sábado, 3 de abril de 2021

Ashley Audrain - Instinto [Opinião]

   

Sinopse: AQUI

Opinião: Instinto é a nova aposta da editora Suma de Letras em termos de thriller. Poder-se-ia dizer que não é um título totalmente inovador na medida em que segue a linha de obras como The Bad Seed de William March, We Need to Talk About Kevin de Lionel Shriver ou Baby Teeth de Zoje Stage. Ao revelar este facto não creio, de todo, que esteja a cometer algum tipo de inconfidência similar a um spoiler. Afinal de contas, a psicopatia revela-se num espectro de acções e actos diferentes, tendo apenas como denominador comum, o efeito de choque, mais acentuado sobretudo naqueles que experienciam a maternidade.

Começo a minha opinião por confidenciar que já não leio avidamente um livro desde Novembro do ano passado. Contudo, esta obra fez-me redescobrir a emoção que sinto quando leio um livro, e, nesta altura da minha vida, posso assegurar-vos que a minha incredulidade se fez sentir mais do que nunca. Não creio que o impacto da obra dever-se-á apenas ao meu estado de espírito actual. Estamos perante um livro que, penso ser consensual, irá consubstanciar um verdadeiro impacto emocional na medida em que disseca, sem grandes floreados, uma relação entre mãe e filha altamente disfuncional. Levanta muitas questões do foro psicológico, nomeadamente onde começa este vínculo e a partir de que acções este começa a assumir contornos mais desviantes. Sim, minhas amigas mães, vós ireis reflectir muito sobre este assunto, não tenho qualquer dúvida.

Não obstante, por apresentar um conteúdo tão polémico, Instinto também dará azo a uma larga panóplia de ilações, crendo eu que não conseguirá deixar ninguém indiferente. Ainda que se consiga encarar esta obra como uma mera história de ficção, penso que a mesma é chocante o suficiente para sugerir uma reflexão, como referi, por diversos momentos, mesmo quando não estamos a ler. É, indubitavelmente, uma obra que nunca sairá da retina. 

Escrito sob o ponto de vista da progenitora, Blythe, conseguimos ter a perspectiva em primeira mão, de uma mãe que se debate com alguns desafios próprios da maternidade. Poderá ser um ponto positivo uma vez que a informação chega ao leitor de forma madura e sincera, não obstante considerar que a perspectiva da criança poderia acrescer de um maior impacto. A acção retrocede até ao passado para que possamos perceber o panorama familiar da protagonista. Pessoalmente, considerei que esta subtrama não trouxe grande importância, no entanto reconheço que o título, Instinto, poderá ser alusivo de algum traço psicológico que passo passar, eventualmente, de geração para geração. 

Alguns episódios são, naturalmente, de difícil digestão e creio que o mais impactante ocorreu sensivelmente a meio da trama, pelo que, devo confessar, esmoreceu um pouco o meu entusiasmo. Tinha em mente, como paralelismo, a obra de Lionel Shriver e, inconscientemente, fui estabelecendo uma comparação entre as duas histórias. Ainda assim, foi com bastante alento que prossegui a leitura, sempre na expectativa sobre como seria o percurso da história. E realmente, esta conseguiu sustentar um ambiente de tensão até ao final, altura em que, a meu ver, poderia ter sido mais emocionante. Atenção que esta é uma percepção altamente pessoal pois, por norma, não aprecio desfechos que apelam ao poder de sugestão. E sim, aceito que este terá um efeito mais ou menos intenso consoante o leitor. 

Mesmo assim, no seu cômputo, estamos perante uma obra muitíssimo bem conseguida que irá mortificar aqueles que são pais ou os que pretendem sê-lo. É uma obra que, por me ter chocado várias vezes no decorrer da leitura, não hesito em recomendar! 



Sem comentários:

Publicar um comentário