quinta-feira, 19 de julho de 2018

Elsa Guilherme - As Casas Também Morrem [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Sendo uma leitura voraz no género policial, foi com bastante interesse que li a obra de estreia de Elsa Guilherme. Um romance escrito em jeito de thriller, em que o suspense recai sobre uma misteriosa casa.

Luísa, agente imobiliária de Lisboa, desloca-se a Vilar de Fraga com o intuito de vender uma imponente casa. Há contudo uma particularidade: consta que a habitação está assombrada.  

Antes de mais, As Casas Também Morrem é um livro muitíssimo bem escrito. A autora tem o condão de transportar, efectivamente, o leitor para o vilarejo onde decorre a acção, tal é a riqueza de elementos etnográficos do Nordeste do país. Este sentimento tomou conta de mim num capítulo em particular, A Festa, com passagens alusivas à romaria local. 
Assim, diria que se cria uma afinidade com os habitantes de Vilar de Fraga. O leitor sente uma familiaridade com estes. Gostei, igualmente, de respirar esta atmosfera rural, longe do rebuliço citadino, tendo considerado igualmente verosímil a narrativa que se desenrola neste ambiente bucólico na medida em que encontramos uma teia de intrigas e segredos entre os populares, um facto que é transversal a quase todas as aldeias. A gastronomia local é igualmente rica, algo que nos abre constantemente o apetite. Saliento ainda as crenças religiosas que se fazem sentir de uma forma muito mais intensa do que nas cidades.

Alguns factos históricos que remontam às Invasões Francesas tornam a trama mais rica e interessante, sobretudo com a inclusão de trechos referentes ao século XIX que nos mostram como é que estas povoações mais isoladas, longe das principais cidades e desprovidas de meios de comunicação, lidaram com a passagem dos exércitos de Napoleão.

O mistério que a autora nos propõe é de carácter dúbio: será a componente sobrenatural quem rege este suspense ou os factos alusivos à casa terão uma explicação lógica? O mistério adensa-se quando uma das personagens morre em circunstâncias duvidosas. 

A força motriz da trama é, sem dúvida, a protagonista, Luísa. Considero que o leitor criará facilmente uma ligação com a protagonista, uma vez que esta se debate com um drama familiar: o seu filho, Afonso, sofre de uma perturbação no Espectro do Autismo, obrigando-a a conciliar a vida familiar com o trabalho na procura de um equilíbrio que nem sempre é possível.  Vamos pois observando como é que esta personagem se desdobra entre os seus afazeres profissionais e de mãe, sendo ainda enredada na presente trama, algo que desperta, no leitor, um sentimento de piedade.

Em jeito de conclusão, devo lamentar que não insisto quanto gostaria nos autores lusófonos. As Casas Também Morrem é uma trama bem engendrada, com recurso a factos históricos, folclore regional e personagens familiares. Ainda que o mistério assuma proporções secundárias, é uma trama cativante devido aos aspectos que ressalvei.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Laura Marshall - Pedido de Amizade [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Já tinha verificado este livro, Friend Request, em inúmeras listas de thrillers contemporâneos a ler. Por isso, fiquei muito agradada quando soube que este título seria também publicado em Portugal pela TopSeller.

Pedido de Amizade é um thriller que se debruça no fenómeno das redes sociais. Uma narrativa bastante actual ainda que seja complementada com flashbacks remotos a 1989. Dado que nasci nesta década e, de certa forma, sou revivalista, foi com bastante interesse que acompanhei estas passagens. Regra geral, embora não me reveja em tramas com cariz escolar, ambiente principal nos trechos relativos aos anos 80, houve um aspecto que tornou estas passagens bastante aliciantes. Tenho para mim que a autora foi beber ao afamado Carrie de Stephen King pois as cenas de bullying a Maria Weston recordaram-me a obra prima de terror. E creio que terá sido intencional na medida em que o livro Carrie é, de facto, mencionado algures na trama.

Na actualidade encontramos a protagonista, Louise Williams, que recebe um pedido de amizade no Facebook da antiga colega de escola, Maria. Seria uma situação comum se não fosse uma particularidade: Maria Weston morreu há 25 anos.

Pedido de Amizade é, acima de tudo, uma leitura desafiante devido ao seu carácter dúbio uma vez que se desconhece se o mistério que Laura Marshall nos propõe se resolveria por uma via lógica ou se recorria ao sobrenatural. Pessoalmente, senti-me bastante agradada com o rumo que a história se propôs.

Fui sugada para esta história aparentemente tão desconcertante. Achei muito bem conseguidos os flashbacks dos anos 80, intercalados com a subnarrativa actual que é igualmente cativante. 
Alguém está a perseguir Louise e o perigo parece ser bastante mais real do que um simples e virtual pedido de amizade. Por norma, as protagonistas desta vaga de thrillers domésticos têm uma particularidade comum: são não confiáveis. Em Pedido de Amizade tal não se sucede e creio que é fomentada alguma empatia entre o leitor e Louise, sentimento que atribuo também ao seu contexto familiar.

O desfecho foi bastante intenso, na minha opinião. Ainda que possa considerar que tenha sido, de certa forma, expectável a resolução do mistério alusivo a Maria Weston, a autora surpreendeu-me com um twist final e este, sim, bastante forte.

Em suma, mais uma excelente aposta! 
Este thriller psicológico é, definitivamente, diferente dos demais por explorar os poderosos efeitos das redes sociais, temática que não tenho visto explanada na literatura do género actualmente. Ainda que a minha escolaridade se tenha situado, na grande maioria, nos anos 90, senti-me a deambular pela década de 80. Foi uma viagem ao passado muito gratificante.


quinta-feira, 12 de julho de 2018

Elsa Guilherme - As Casas Também Morrem [Divulgação CoolBooks]


Sinopse: Luísa Menezes refugia-se no trabalho, para fugir ao doloroso internamento do seu filho. É uma das melhores avaliadoras de imóveis do país, e é nessa condição que é convidada a visitar uma casa «problemática», conhecida como a Casa do Inglês.
Instala-se na terra mais próxima, Vilar de Fragas, perdida nos montes e escondida entre gigantescas pedras graníticas. Descobre uma vila isolada do mundo, povoada de histórias, desejos e pecados.
Desde o primeiro momento, Luísa encantou-se com a Casa do Inglês. Esse primeiro encontro marca o início de uma história com muitas perguntas, que a impedem de partir: Que livro será aquele que a «louca da terra» lhe deixou? O que existirá na Casa, que faz as portas baterem e que afugenta os possíveis interessados na sua compra? Será que a mártir da terra, Heloísa Monteiro, assombra aquele lugar, desde a sua morte às mãos dos invasores franceses?
Luísa sente algo inexplicável na Casa, que a alerta a partir, a salvar-se. Aquele lugar pode ser o seu fim. Ou um princípio.

Sobre a autora: Elsa Guilherme sempre gostou de livros e de palavras. Em criança, não havia um livro em casa que não tivesse lido. Mais tarde, quando não os comprava, ia à Biblioteca buscá-los.
Sempre ouviu histórias: de vida, de expectativas, de sonhos. Concluiu, nos seus 44 anos, que todos temos uma história, que explica tudo – o que dizemos e as escolhas que fazemos.
Estudou Ciências da Comunicação na Universidade Nova e dedicou-se à consultoria de formação. Queria que a formação alterasse a vida das pessoas de uma empresa, as mudasse um pouco, lhes causasse impacto para que, no dia seguinte, quisessem fazer algo diferente.
Tinha o sonho de escrever um livro. Escreveu-o em 2016, mas não foi suficiente e nunca mais parou.

terça-feira, 10 de julho de 2018

Janne Teller - Guerra [Resultado Passatempo Bertrand]


Com a preciosa colaboração da editora Bertrand, a menina dos policiais tinha um exemplar do livro Guerra de Janne Teller para oferecer, prémio atribuído amanhã no evento Meet&Greet.
Desde já agradeço à editora e aos participantes. O vencedor foi:

André Daniel Cerejo da Silva

Parabéns ao vencedor!  Por favor envie-me um email com o seu contacto para que o possa informar sobre o local do evento. Aos restantes que participaram, certamente terei mais passatempos para que tentem a vossa sorte! Até breve!  

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Yrsa Sigurdardóttir - O Legado [Divulgação Quetzal]


Data de publicação: 6 Julho 2018

               Título Original: The Legacy
               Tradução: Patricia Muller
               Preço com IVA: 18,80€
               Páginas: 456
               ISBN: 9789897224331


Sinopse: Uma jovem mulher é brutalmente assassinada na sua casa, em Reiquejavique. A única testemunha é a filha de sete anos, mas a criança não fala. Quando uma segunda mulher é assassinada, a polícia fica literalmente sem saber o que fazer. Entretanto, um radioamador recebe mensagens peculiares que o põem em conexão com as mulheres assassinadas, e a curiosidade move-o a começar uma investigação por conta própria. Huldar, o detetive responsável por este caso, e Freyia, a psicóloga que tem a cargo a miúda – que presenciou o homicídio –, são obrigados a trabalhar em conjunto. Mas esta colaboração não é fácil: poucas semanas antes tinham-se conhecido num bar e passado a noite juntos, e, na manhã seguinte, ao acordar, Freyia constatara, dececionada, que Huldar – que se dera a conhecer não como polícia, mas como um carpinteiro recém-chegado à cidade – se eclipsara. Autora cimeira do supense (e dos tops de vendas) na Escandinávia e em todo o Mundo, Yrsa Sigurdardóttir mostra mais uma vez a sua competência na criação de uma história de grande ritmo narrativo, personagens inesquecíveis e uma intriga de grande inteligência. "O Legado" é o primeiro livro da «Trilogia DNA», também conhecida como «série Freyia e Huldar». Seguir-se-ão "O Vortex" e "A Absolvição".

Sobre a autora: Yrsa Sigurdardóttir vive com a família em Reiquejavique. É diretora de uma das maiores empresas de engenharia da Islândia. Os seus livros estão nos topos das listas de bestsellers em todo o Mundo. Muitos deles estão a ser adaptados ao cinema e à televisão.


Stephen King - Fim de Turno [Divulgação Bertrand]


Data de publicação: 6 Julho 2018

               Título Original: End of Watch
               Tradução: Ana Lourenço
               Preço com IVA: 18,80€
               Páginas: 368
               ISBN: 9789722535458

Sinopse: Bill Hodges, que agora gere uma agência com a colega Holly Gibney, fica intrigado com a letra Z escrita a marcador na cena de um crime para que são chamados.
À medida que se vão acumulando casos idênticos, Hodges fica espantado ao perceber que as pistas apontam para Brady Hartsfield, o célebre «assassino do Mercedes» que eles ajudaram a condenar. Devia ser impossível: Brady está confinado a um quarto de hospital num estado aparentemente vegetativo.
Mas Brady Hartsfield tem novos poderes letais. E planeia uma vingança, não só contra Hodges e os seus amigos, mas contra a cidade inteira.
O relógio bate de formas inesperadas…

Sobre o autor: Stephen King é um dos mais populares autores contemporâneos. Escreveu mais de quarenta livros, incluindo A Cúpula e 22/11/63.
Recebeu diversos prémios literários ao longo da sua carreira, incluindo o Bram Stoker Award, o World Fantasy Award, o Nebula Award e o prestigiado National Book Award.
Conta hoje com mais de trezentos milhões de exemplares vendidos em cerca de trinta e cinco países. Números e um currículo impressionantes a fazerem jus ao seu estatuto de escritor mais bem pago do mundo.


Imprensa
«Emocionante, elegante e pungente.»
Sunday Mirror



Janne Teller - Guerra [Passatempo Bertrand]


Com o apoio da Bertrand, hoje trago-vos um passatempo especial. O vencedor, além de receber um exemplar de Guerra da dinamarquesa, Janne Teller, participará no Meet&Greet dia 11 de julho às 19h num local, que posteriormente indicarei, em Lisboa.  
A autora da controversa obra Nada, estará em Lisboa para promover o seu novo livro.  

Note-se que o livro será entregue no evento pelo que será fulcral a disponibilidade do vencedor em comparecer ao Meet&Greet. 

Regras do Passatempo:
- O passatempo começa hoje, 6 de Julho de 2018 e termina às 19h00 do dia 10 de Julho de 2017.
- Os participantes deverão ser seguidores do blogue (fazer login na caixa dos seguidores na barra direita do blogue) e partilhar o passatempo em modo público.
- O participante vencedor será escolhido aleatoriamente.
- O vencedor será contactado via e-mail.
- O prémio será entregue no Meet&Greet dia 11 de Julho de 2018

Só me resta desejar boa sorte aos participantes!!! :)


Robin Cook - Charlatães [Divulgação Bertrand]


Data de publicação: 6 Julho 2018

               Título Original:Charlatans
               Preço com IVA: 18,80€ 
               Páginas: 424
               ISBN: 9789722535403

O mais recente livro assinado por Robin Cook, «Charlatães», chega hoje às livrarias portuguesas e garante uma história vertiginosa e aterradora. Médico e escritor, Cook combina a sua vasta experiência em ambas as áreas neste assombroso thriller, que manterá o leitor preso da primeira à última gota.

Misteriosos erros médicos – que acabaram na morte inesperada de vários pacientes – levam a que todo o pessoal médico do Hospital Universitário de Boston seja investigado. Num dos mais célebres e qualificados hospitais do mundo, diversos erros fatais não são apenas uma coincidência, tornando todos suspeitos e lançando os responsáveis do hospital numa desesperada e incessante busca pelo culpado.

Com uma narrativa intensa e cativante, o autor bestseller transporta o funcionamento interno e o treino médico de um dos mais conceituados centros hospitalares do mundo para uma intriga política, construindo personagens que denunciam o sistema corrompido e os interesses pessoais instituídos.

Sinopse: «Célebre pelos seus avanços na medicina, o hospital universitário de Boston tem diversas «salas de operações híbridas do futuro». Os tratamentos são mais bem-sucedidos e os riscos muito reduzidos. É por isso um choque quando um erro de anestesia durante uma operação de rotina resulta na morte do paciente. O Dr. Noah suspeita de William Mason, um cirurgião de renome internacional, narcisista e snobe. Mas Mason põe todas as culpas na anestesista Ava London.
Quando começam a surgir mais mortes associadas a erros nas anestesias, Noah é obrigado a investigar todo o seu pessoal médico, incluindo Ava, que pode muito bem não ser quem parecia ser.
Mas, sobretudo, é preciso descobrir o culpado antes que mais mortes sucedam.»

Sobre o autor: Robin Cook é médico e escritor. A sua ficção gira em torno da medicina e de temas relacionados com a saúde pública, sendo especialmente conhecido por combinar este género com o thriller.
Muitos dos seus livros são bestsellers do New York Times e venderam perto de 400 milhões de exemplares pelo mundo inteiro.


Imprensa
«Agarra-nos… Aterrador» 
New York Times


terça-feira, 3 de julho de 2018

B.A. Paris - À Beira do Colapso [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: No ano passado li um livro que tardará em sair-me da retina: Ao Fechar A Porta. Nunca mais me esquecerei das personagens e, principalmente, da história tão angustiante. Por ter ficado tão rendida a essa obra, quis revisitar a autora B.A. Paris. 
À Beira do Colapso é o segundo livro da autora e, na minha modesta opinião, não foi tão bem sucedido como a obra de estreia.

Recordo-me perfeitamente da sensação sufocante que me acompanhou no decorrer da leitura de Ao Fechar a Porta, um estado de espírito que apenas esteve intermitente aquando a leitura de À Beira do Colapso. Tenho para mim que houve um efeito surpresa que se evidenciou no livro precedente da autora ao passo que, na presente obra, a narrativa desenvolve-se em torno da premissa sem twists de maior.

Creio que o ponto forte da trama é a caracterização de Cass, a protagonista. Embora esta não seja uma personagem digna de confiança, fruto de uma doença degenerativa que se manifesta precocemente, é talvez devido a esta condição que estabelecemos uma empatia imediata com a mesma. 
Diria mesmo que o cerne da trama gira em torno do desenvolvimento da protagonista e, desta forma, a investigação criminal acaba por ser secundarizada, algo que é pouco usual no género thriller e que acaba por transformar esta obra numa espécie de drama com contornos policiais. 

Na minha opinião, é justamente esta caracterização extensiva da personagem (e diversos episódios de confusão desta) que tornam o ritmo lento e diria até, um pouco repetitivo. 
Contudo, o meu interesse não esmoreceu uma vez que me senti incrédula com algumas percepções da protagonista e, acima de tudo, curiosa para desvendar o quebra cabeças que B.A. Paris propõe.

Confesso que considerei o desfecho algo previsível, o que, honestamente, me deixou um pouco desiludida. É inevitável estabelecer comparações entre a presente obra e a sua predecessora e, mais uma vez, reforço a intensidade do clímax de Ao Fechar A Porta, ao passo que À Beira do Abismo apresenta uma resolução consideravelmente mais simples e expectável. Um mistério desta natureza carecia de um twist final que me deixasse mais boquiaberta.

Em suma, um livro de fácil digestão mas menos desafiante em comparação com o romance de estreia da autora.
Pelo que pude apurar, o terceiro livro, Bring Me Back, já terá sido publicado lá fora e eu ficarei a aguardar para que possa avaliar a trajectória de B.A. Paris. 

Para mais informações sobre À Beira do Colapso, clique aqui
Para mais informações sobre a Editorial Presença, clique aqui

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Joël Dicker - O Desaparecimento de Stephanie Mailer [Divulgação Alfaguara]


Data de publicação: 3 Julho 2018

               Título Original: La Disparition de Stephanie Mailer
               Preço com IVA: 22,00€ 
               Páginas: 672
               ISBN: 9789896655884

Sinopse: Na noite de 30 de Julho de 1994, a pacata vila de Orphea, na costa leste dos Estados Unidos, assiste ao grande espectáculo de abertura do festival de teatro. Mas o presidente da Câmara está atrasado para a cerimónia… Ao mesmo tempo, Samuel Paladin percorre as ruas desertas da vila à procura da mulher, que saiu para correr e não voltou. Só pára quando encontra o seu corpo em frente à casa do presidente da Câmara. Dentro da casa, toda a família do presidente está morta. A investigação é entregue a Jesse Rosenberg e Derek Scott, dois jovens polícias do estado de Nova Iorque. Ambiciosos e tenazes, conseguem cercar o assassino e são condecorados por isso. Vinte anos mais tarde, na cerimónia de despedida de Rosenberg da Polícia, a jornalista Stephanie Mailer confronta-o com uma revelação inesperada: o assassino não é quem eles pensavam, e a jornalista reclama ter informações-chave para encontrar o verdadeiro culpado. Dias depois, Stephanie desaparece. Assim começa este thriller colossal, de ritmo vertiginoso, entrelaçando tramas, personagens, surpresas e volte-faces, sacudindo o leitor e impelindo-o, sem possibilidade de parar, até ao inesperado e inesquecível desenlace.O que aconteceu a Stephanie Mailer? E o que aconteceu realmente no Verão de 1994?

Sobre o autor: Joël Dicker nasceu em Genève, Suíça, em 1985. Estreou-se na literatura com Os últimos dias dos nossos pais (Alfaguara, 2014). Mas foi a publicação do segundo romance que fez dele um fenómeno literário global: A verdade sobre o caso Harry Quebert (Alfaguara, 2013) foi publicado em trinta e três países, vendeu mais de três milhões de exemplares e venceu o prémio de melhor romance da Academia Francesa de Letras, o Prix Goncourt des Lycéens e o prémio da revista Lire para melhor romance em língua francesa. Seguiu-se, em 2016, O Livro dos Baltimore. O desaparecimento de Stephanie Mailer é o seu quarto romance e confirma a mestria de Dicker no género do mistério literário. www.joeldicker.com

Imprensa
«Stephanie Mailer, tal como Harry Quebert antes dela, mantém-nos agarrados. Felizmente, escrever não é meramente “juntar palavras que formam frases”. Escrever também é construir, e nisso Dicker é excelente.» 
La Liberté 

«Como é o novo Dicker? Podemos responder, sem hesitação: extraordinário!» 
Le Point 

«Cinco temporadas de uma série de televisão viciante num só livro. O desaparecimento de Stephanie Mailer mostra em pleno o talento do escritor: uma teia de intrigas que mantém o leitor preso por um fio.» 
Le Temps 

«O autor redescobre a sua força sedutora: a combinação de eficácia visual à americana com a elegância do detalhe à europeia.» 
24 Heures 

«Dicker não larga a mão do leitor que, apesar da variedade de personagens, da avalanche de pistas falsas, nunca perde o fio à meada. A cada cinquenta páginas, o leitor pensa ter encontrado o verdadeiro assassino. Mas para isso terá de esperar: o autor é muito hábil e diverte-se como um louco a induzir o leitor em erro.» 
Le Figaro Littéraire 

«Romance após romance, Joël Dicker impõe-se como um mestre de ilusionismo.» 
Elle 

«Preciso, denso, dinâmico, rápido, divertido, atravessado por uma ironia refrescante. Mas a sua maior qualidade, e a sua evolução em relação aos livros anteriores, é que esta complexidade, esta rapidez de acção, não impede o romance de ser comovente e poético ao mesmo tempo. É um livro com alma.» 
Matin Dimanche 

«Enquanto Agatha Christie punha em cena “apenas” dez suspeitos, Joël Dicker joga com dezenas de personagens a um ritmo inacreditável. De tirar o fôlego!» 
Madame Figaro 

«Conhece aquele sentimento terrível de se sentir sozinho depois de acabar um romance incrível? Foi o que me aconteceu com este livro. Joël Dicker vai ainda mais longe do que antes com este livro.» 
Cosmopolitan