segunda-feira, 15 de maio de 2017

Colleen Hoover - It Ends With Us [Opinião]


Antes de começar a minha crítica sobre este livro, creio ser pertinente referir que a obra já foi publicada em português pela editora TopSeller e qualquer informação sobre a mesma, encontra-se neste link. Eu li em inglês, por impulso. Não tinha sequer equacionado esta leitura num Maio que, pensava eu, seria repleto, uma vez mais, de thrillers e policiais.

Parti para esta leitura completamente em branco. Apenas tinha presente as inúmeras recomendações nas redes sociais embora já conhecesse a autora pelas obras Um Caso Perdido, Uma Nova Esperança e Amor Cruel. Talvez por isso, pela minha completa ignorância sobre o tema principal abordado na obra, fiquei genuinamente surpreendida com a história. Vou, portanto, abster-me de tecer comentários que eventualmente possam desvendar demasiado sobre a trama.

A verdade é que gostei muito deste livro. Já vi o tema retratado e vou-me coibir em mencionar algumas obras que se debruçam nesta problemática ainda tão actual nos dias de hoje. Sempre que encontro esta temática retratada, emociono-me sempre por reconhecer esta situação em duas pessoas que conheci, uma delas muito recentemente. 
Talvez tenha sido por isso que a história me tenha absorvido tanto e li esta obra, em inglês, em cerca de dois dias. Porém, não é apenas de momentos tristes que vive esta história. A presença de um casal secundário, Alyssa e Marshall, com discurso pautado pela comicidade acaba por mitigar o dramatismo do enredo. Confesso que esperava ver mais desenvolvido o pequeno drama referente a este casal que foi efémero. Compreendo a abordagem muito ligeira, afinal de contas, esta história não pretende centrar-se na infertilidade.

As personagens principais são, de facto, carismáticas, especialmente Lily, a protagonista. 
Gostei muito dos seus diários para a Ellen DeGeneres em que falava sobre os seus 15 anos, altura em que conheceu uma pessoa muito especial. Além disso, é através destes diários que o leitor compreende a interacção familiar de Lily, um dos ingredientes que, a meu ver, tornam esta história memorável. 

Não posso deixar de mencionar o outro componente que intensifica esta minha percepção: o epílogo. Nunca um epílogo foi tão emocionante quando este. Também me vou abster de comentar o conteúdo do mesmo, onde Hoover confidencia alguns aspectos de cariz mais pessoal e eu senti-me sensibilizada, uma vez mais...

Agora que penso no enredo, creio que este é repleto de lições de vida que vão muito além dos lugares comuns e dos clichés que ouvimos quando se fala do tema central. 
Esta trama é simplesmente dilacerante e intensa. Confesso que me senti bastante comovida no decorrer da leitura e a história tocou-me como poucas o fazem. Desta vez ter saído da minha zona de conforto compensou. Seguramente este livro não me sairá da cabeça durante os próximos tempos.

1 comentário:

  1. Olá Vera
    Se tu, a rainha do sangue gostou então eu também devo gostar de ler este livro.
    Sair da zona de conforto trás sempre algo novo e por vezes muito bom.
    Beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar