quarta-feira, 1 de março de 2017

M. J. Arlidge - O Anjo da Morte [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Fiquei rendida, uma vez mais, às histórias de M. J. Arlidge! Este autor é, decididamente, um dos melhores do mundo editorial e, na minha opinião, a série melhora a cada livro publicado! Este é o sexto livro da saga e os casos vão-se tornando mais desafiantes. Não consigo perder o interesse por esta série.
Iniciei a leitura de O Anjo da Morte aquando da transmissão da cerimónia dos Oscars. Pareceu-me óbvia a escolha entre ver a entrega dos prémios da Academia ou iniciar uma obra de um dos autores que mais admiro. No final da tarde do dia seguinte terminara já o livro. Li-o compulsivamente em menos de 48 horas, mesmo sem ter usufruído da tolerância de ponto de Carnaval. Aproveitei todos os minutos livres para ler e, quando tal não era possível, ia pensando nos variados aspectos da obra.

Quem acompanha a série (e quero ressalvar que é fundamental a leitura de Na Boca do Lobo, pois o desfecho dessa mesma obra deixara um cliffhanger e a situação é apenas resolvida na presente obra), sabe que Helen está agora na prisão de Holloway em circunstâncias bastante delicadas. 

Vou tentar enumerar, sem levantar spoilers claro, as razões pelas quais considerei esta obra uma das melhores da série. Em primeiro lugar a minha avaliação prende-se com o cenário que serve de pano de fundo à trama. Trata-se de um ambiente claustrofóbico uma vez que grande parte da acção se passa numa prisão. A verosimilhança é também outro factor a destacar, uma vez que retrata, com grande credibilidade, a formação de grupos por interesse, as vinganças pessoais entre reclusas devido ao código que existe dentro das prisões ou ainda os castigos de privação nas solitárias.
Em segundo lugar a trama, claro. Achei o caso sinistro e estava tão empolgada para saber a sua resolução que não conseguia pousar o livro! O autor tem uma fórmula que agiliza a leitura, os capítulos pequenos que terminam em suspense, fazendo com que o leitor anseie por ler mais. Também posso salientar a descrição dos corpos e as mutilações post-mortem. São macabros e impressionaram-me muito!
Por último, devo mencionar a prestação de Charlie na acção. Um exemplo de profissionalismo e devoção a Helen. A sub-trama, referente a Charlie, foi igualmente emocionante, embora pessoalmente, tenha preferido a narrativa passada na prisão.

Apesar de me ter sentido surpreendida durante toda a leitura (e não adivinhei, uma vez mais, a identidade do antagonista), creio que o clímax acabou por ser um pouco cliché pois já ouvi uma ou outra história sobre os "anjos da morte". Ainda assim senti-me satisfeita com o desfecho pois, como referi, apanhou-me completamente desprevenida.

Não quero correr o risco de parecer repetitiva, mas vós sabeis que tenho esta série em grande consideração. No que concerne a O Anjo da Morte e, de acordo com o que firmei, classifiquei-a com cinco estrelas no Goodreads! Recomendo este autor! É verdadeiramente brilhante! Sinto-me genuinamente impaciente pela publicação de mais obras!


Sem comentários:

Publicar um comentário