domingo, 18 de agosto de 2019

Mary Kubica - Verdade Escondida [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Por alguma razão que desconheço, Verdade Escondida residia na minha estante, por ler, há três anos. Curiosamente, foi o último livro publicado em Portugal desta autora, pelo que, subconscientemente, tê-lo-ei talvez guardado para recordar as tramas da autoria de Mary Kubica. Após a leitura dos três livros editados por cá, confesso que este título foi o que menos gostei.

Tal como as obras antecessoras, a autora opta pela narrativa sob a perspectiva de duas personagens: Quinn, a colega de quarto de uma jovem desaparecida e Alex, um rapaz que trabalha num café e que fica fascinado quando aparece uma rapariga no seu local de trabalho.
As subnarrativas são intercaladas, permitindo-nos conhecer em simultâneo a evolução de cada uma. Confesso que preferi a subtrama referente a Quinn pois senti-me mais interessada pelos contornos da busca por Esther do que propriamente a relação de Alex com a rapariga misteriosa ainda que, numa fase posterior, o jovem me tivesse despertado maior empatia devido aos seus fantasmas do passado. 

Como já tive oportunidade de referir, creio ser inquestionável que uma trama, narrada sob a perspectiva de duas personagens completamente diferentes sem qualquer relação, consubstancia-se deveras intrigante. Pessoalmente, senti-me em suspense para perceber a possível conexão entre os dois protagonistas. Contudo, em certos momentos, senti-me um pouco aborrecida, percepção que atribuo possivelmente a uma impaciência da minha parte pois senti que a autora se debruçou em demasia sobre a caracterização das personagens. Compreendo que Kubica tenha querido uma aproximação entre o leitor e os protagonistas, porém, a meu ver, grande parte dos factos não eram realmente flagrantes para a acção.

Uma vez que o cerne do mistério reside no desaparecimento de uma rapariga, foi inevitável que, numa fase inicial, estabelecesse uma comparação com o afamado Gone Girl. Felizmente que este ponto era o único em comum, convidando-nos a uma reflexão, novamente, sobre o quão bem conhecemos a pessoa com quem partilhamos a casa. Com excepção deste ponto, a história diverge completamente. De facto, não esperava que o rumo da trama fosse o que a autora propõe, pelo que fui surpreendida. Embora a chave do puzzle estivesse fora das minhas teorias, não fiquei completamente convencida nem me senti deslumbrada como acontece nos demais thrillers.

A minha avaliação de Verdade Escondida deve-se também a um contraponto entre as outras obras da autora. Ainda há dias, a propósito de um filme, lembrei-me do estranho rapto explanado na obra Não Digas Nada. Recordo-me, igualmente, da estranha que aparece com um bebé no lar de um casal, premissa de Vidas Roubadas. Tramas estas que, claramente, me marcaram mais do que o presente título.  

Em suma, apesar deste título ser, na minha modesta opinião, o menos estimulante dos três livros editados em Portugal, Mary Kubica é uma autora a ter em consideração. Autora de thrillers aliciantes, espero revê-la novamente em breve.


Sem comentários:

Publicar um comentário