem vos confidenciei que ultimamente tenho-me dedicado a este formato aquando vou a caminho do meu trabalho.

A trama inicia-se quando a protagonista segue no carro com o namorado, a caminho da casa dos pais dele. Desconhecemos o nome dela, mas temos acesso aos seus pensamentos mais íntimos: ela pensa em terminar com tudo. A partir desta premissa, a personagem tece uma série de considerações, muitas delas convidativas à reflexão.
Confesso que, apesar do livro ser curto, o início não me cativou particularmente. Achei o ritmo algo moroso, percepção que atribuo aos vários pensamentos da personagem feminina. Esta disserta sobre a complexidade de uma relação, passando a relatar alguns episódios da sua infância bem como terá conhecido Jake. Ouvia estes trechos sem grande interesse quando ela descreve o conteúdo bizarro de chamadas anónimas que recebe no seu telemóvel. Confesso ter ficado bastante intrigada a partir desse momento.

Bizarro é, aliás, o adjectivo que eu utilizaria para exprimir esta história, em linhas gerais. 

A experiência de ter ouvido este audiobook foi excelente. A narradora do audiobook manteve-me na expectativa e conseguiu transmitir o ambiente tenso que se faz sentir, não só na viagem, como sobretudo na casa dos pais dele e nos acontecimentos seguintes. Diria que esse é o ponto forte da trama: no decorrer desta "leitura", sentia-me constantemente desconfortável sem saber porquê. Simplesmente não havia uma razão concreta para me sentir daquela forma. E como referi anteriormente, esta sensação acentuou-se a partir do momento em que as personagens chegam à casa dos pais dele. 

Fiquei sem palavras em vários momentos, de tão insólitos eram as passagens. Tudo se encaminhava para ser um livro inesquecível porém, tive um problema com o desfecho. Antes de discuti-lo, sem evidentemente, deixar spoilers, gostaria de mencionar que a experiência do audiobook havia contribuído para que viesse a sentir uma maior intensidade no final. A resolução desta narrativa inicia-se após um trecho extremamente bizarro e que funcionou muitíssimo bem na leitura. Dei uma olhada ao ebook e senti-me igualmente arrepiada.

Contudo, tive alguns problemas em digerir o que acontecera até então. Confesso que não percebi, assim que ouvi o clímax, tendo recuado instantes antes para tentar aperceber-me realmente do que se passou então. Senti-me frustrada e surpreendida.
Só quando pesquisei no Goodreads um fórum com uma discussão entre os vários leitores é que, como se costuma dizer, me caiu a ficha. O autor foi extremamente inteligente em fechar a história, de uma forma mais subjectiva e implícita, obrigando-me a reflectir sobre a mesma. Devo afiançar que, ainda que tenha terminado a obra há uns dias, esta tarda em sair da retina. Sendo um audiobook e em inglês, foi com a máxima atenção que ouvi a história e atentei nos detalhes que considerei mais inusitados. Só após este exercício de reflexão é que consegui perceber que o final não fora tão descabido como avaliei na altura.

Não descurando o desenvolvimento da narrativa que, sublinho, se caracteriza por um ambiente sufocante, esta obra marca, principalmente, uma incredulidade sobre o final. 

Em suma, um livro pequeno, diferente e bizarro que me deixou a matutar. Ainda hoje penso na história e na sua complexidade. Embora curto, é, sem dúvida, uma trama deveras intensa e que nos convida a questionar sobre múltiplos pontos. 

Sem comentários:

Publicar um comentário