sexta-feira, 6 de abril de 2018

A. J. Finn - A Mulher à Janela [Opinião]


Sinopse: AQUI

Opinião: Confesso que estava um pouco céptica ao iniciar esta leitura. O motivo prendia-se com as claras semelhanças entre esta história e a de Janela Indiscreta (um filme de Hitchcock mas, pelo que pude apurar, baseado num livro de Cornell Woolrich).
Ora vejamos: uma pessoa está impossibilitada de sair de casa, devido a uma limitação, entretém-se a espiolhar os seus vizinhos e acaba por testemunhar o que parece ser um crime.
Creio, no entanto, que este ponto de partida terá sido intencional, na medida em que o autor menciona uma série de filmes noir, entre os quais, os clássicos de Hitchcock, uma vez que um dos passatempos preferidos da protagonista, Anna Fox, consiste no visionamento de filmes a preto e branco e outras fitas de culto.

Confesso que no início achei que o ritmo da trama foi moroso. Não adiantava muito mais do que os afazeres de Anna, as conversas que ela tinha com o ex-marido e a filha e outras considerações sobre as famílias vizinhas. Contudo, o ponto de viragem - o momento em que Anna assiste a um aparente crime na casa dos Russell - tornou a história mais intrigante ao ponto de dar por mim a querer ler avidamente para tentar perceber o que afinal se passara.

Um ponto digno de destaque é a forma como a história é apresentada, sob o ponto de vista de Anna e narrada pela própria. Esta personagem tem uma particularidade que aprecio neste tipo de tramas: ela é altamente problemática.
Além de se desleixar com a medicação, bebe demasiado, o que condiciona a veracidade dos seus testemunhos. Creio ser desafiante ler uma trama narrada por uma personagem não confiável.
Ainda neste prisma, considerei exímia a caracterização de Anna e confesso que os meus sentimentos por ela oscilavam entre a compaixão e alguma desconfiança. Talvez a sua agorafobia acentue esta característica embora a origem desta condição tenha sido devidamente explicada, o que, para mim, se tornou uma das maiores surpresas da trama. Tão intensa quanto o próprio desfecho.

Gostei da forma como o autor pegou nos clichés da história e deu-lhes um rumo inovador. 

Em suma, apesar de ser um livro que tardou em cativar-me, A Mulher à Janela prima pela história inteligente, por dois grandes twists surpreendentes e um destrinçar da perturbação de ansiedade - agorafobia - extremamente interessante. 
Um promissor thriller de estreia de A. J. Finn. 


Sem comentários:

Publicar um comentário