quarta-feira, 6 de março de 2013

Vikas Swarup - Seis Suspeitos [Opinião]


Sinopse: Vicky Rai, um playboy filho de um influente político indiano, mata a jovem Ruby num restaurante em Nova Deli apenas porque ela recusa servir-lhe uma bebida. Sete anos depois, Vicky é julgado e absolvido pelo seu crime. E decide celebrar com uma festa de arromba. Mas esta festa vai ter um final inesperado quando Vicky é encontrado... morto. Entre os 300 glamorosos convidados, a polícia encontra seis pessoas estranhas e deslocadas naquele meio, todas elas com algo em comum: uma arma. 
Arun Advani, o mais famoso jornalista indiano, está decidido a descobrir o culpado. E, ao fazê-lo, revela-nos as incríveis e emocionantes vidas destes seis excêntricos suspeitos: uma sex-symbol de Bollywood com um segredo vergonhoso; o membro de uma tribo primitiva em busca de uma pedra sagrada; um burocrata corrupto que acredita ser o novo Gandhi; um turista americano apaixonado por uma actriz; um ladrão de telemóveis com sonhos grandiosos e um político ambicioso disposto a tudo. Cada um deles teve motivos mais do que suficientes para premir o gatilho. E poderá o leitor confiar nas revelações do jornalista? Ou terá, também ele, algo a esconder? Inspirado em acontecimentos reais, o muito aguardado segundo romance de Vikas Swarup é um livro de leitura compulsiva que oferece um olhar perspicaz sobre a alma e coração da Índia contemporânea.

Opinião: Desde praticamente que saiu, Seis Suspeitos era um livro que residia na minha estante. A sua capa, na minha opinião, é pouco adequada para um policial, nunca tendo apelado à sua leitura até agora, circunstâncias em que decorre o desafio temático da menina dos policiais, sendo que Fevereiro abrange um livro cujo título conste de um algarismo.

Não tive a oportunidade de ler o livro do autor, Quem Quer Ser Bilionário, mas vi o filme e gostei bastante. Ainda assim e de certa forma, este livro fez-me pensar na similaridade nas duas obras, pelo desenvolvimento da vida na Índia actualmente. Ora, as personagens principais de ambas as histórias (se bem que em Seis Suspeitos, não existe uma única personagem principal, estendendo-se o role de papéis fulcrais pelos seis suspeitos) são submetidos a uma série de provações que nos fazem reflectir sobre o que será a vivência no referido país.
Vocês não imaginam o que é ler este livro! Para um ocidental pacato e acomodado ao conforto do quotidiano, é um verdadeiro estalo na cara! Ler Seis Suspeitos é mais do que desvendar um mero crime, que na minha opinião, não assume destaque suficiente na primeira parte do livro. É ir literalmente à Índia, um dos países mais povoados do mundo, e depararmo-nos com uma cultura que nada tem a ver com a nossa.

A trama, vista por seis personagens tão diferentes mas que em comum têm um aspecto: o ódio por Vicky Rai. Assim, o autor desenvolve, não olhando às limitações de pormenores, a vida de cada um: pessoas tão diferentes como as que a sinopse mencionam, trazendo um turbilhão de sentimentos ao leitor. Falo que mim, que me revoltei, me sensibilizei, me emocionei e até ri!

Mas desenvolver com tamanha complexidade as personagens requer mestria por parte do autor. Assim, Swarup, bastante versátil, mune cada um dos personagens com características diferentes e especiais, traduzindo-se na história contada relativamente a cada um deles. Não esquecerei o americano, que visto em apuros, as suas observações são de um humor fantástico ou a ingenuidade de Eketi, o indígena. Na verdade eu poderia estar a referir uma série de observações relativamente a cada um dos suspeitos. Não o farei embora estes referidos anteriormente, confesso, que foram dos meus preferidos.
Gostei das seis personagens, embora com a conotação negativa de Suspeitos, com os seus defeitos e sobretudo, das motivações que levam a desprezar um homem tão arrogante como Vicky Rai. Numa fase inicial do livro e em grosso modo, desconhecem-se as relações para com Vicky, mas o autor desenvolve pormenorizadamente uma história de vida, para cada suspeito, quase em forma de teia de ligações entre as personagens, tendo apenas como factor comum, Vicky.

Apesar do choque cultural que se avizinha, penso que o autor terá desenvolvido com grande entusiasmo temas interessantes como a corrupção na política (bem, este não é propriamente exclusivo na Índia...), a vida efémera de estrelas de cinema e o glamour na indústria Bollywood ou o confronto entre religiões Muçulmana e Hindu. O tema que me chocou particularmente foi o desastre de Bhopal. Particularmente, catástrofes desta natureza só conhecia o caso de Chernobyl. Este terá sido verídico e foi motivo para que eu fosse pesquisar na internet sobre o mesmo. Fiquei horrorizada!

Surpreendeu-me o desfecho, ao constatar a verdade sobre o assassinato. Confesso que estava tão embrenhada com a vida dos nossos seis suspeitos, que no decorrer da trama nunca reflecti sobre quem teria morto Vicky Rai. Daí que o efeito surpresa tenha resultado com mais eficiência.

Em suma, adorei Seis Suspeitos. Um policial verdadeiramente diferente, em que, ao contrário do que é convencionado, o crime e a investigação são deixados para segundo plano. As histórias de vida dos seis suspeitos são deveras emocionantes, pensando eu que possam retratar de uma forma bastante fiel e convincente, a vida na Índia contemporânea. Recomendo!



3 comentários:

  1. Já li e adorei! Gostei muito da crítica! Beijinhos
    Já sou fã do blogue
    http://ibookyouu.blogspot.pt/

    ResponderEliminar