terça-feira, 25 de setembro de 2018

Olivier Truc - Quarenta Dias Sem Sombra [Opinião]



Sinopse: AQUI

Opinião: Recordam-se da autora Asa Larsson cujos romances policiais tinham lugar em Kiruna? Pois devo dizer que Quarenta Dias Sem Sombra, por se passar na Lapónia, fez-me lembrar algumas das obras desta autora sueca. Há neste caso, no entanto, uma particularidade: o autor, Olivier Truc, não é de origem escandinava, embora a obra deixe transparecer um excepcional conhecimento daquela região.
Numa iniciativa da editora, tive oportunidade de privar com o autor e este relatou algumas das experiências que vivenciou no local, despertando em mim ainda maior curiosidade sobre esta história.

Decididamente creio que o fascínio deste livro reside no ambiente. Deliciei-me com o clima ártico, com o fenómeno das auroras boreais, bem como com os elementos da cultura da Lapónia. Atrevo-me igualmente a afiançar que a sensação de estar naquele local é palpável devido ao poder das descrições.
Tenho conhecimento que, junto ao Ártico, os Invernos são tão rigorosos que os habitantes não vêem o Sol. No que concerne à trama foi precisamente durante um destes períodos de escuridão polar, ao final de quarenta dias, em Kautokeino, que um tambor ancestral foi roubado do museu onde, em breve, seria exposto. Os polícias Klemet Nango e Nina Nansen são convocados a investigar este invulgar caso, em conjunto com as autoridades locais. 

Antes de mais, achei curioso que Klemet e Nina sejam agentes de uma polícia característica da zona, a polícia das renas. Esta visa, sobretudo, mediar os conflitos no seio da comunidade Sami, que é muito ciosa com as suas renas. Interessante não? Conseguem perceber porque é que eu fiquei fascinada com o cenário desta obra?
Embora o protagonismo seja atribuído a ambas as personagens, confesso que senti uma maior proximidade com o personagem masculino. No meeting com o autor, ele revelou que a sua segunda obra se debruça sobre Nina, o que me deixou bastante satisfeita pois irei, certamente, gostar de ver esmiuçado um pouco mais sobre o passado da protagonista feminina.

No que concerne à componente policial, confesso que considerei o ritmo um pouco moroso. Numa primeira análise, nem avaliei o roubo de um tambor como um elemento preponderante de um thriller, no entanto, sentia-me tão cativada com o ambiente e a cultura local que a leitura fluiu com grande interesse, percepção que se intensificou aquando a ocorrência de um homicídio. Este acontecimento aproximou esta obra da literatura policial convencional.

Considero que Quarenta Dias Sem Sombra vai muito além de um simples giallo com lugar na Escandinávia. Eu, que tantas vezes enveredo pelos policiais escandinavos ao ponto de crer que já conheço minimamente a cultura destes povos, fiquei rendida ao descobrir os costumes dos lapões. Não é, portanto, um livro que se adeque aos ávidos aficionados dos policiais gráficos, não obstante sentir que este é um livro rico em detalhes culturais que nos transportam para os ambientes gélidos da Lapónia.  

Em suma, pelas razões acima referidas, este policial de contornos peculiares e num cenário mais bucólico do que o habitual, agradou-me de sobremaneira, pelo que aconselho vivamente a leitura do presente título a todos aqueles que procuram uma obra que mescle os detalhes de uma investigação policial, com aspectos etnográficos e culturais de um povo pouco conhecido entre nós.


Sem comentários:

Publicar um comentário