quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Lars Kepler - O Homem da Areia [Opinião]


Sinopse: AQUI

Opinião: Terminei o quarto livro protagonizado por Jonna Linna e não tenho como descrever o quão gostei desta obra. Atrevo-me a ser unânime com a crítica e avaliar este livro como um dos melhores do ano e, na minha opinião, talvez o melhor desta dupla de autores suecos.

O cenário de grande parte da trama é um hospital psiquiátrico, um local que considero por si só, algo sombrio. A história está ao nível do que o autor nos habituara: um punhado de segredos cuja resolução converge para apenas uma resposta. Como é recorrente nos romances de Kepler, O Homem da Areia é um livro extremamente sensorial uma vez que todas as acções são minuciosamente descritas, não descurando os mínimos detalhes, o que me fez sentir transportada para um cenário de um filme de terror.

O cerne do mistério centra-se em Jurek Walter, um serial killer que está detido num hospital psiquiátrico. A interacção deste com os demais pacientes é tensa e por várias vezes senti-me desconfortável justamente pela sensação de estar a ser transportada para aquele ambiente claustrofóbico. Tendo como cenário um local que impõe tanto respeito, a narrativa acaba por apelar a uma reflexão sobre a forma como as perturbações mentais mais ligeiras podem funcionar como uma camuflagem de um perfil psicopata, daí que as personagens que figuram como pacientes acabem por ter um perfil dúbio. De certa forma, certos aspectos deste espaço narrativo bem como a personagem de Walter relembraram-me o mítico Hannibal Lecter.

Posso afirmar que não são apenas os pacientes deste hospital psiquiátrico a assumirem comportamentos estranhos. Arrepiaram-me de sobremaneira algumas passagens protagonizadas por um médico da instituição, quer pelas suas parafilias, como pela sua conduta clínica bastante discutível.

A forma como a trama se desenrola cativou-me muitíssima, mesmo as cenas mais gráficas envolvendo a personagem Saga Bauer, cenas essas que, por motivos óbvios, não poderei aqui revelar, mas posso assegurar que me mantiveram tensa e desconfortavel, mas, simultaneamente, agarrada à leitura. Esta figura de Saga Bauer tinha já surgido noutras obras de Lars Kepler, tendo-se, todavia, destacado no presente livro.

No livro antecedente, A Vidente, Kepler levantou o véu sobre a vida pessoal de Jonna Linna, mantendo em aberto o que de facto aconteceu à sua mulher e filha, revelando em O Homem da Areia, as verdadeiras causas de Jonna Linna se ter tornado uma personagem solitária, ligando, desse modo, as pontas soltas sobre o comissário de naturalidade finlandesa e a sua enigmática família.

Sobre a história, devo dizer que a mesma está repleta de momentos tensos, extremamente bem descritos, pois a trama está muito bem pensada e os personagens assaz complexos. Os capítulos, por seu turno, são pequenos, tornando a leitura ávida.

Em suma, O Homem da Areia oferece-nos uma história e personagens intrigantes, com especial incidência no misterioso Jurek Walter.

Custa-me eleger a minha obra de eleição deste autor uma vez que, anteriormente, já me rendera a Lars Kepler com o Hipnotista e posteriormente com A Vidente, contudo, penso que este O Homem da Areia consegue superá-los pelas razões anteriormente enumeradas.
Que livro excelente! Simplesmente arrebatador! A espera para o quinto livro da série, The Stalker tornar-se-á insuportável.


7 comentários:

  1. Sou fã de Kepler, gostei de todos os livros. Super cativante, muito bem escrito, de forma a que não conseguimos para de ler. Vivo na Suécia e agora saiu o 5º livro deles Stalker. Fiquei doida :-) Fui logo ver em Portugal (sim, porque ainda não sei ler sueco o suficiente para ler um livro) e fiquei a saber que afinal seria o 4º livro a sair. O 5º livro também promete. :-) Um beijinho e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Tania!
      Que maravilha! Vives na Suécia! Adorava! Estás a dar-te bem por aí? Deve ser fantástico, os países nórdicos têm-me cativado muito! Pois é, sei que saiu o próximo, The Stalker. Estou tão ansiosa por ler! :D Promete pois, estes autores são mesmo fantásticos!

      Um grande beijinho e boas leituras

      Eliminar
  2. Vera, tudo bem? E não só eles se superaram: vc a cada dia escreve uma resenha melhor que a outra! Não vejo a hora do meu livro chegar aqui no Brasil. Um bj e sucesso sempre!

    ResponderEliminar
  3. Lá vou eu a correr..... Sou na meso opinião, o que menos gostei foi o executor.

    ResponderEliminar
  4. Acha essencial a leitura dos livros anteriores para compreender este livro?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá! Como referi na opinião, acho que a trama pega em alguns acontecimentos do livro anterior, A Vidente. Isto na óptica do lado pessoal do Jonna Linna. Mas dou por bem empregue as leituras de O Hipnotista e O Executor ;)

      Eliminar