quinta-feira, 19 de julho de 2018

Elsa Guilherme - As Casas Também Morrem [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Sendo uma leitura voraz no género policial, foi com bastante interesse que li a obra de estreia de Elsa Guilherme. Um romance escrito em jeito de thriller, em que o suspense recai sobre uma misteriosa casa.

Luísa, agente imobiliária de Lisboa, desloca-se a Vilar de Fraga com o intuito de vender uma imponente casa. Há contudo uma particularidade: consta que a habitação está assombrada.  

Antes de mais, As Casas Também Morrem é um livro muitíssimo bem escrito. A autora tem o condão de transportar, efectivamente, o leitor para o vilarejo onde decorre a acção, tal é a riqueza de elementos etnográficos do Nordeste do país. Este sentimento tomou conta de mim num capítulo em particular, A Festa, com passagens alusivas à romaria local. 
Assim, diria que se cria uma afinidade com os habitantes de Vilar de Fraga. O leitor sente uma familiaridade com estes. Gostei, igualmente, de respirar esta atmosfera rural, longe do rebuliço citadino, tendo considerado igualmente verosímil a narrativa que se desenrola neste ambiente bucólico na medida em que encontramos uma teia de intrigas e segredos entre os populares, um facto que é transversal a quase todas as aldeias. A gastronomia local é igualmente rica, algo que nos abre constantemente o apetite. Saliento ainda as crenças religiosas que se fazem sentir de uma forma muito mais intensa do que nas cidades.

Alguns factos históricos que remontam às Invasões Francesas tornam a trama mais rica e interessante, sobretudo com a inclusão de trechos referentes ao século XIX que nos mostram como é que estas povoações mais isoladas, longe das principais cidades e desprovidas de meios de comunicação, lidaram com a passagem dos exércitos de Napoleão.

O mistério que a autora nos propõe é de carácter dúbio: será a componente sobrenatural quem rege este suspense ou os factos alusivos à casa terão uma explicação lógica? O mistério adensa-se quando uma das personagens morre em circunstâncias duvidosas. 

A força motriz da trama é, sem dúvida, a protagonista, Luísa. Considero que o leitor criará facilmente uma ligação com a protagonista, uma vez que esta se debate com um drama familiar: o seu filho, Afonso, sofre de uma perturbação no Espectro do Autismo, obrigando-a a conciliar a vida familiar com o trabalho na procura de um equilíbrio que nem sempre é possível.  Vamos pois observando como é que esta personagem se desdobra entre os seus afazeres profissionais e de mãe, sendo ainda enredada na presente trama, algo que desperta, no leitor, um sentimento de piedade.

Em jeito de conclusão, devo lamentar que não insisto quanto gostaria nos autores lusófonos. As Casas Também Morrem é uma trama bem engendrada, com recurso a factos históricos, folclore regional e personagens familiares. Ainda que o mistério assuma proporções secundárias, é uma trama cativante devido aos aspectos que ressalvei.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Laura Marshall - Pedido de Amizade [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Já tinha verificado este livro, Friend Request, em inúmeras listas de thrillers contemporâneos a ler. Por isso, fiquei muito agradada quando soube que este título seria também publicado em Portugal pela TopSeller.

Pedido de Amizade é um thriller que se debruça no fenómeno das redes sociais. Uma narrativa bastante actual ainda que seja complementada com flashbacks remotos a 1989. Dado que nasci nesta década e, de certa forma, sou revivalista, foi com bastante interesse que acompanhei estas passagens. Regra geral, embora não me reveja em tramas com cariz escolar, ambiente principal nos trechos relativos aos anos 80, houve um aspecto que tornou estas passagens bastante aliciantes. Tenho para mim que a autora foi beber ao afamado Carrie de Stephen King pois as cenas de bullying a Maria Weston recordaram-me a obra prima de terror. E creio que terá sido intencional na medida em que o livro Carrie é, de facto, mencionado algures na trama.

Na actualidade encontramos a protagonista, Louise Williams, que recebe um pedido de amizade no Facebook da antiga colega de escola, Maria. Seria uma situação comum se não fosse uma particularidade: Maria Weston morreu há 25 anos.

Pedido de Amizade é, acima de tudo, uma leitura desafiante devido ao seu carácter dúbio uma vez que se desconhece se o mistério que Laura Marshall nos propõe se resolveria por uma via lógica ou se recorria ao sobrenatural. Pessoalmente, senti-me bastante agradada com o rumo que a história se propôs.

Fui sugada para esta história aparentemente tão desconcertante. Achei muito bem conseguidos os flashbacks dos anos 80, intercalados com a subnarrativa actual que é igualmente cativante. 
Alguém está a perseguir Louise e o perigo parece ser bastante mais real do que um simples e virtual pedido de amizade. Por norma, as protagonistas desta vaga de thrillers domésticos têm uma particularidade comum: são não confiáveis. Em Pedido de Amizade tal não se sucede e creio que é fomentada alguma empatia entre o leitor e Louise, sentimento que atribuo também ao seu contexto familiar.

O desfecho foi bastante intenso, na minha opinião. Ainda que possa considerar que tenha sido, de certa forma, expectável a resolução do mistério alusivo a Maria Weston, a autora surpreendeu-me com um twist final e este, sim, bastante forte.

Em suma, mais uma excelente aposta! 
Este thriller psicológico é, definitivamente, diferente dos demais por explorar os poderosos efeitos das redes sociais, temática que não tenho visto explanada na literatura do género actualmente. Ainda que a minha escolaridade se tenha situado, na grande maioria, nos anos 90, senti-me a deambular pela década de 80. Foi uma viagem ao passado muito gratificante.


quinta-feira, 12 de julho de 2018

Elsa Guilherme - As Casas Também Morrem [Divulgação CoolBooks]


Sinopse: Luísa Menezes refugia-se no trabalho, para fugir ao doloroso internamento do seu filho. É uma das melhores avaliadoras de imóveis do país, e é nessa condição que é convidada a visitar uma casa «problemática», conhecida como a Casa do Inglês.
Instala-se na terra mais próxima, Vilar de Fragas, perdida nos montes e escondida entre gigantescas pedras graníticas. Descobre uma vila isolada do mundo, povoada de histórias, desejos e pecados.
Desde o primeiro momento, Luísa encantou-se com a Casa do Inglês. Esse primeiro encontro marca o início de uma história com muitas perguntas, que a impedem de partir: Que livro será aquele que a «louca da terra» lhe deixou? O que existirá na Casa, que faz as portas baterem e que afugenta os possíveis interessados na sua compra? Será que a mártir da terra, Heloísa Monteiro, assombra aquele lugar, desde a sua morte às mãos dos invasores franceses?
Luísa sente algo inexplicável na Casa, que a alerta a partir, a salvar-se. Aquele lugar pode ser o seu fim. Ou um princípio.

Sobre a autora: Elsa Guilherme sempre gostou de livros e de palavras. Em criança, não havia um livro em casa que não tivesse lido. Mais tarde, quando não os comprava, ia à Biblioteca buscá-los.
Sempre ouviu histórias: de vida, de expectativas, de sonhos. Concluiu, nos seus 44 anos, que todos temos uma história, que explica tudo – o que dizemos e as escolhas que fazemos.
Estudou Ciências da Comunicação na Universidade Nova e dedicou-se à consultoria de formação. Queria que a formação alterasse a vida das pessoas de uma empresa, as mudasse um pouco, lhes causasse impacto para que, no dia seguinte, quisessem fazer algo diferente.
Tinha o sonho de escrever um livro. Escreveu-o em 2016, mas não foi suficiente e nunca mais parou.

terça-feira, 10 de julho de 2018

Janne Teller - Guerra [Resultado Passatempo Bertrand]


Com a preciosa colaboração da editora Bertrand, a menina dos policiais tinha um exemplar do livro Guerra de Janne Teller para oferecer, prémio atribuído amanhã no evento Meet&Greet.
Desde já agradeço à editora e aos participantes. O vencedor foi:

André Daniel Cerejo da Silva

Parabéns ao vencedor!  Por favor envie-me um email com o seu contacto para que o possa informar sobre o local do evento. Aos restantes que participaram, certamente terei mais passatempos para que tentem a vossa sorte! Até breve!  

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Yrsa Sigurdardóttir - O Legado [Divulgação Quetzal]


Data de publicação: 6 Julho 2018

               Título Original: The Legacy
               Tradução: Patricia Muller
               Preço com IVA: 18,80€
               Páginas: 456
               ISBN: 9789897224331


Sinopse: Uma jovem mulher é brutalmente assassinada na sua casa, em Reiquejavique. A única testemunha é a filha de sete anos, mas a criança não fala. Quando uma segunda mulher é assassinada, a polícia fica literalmente sem saber o que fazer. Entretanto, um radioamador recebe mensagens peculiares que o põem em conexão com as mulheres assassinadas, e a curiosidade move-o a começar uma investigação por conta própria. Huldar, o detetive responsável por este caso, e Freyia, a psicóloga que tem a cargo a miúda – que presenciou o homicídio –, são obrigados a trabalhar em conjunto. Mas esta colaboração não é fácil: poucas semanas antes tinham-se conhecido num bar e passado a noite juntos, e, na manhã seguinte, ao acordar, Freyia constatara, dececionada, que Huldar – que se dera a conhecer não como polícia, mas como um carpinteiro recém-chegado à cidade – se eclipsara. Autora cimeira do supense (e dos tops de vendas) na Escandinávia e em todo o Mundo, Yrsa Sigurdardóttir mostra mais uma vez a sua competência na criação de uma história de grande ritmo narrativo, personagens inesquecíveis e uma intriga de grande inteligência. "O Legado" é o primeiro livro da «Trilogia DNA», também conhecida como «série Freyia e Huldar». Seguir-se-ão "O Vortex" e "A Absolvição".

Sobre a autora: Yrsa Sigurdardóttir vive com a família em Reiquejavique. É diretora de uma das maiores empresas de engenharia da Islândia. Os seus livros estão nos topos das listas de bestsellers em todo o Mundo. Muitos deles estão a ser adaptados ao cinema e à televisão.


Stephen King - Fim de Turno [Divulgação Bertrand]


Data de publicação: 6 Julho 2018

               Título Original: End of Watch
               Tradução: Ana Lourenço
               Preço com IVA: 18,80€
               Páginas: 368
               ISBN: 9789722535458

Sinopse: Bill Hodges, que agora gere uma agência com a colega Holly Gibney, fica intrigado com a letra Z escrita a marcador na cena de um crime para que são chamados.
À medida que se vão acumulando casos idênticos, Hodges fica espantado ao perceber que as pistas apontam para Brady Hartsfield, o célebre «assassino do Mercedes» que eles ajudaram a condenar. Devia ser impossível: Brady está confinado a um quarto de hospital num estado aparentemente vegetativo.
Mas Brady Hartsfield tem novos poderes letais. E planeia uma vingança, não só contra Hodges e os seus amigos, mas contra a cidade inteira.
O relógio bate de formas inesperadas…

Sobre o autor: Stephen King é um dos mais populares autores contemporâneos. Escreveu mais de quarenta livros, incluindo A Cúpula e 22/11/63.
Recebeu diversos prémios literários ao longo da sua carreira, incluindo o Bram Stoker Award, o World Fantasy Award, o Nebula Award e o prestigiado National Book Award.
Conta hoje com mais de trezentos milhões de exemplares vendidos em cerca de trinta e cinco países. Números e um currículo impressionantes a fazerem jus ao seu estatuto de escritor mais bem pago do mundo.


Imprensa
«Emocionante, elegante e pungente.»
Sunday Mirror



Janne Teller - Guerra [Passatempo Bertrand]


Com o apoio da Bertrand, hoje trago-vos um passatempo especial. O vencedor, além de receber um exemplar de Guerra da dinamarquesa, Janne Teller, participará no Meet&Greet dia 11 de julho às 19h num local, que posteriormente indicarei, em Lisboa.  
A autora da controversa obra Nada, estará em Lisboa para promover o seu novo livro.  

Note-se que o livro será entregue no evento pelo que será fulcral a disponibilidade do vencedor em comparecer ao Meet&Greet. 

Regras do Passatempo:
- O passatempo começa hoje, 6 de Julho de 2018 e termina às 19h00 do dia 10 de Julho de 2017.
- Os participantes deverão ser seguidores do blogue (fazer login na caixa dos seguidores na barra direita do blogue) e partilhar o passatempo em modo público.
- O participante vencedor será escolhido aleatoriamente.
- O vencedor será contactado via e-mail.
- O prémio será entregue no Meet&Greet dia 11 de Julho de 2018

Só me resta desejar boa sorte aos participantes!!! :)


Robin Cook - Charlatães [Divulgação Bertrand]


Data de publicação: 6 Julho 2018

               Título Original:Charlatans
               Preço com IVA: 18,80€ 
               Páginas: 424
               ISBN: 9789722535403

O mais recente livro assinado por Robin Cook, «Charlatães», chega hoje às livrarias portuguesas e garante uma história vertiginosa e aterradora. Médico e escritor, Cook combina a sua vasta experiência em ambas as áreas neste assombroso thriller, que manterá o leitor preso da primeira à última gota.

Misteriosos erros médicos – que acabaram na morte inesperada de vários pacientes – levam a que todo o pessoal médico do Hospital Universitário de Boston seja investigado. Num dos mais célebres e qualificados hospitais do mundo, diversos erros fatais não são apenas uma coincidência, tornando todos suspeitos e lançando os responsáveis do hospital numa desesperada e incessante busca pelo culpado.

Com uma narrativa intensa e cativante, o autor bestseller transporta o funcionamento interno e o treino médico de um dos mais conceituados centros hospitalares do mundo para uma intriga política, construindo personagens que denunciam o sistema corrompido e os interesses pessoais instituídos.

Sinopse: «Célebre pelos seus avanços na medicina, o hospital universitário de Boston tem diversas «salas de operações híbridas do futuro». Os tratamentos são mais bem-sucedidos e os riscos muito reduzidos. É por isso um choque quando um erro de anestesia durante uma operação de rotina resulta na morte do paciente. O Dr. Noah suspeita de William Mason, um cirurgião de renome internacional, narcisista e snobe. Mas Mason põe todas as culpas na anestesista Ava London.
Quando começam a surgir mais mortes associadas a erros nas anestesias, Noah é obrigado a investigar todo o seu pessoal médico, incluindo Ava, que pode muito bem não ser quem parecia ser.
Mas, sobretudo, é preciso descobrir o culpado antes que mais mortes sucedam.»

Sobre o autor: Robin Cook é médico e escritor. A sua ficção gira em torno da medicina e de temas relacionados com a saúde pública, sendo especialmente conhecido por combinar este género com o thriller.
Muitos dos seus livros são bestsellers do New York Times e venderam perto de 400 milhões de exemplares pelo mundo inteiro.


Imprensa
«Agarra-nos… Aterrador» 
New York Times


terça-feira, 3 de julho de 2018

B.A. Paris - À Beira do Colapso [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: No ano passado li um livro que tardará em sair-me da retina: Ao Fechar A Porta. Nunca mais me esquecerei das personagens e, principalmente, da história tão angustiante. Por ter ficado tão rendida a essa obra, quis revisitar a autora B.A. Paris. 
À Beira do Colapso é o segundo livro da autora e, na minha modesta opinião, não foi tão bem sucedido como a obra de estreia.

Recordo-me perfeitamente da sensação sufocante que me acompanhou no decorrer da leitura de Ao Fechar a Porta, um estado de espírito que apenas esteve intermitente aquando a leitura de À Beira do Colapso. Tenho para mim que houve um efeito surpresa que se evidenciou no livro precedente da autora ao passo que, na presente obra, a narrativa desenvolve-se em torno da premissa sem twists de maior.

Creio que o ponto forte da trama é a caracterização de Cass, a protagonista. Embora esta não seja uma personagem digna de confiança, fruto de uma doença degenerativa que se manifesta precocemente, é talvez devido a esta condição que estabelecemos uma empatia imediata com a mesma. 
Diria mesmo que o cerne da trama gira em torno do desenvolvimento da protagonista e, desta forma, a investigação criminal acaba por ser secundarizada, algo que é pouco usual no género thriller e que acaba por transformar esta obra numa espécie de drama com contornos policiais. 

Na minha opinião, é justamente esta caracterização extensiva da personagem (e diversos episódios de confusão desta) que tornam o ritmo lento e diria até, um pouco repetitivo. 
Contudo, o meu interesse não esmoreceu uma vez que me senti incrédula com algumas percepções da protagonista e, acima de tudo, curiosa para desvendar o quebra cabeças que B.A. Paris propõe.

Confesso que considerei o desfecho algo previsível, o que, honestamente, me deixou um pouco desiludida. É inevitável estabelecer comparações entre a presente obra e a sua predecessora e, mais uma vez, reforço a intensidade do clímax de Ao Fechar A Porta, ao passo que À Beira do Abismo apresenta uma resolução consideravelmente mais simples e expectável. Um mistério desta natureza carecia de um twist final que me deixasse mais boquiaberta.

Em suma, um livro de fácil digestão mas menos desafiante em comparação com o romance de estreia da autora.
Pelo que pude apurar, o terceiro livro, Bring Me Back, já terá sido publicado lá fora e eu ficarei a aguardar para que possa avaliar a trajectória de B.A. Paris. 

Para mais informações sobre À Beira do Colapso, clique aqui
Para mais informações sobre a Editorial Presença, clique aqui

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Joël Dicker - O Desaparecimento de Stephanie Mailer [Divulgação Alfaguara]


Data de publicação: 3 Julho 2018

               Título Original: La Disparition de Stephanie Mailer
               Preço com IVA: 22,00€ 
               Páginas: 672
               ISBN: 9789896655884

Sinopse: Na noite de 30 de Julho de 1994, a pacata vila de Orphea, na costa leste dos Estados Unidos, assiste ao grande espectáculo de abertura do festival de teatro. Mas o presidente da Câmara está atrasado para a cerimónia… Ao mesmo tempo, Samuel Paladin percorre as ruas desertas da vila à procura da mulher, que saiu para correr e não voltou. Só pára quando encontra o seu corpo em frente à casa do presidente da Câmara. Dentro da casa, toda a família do presidente está morta. A investigação é entregue a Jesse Rosenberg e Derek Scott, dois jovens polícias do estado de Nova Iorque. Ambiciosos e tenazes, conseguem cercar o assassino e são condecorados por isso. Vinte anos mais tarde, na cerimónia de despedida de Rosenberg da Polícia, a jornalista Stephanie Mailer confronta-o com uma revelação inesperada: o assassino não é quem eles pensavam, e a jornalista reclama ter informações-chave para encontrar o verdadeiro culpado. Dias depois, Stephanie desaparece. Assim começa este thriller colossal, de ritmo vertiginoso, entrelaçando tramas, personagens, surpresas e volte-faces, sacudindo o leitor e impelindo-o, sem possibilidade de parar, até ao inesperado e inesquecível desenlace.O que aconteceu a Stephanie Mailer? E o que aconteceu realmente no Verão de 1994?

Sobre o autor: Joël Dicker nasceu em Genève, Suíça, em 1985. Estreou-se na literatura com Os últimos dias dos nossos pais (Alfaguara, 2014). Mas foi a publicação do segundo romance que fez dele um fenómeno literário global: A verdade sobre o caso Harry Quebert (Alfaguara, 2013) foi publicado em trinta e três países, vendeu mais de três milhões de exemplares e venceu o prémio de melhor romance da Academia Francesa de Letras, o Prix Goncourt des Lycéens e o prémio da revista Lire para melhor romance em língua francesa. Seguiu-se, em 2016, O Livro dos Baltimore. O desaparecimento de Stephanie Mailer é o seu quarto romance e confirma a mestria de Dicker no género do mistério literário. www.joeldicker.com

Imprensa
«Stephanie Mailer, tal como Harry Quebert antes dela, mantém-nos agarrados. Felizmente, escrever não é meramente “juntar palavras que formam frases”. Escrever também é construir, e nisso Dicker é excelente.» 
La Liberté 

«Como é o novo Dicker? Podemos responder, sem hesitação: extraordinário!» 
Le Point 

«Cinco temporadas de uma série de televisão viciante num só livro. O desaparecimento de Stephanie Mailer mostra em pleno o talento do escritor: uma teia de intrigas que mantém o leitor preso por um fio.» 
Le Temps 

«O autor redescobre a sua força sedutora: a combinação de eficácia visual à americana com a elegância do detalhe à europeia.» 
24 Heures 

«Dicker não larga a mão do leitor que, apesar da variedade de personagens, da avalanche de pistas falsas, nunca perde o fio à meada. A cada cinquenta páginas, o leitor pensa ter encontrado o verdadeiro assassino. Mas para isso terá de esperar: o autor é muito hábil e diverte-se como um louco a induzir o leitor em erro.» 
Le Figaro Littéraire 

«Romance após romance, Joël Dicker impõe-se como um mestre de ilusionismo.» 
Elle 

«Preciso, denso, dinâmico, rápido, divertido, atravessado por uma ironia refrescante. Mas a sua maior qualidade, e a sua evolução em relação aos livros anteriores, é que esta complexidade, esta rapidez de acção, não impede o romance de ser comovente e poético ao mesmo tempo. É um livro com alma.» 
Matin Dimanche 

«Enquanto Agatha Christie punha em cena “apenas” dez suspeitos, Joël Dicker joga com dezenas de personagens a um ritmo inacreditável. De tirar o fôlego!» 
Madame Figaro 

«Conhece aquele sentimento terrível de se sentir sozinho depois de acabar um romance incrível? Foi o que me aconteceu com este livro. Joël Dicker vai ainda mais longe do que antes com este livro.» 
Cosmopolitan

 

Simone St. James - As Raparigas Perdidas [Divulgação TopSeller]


Data de publicação: 2 Julho 2018

               Título Original: The Broken Girls
               Preço com IVA: 18,79€ 
               Páginas: 352
               ISBN: 9789898917140

Sinopse: Vermont, 1950
Há um lugar para onde vão as raparigas que ninguém quer. As raparigas problemáticas, as filhas ilegítimas, aquelas que são demasiado espertas para o seu próprio bem. É uma escola chamada Idlewild Hall, que na vila se diz estar assombrada. Quatro colegas tornam-se amigas, sussurrando sobre os seus medos. Até que uma desaparece?

Vermont, 2014

Por muito que tente, a jornalista Fiona Sheridan não consegue deixar de revisitar os eventos que, há 20 anos, levaram à morte da sua irmã, cujo corpo foi encontrado nos jardins da abandonada Idlewild Hall. Apesar de o namorado da irmã ter sido julgado e condenado pela sua morte, Fiona tem a certeza de que algo ficou por contar?

Quando descobre que Idlewild Hall vai ser recuperada por um investidor anónimo, Fiona decide que é hora de escrever um artigo sobre a história, e desenterrar todos os seus segredos.

E, com eles, uma voz que se ouvia pelos corredores?

Sobre a autora: Simone St. James é uma escritora canadiana, vencedora de dois prémios RITA e ainda o prémio Arthur Ellis para escrita de policiais. 
Antes de se dedicar à escrita a tempo inteiro, trabalhou 20 anos em televisão. Vive nos arredores de Toronto com o marido e um gato mimado, que adotou. É viciada em sushi, romances góticos dos anos setenta, dias de chuva, café e na série Sherlock, da BBC.

Imprensa
«Um elemento de sobrenatural que arrepia, misturado com um mistério cativante. Funciona a vários níveis diferentes, e o enredo é soberbo.» 
Associated Press 

«Inteligente e maravilhosamente arrepiante. Fique refém desta história de fantasmas muito moderna até de madrugada.» 
Fiona Barton, autora bestseller 

 

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Liz Lawler - Não Adormeças [Opinião]


Sinopse: AQUI

Opinião: Don´t Wake Up, traduzido cá como Não Adormeças (simplesmente não consigo compreender a tradução contraditória do título para português que, na minha modesta opinião, deveria ser Não Acordes) é o thriller de estreia da autora britânica Liz Lawler. Pelo que pude apurar, a actividade profissional da autora relacionou-se com Enfermagem, o que terá, certamente, contribuído para a construção desta fantástica história.

O ambiente, maioritariamente situado em contexto hospitalar, é, a meu ver, o ponto forte da trama, sendo também o aspecto que destaca esta obra dos demais thrillers que tenho lido. Relembrou-me, de certa forma, as histórias de Robin Cook, as quais têm o condão de me transportar para um estado de hipocondria que, confesso, nunca sinto aquando da leitura de outros títulos do género, por mais violentos que sejam. Confesso que revivi esse estado de espírito durante a leitura de Não Adormeças. Creio que nem todas as obras têm este poder de mexer tanto com o leitor.

A trama inicia-se com um sinistro episódio: não tive como não me imaginar ali, numa marquesa, imobilizada e à mercê de um estranho. Embora desconheçamos o que terá acontecido à Dra. Alex, não há como não sentir algum desconforto com a situação e, na minha opinião, esta ocorrência foi determinante para que surja uma empatia quase imediata com a protagonista.

Portanto, a trama cativou-me e prendeu a minha atenção desde o primeiro instante.

Ainda que a protagonista seja médica, uma actividade profissional de elevada consideração, o suspense da história advém da convicção da Dra. Alex em provar o que lhe aconteceu ou melhor, o que ela acha que aconteceu. No meu ponto de vista, o leitor ficará convencido que os acontecimentos do primeiro capítulo são reais, não obstante pairar a dúvida se terá sido apenas uma alucinação da protagonista.
Tal como a grande parte dos thrillers psicológicos publicados ultimamente, a personagem principal não é confiável, facto que dificulta a tarefa de tentar descortinar o sucedido, contudo, no caso em apreço, a situação inicial poderá ser confundida com um episódio psicótico, o que, a meu ver, reforça  o suspense da trama na perfeição.

O desenvolvimento, repleto de situações sufocantes e falsas pistas, entrosadas com crimes bem suspeitos, facto que se revelou deveras entusiasmante. Senti-me genuinamente intrigada com a história e, acima de tudo, com a impossibilidade em apontar um vilão. Gostei de ler algumas considerações mais técnicas do foro médico, uma área que sempre me fascinou.

Creio que o factor que constitui a maior surpresa relaciona-se com o desvendar da identidade do vilão, bem como das motivações do mesmo. Desse modo estamos perante um clímax digno desse nome.
Em suma um thriller empolgante e diferente devido, como já frisei, ao ambiente no qual se desenrola.



quarta-feira, 27 de junho de 2018

Edgar Wallace - A Porta das Sete Chaves [Divulgação Colecção Vampiro]





Data de publicação: 5 Julho 2018

               Titulo Original: The Door with Seven Locks
               Tradução: Pedro Bruno Dischinger
               Preço com IVA: 7,70€
               Páginas: 240
               ISBN: 9789723830699

Depois de A Pista do Alfinete Novo, a Livros do Brasil lança a 5 de julho na sua coleção Vampiro A Porta das Sete Chaves, de Edgar Wallace, um dos livros mais lidos do autor e adaptado ao cinema em 1940 pelo realizador inglês Norman Lee. 
Numa história que envolve um herdeiro britânico numa viagem de trajetória impossível de acompanhar, um ladrão de automóveis convertido em motorista de um doutor em leis e um jardineiro
madeirense portador de um precioso objeto, Edgar Wallace constrói em A Porta das Sete Chaves uma trama emocionante e cheia de reviravoltas.

Sinopse: Em vésperas de deixar a Scotland Yard, o subinspetor Dick Martin recebe como última incumbência a captura de Lew Pheeney, um criminoso seu velho conhecido e principal suspeito do assalto ao Banco de Helborough. Mas este apresenta-lhe um álibi surpreendente: na mesma hora em que se dava aquele crime, encontrava-se a executar um serviço particular, um tanto sujo mas honesto, de arrombamento de fechaduras. Depois de uma conversa com a bela bibliotecária Sybil Lansdown e de uma visita ao doutor Stalletti por causa de um livro desaparecido, quando o subinspetor regressa a casa, depara-se com um Lew Pheeney aterrado, em fuga do homem que o contratara. Mas, afinal, que serviço foi esse? Pheeney acaba por confessar: «Estive a tentar abrir um túmulo.»

Sobre o autor: Edgar Wallace nasceu em Londres a 1 de abril de 1875 e foi um prolífico jornalista, dramaturgo e romancista. Abandonando a escola aos doze anos, Wallace alista-se no exército aos dezoito e passa sete anos na África do Sul, onde se estreia no jornalismo como correspondente da agência Reuters. Regressa ao Reino Unido em 1901 e publica em 1905 o romance Os Quatro Homens
Justos, o primeiro de mais de cento e setenta títulos que publicaria ao longo de vinte e sete anos. Mais do que a construção de problemas complexos que desafiassem o leitor, Wallace privilegiou a elaboração de histórias policiais de ação e aventura, de ritmo acelerado, num estilo cinematográfico que resultou com efeito na adaptação ao cinema de vários dos seus livros, tendo sido inclusive coargumentista do filme King Kong de 1933. Morreu em Hollywood a 10 de fevereiro de 1932.

Já na coleção Vampiro:
No. 1: Os Crimes do Bispo, de S.S. Van Dine
No. 2: Vivenda Calamidade, de Ellery Queen
No. 3: O Falcão de Malta, de Dashiell Hammett
No. 4: O Imenso Adeus, de Raymond Chandler
No. 5: Picada Mortal, de Rex Stout 
No. 6: O Mistério dos Fósforos Queimados, de Ellery Queen
No. 7: A Liga dos Homens Assustados, de Rex Stout
No. 8: A Morte da Canária, de S. S. Van Dine 
No. 9: O Grande Mistério de Bow, de Israel Zangwill
No. 10. A Dama do Lago, de Raymond Chandler
No. 11. A Pista do Alfinete Novo, de Edgar Wallace
No. 12. Colheita Sangrenta, de Dashiell Hammett
No. 13. O Caso da Quinta Avenida, de Anna Katharine Green  
No. 14. O Caso Benson, de S.S. Van Dine 
No. 15. O Impostor, de E. Phillips Oppenheim
No. 16. A Chave de Cristal, de Dashiell Hammett
No. 17. O Crime do Escaravelho, de S.S. Van Dine
No. 18. O Gato de Diamantes, de Dorothy L. Sayers 
No. 19. A Quadrilha de Rubber, de Rex Stout 
No. 20. O Enigma do Sapato Holandês, de Ellery Queen
No. 21. Um Crime em Glenlitten, de E. Phillips Oppenheim
No. 22. Estrada Para A Morte, de Margery Allingham
No. 23. O Crime Exige Propaganda, de Dorothy L. Sayers

Clare Empson - O Amor da Minha Vida [Divulgação ASA]


Data de publicação: 10 Julho 2018

               Título Original: Him
               Preço com IVA: 16,90€ 
               Páginas: 368
               ISBN: 9789892342740

Sinopse: CATHERINE deixou de falar. Algo a perturbou de tal forma que não consegue comunicar. Ninguém sabe o que foi. Para a ajudarem, os médicos terão de desvendar esse mistério. E começar pelo seu passado… por ele.
LUCIAN. O grande e único amor de Catherine, a quem ela abandonou uma noite, sem qualquer explicação, estilhaçando a vida de ambos. Anos depois, Catherine e Lucian voltam a encontrar-se. Tudo pode acontecer pois a paixão que os uniu mantém-se… mas sobre eles pesa ainda o segredo daquela noite fatídica. Catherine sabe que chegou o momento de o revelar. Será a verdade capaz de salvar este amor imenso que nem o tempo conseguiu esmorecer? Ou irá destruí-los de novo, arrastando-os irremediavelmente para o abismo?
O que acontece a seguir está na origem do silêncio de Catherine.
O que acontece a seguir… é a única coisa que ninguém podia prever. 

Sobre a autora: Clare Empson escrevia artigos para vários jornais ingleses até há oito anos, quando se mudou para o Sudoeste do país.
Nessa altura, começou o blogue de lifestyle e cultura countrycalling.co.uk.
Foi o cenário idílico que a rodeia o mote que inspirou o seu romance de estreia O Amor da Minha Vida.


quinta-feira, 21 de junho de 2018

John Douglas & Mark Olshaker - Mindhunter: Caçador de Mentes


Data de publicação: 21 Junho 2018

               Título Original: Mindhunter - Inside the FBI's Elite Serial Crime Unit
               Colecção: Diversos #59
               Preço com IVA: 19,50€ 
               Páginas: 396
               ISBN: 9789722362344

Sinopse: O que faz de alguém um assassino em série?
Os bastidores de alguns dos casos mais terríveis, mais impressionantes e desafiadores investigados pelo FBI. Ao longo de mais de duas décadas ao serviço desta instituição, o agente especial John Douglas tornou-se uma figura lendária, com uma ação exemplar na aplicação da lei e na perseguição aos mais sádicos e violentos homicidas do nosso tempo.
Tal como John Crawford em O Silêncio dos Inocentes, Douglas confrontou, entrevistou e estudou muitos assassinos em série, entre os quais Charles Manson, autor dos macabros crimes de Los Angeles no final da década de 1960. Com uma extraordinária habilidade para se colocar quer no lugar da vítima quer na do criminoso, Douglas analisa cada cena do crime, revivendo mentalmente as ações de um e de outro, definindo os seus perfis, descrevendo os seus hábitos, antevendo os passos seguintes.
Um fascinante relato de vida de um agente especial do FBI e da mente dos mais perturbados assassinos em série que ele perseguiu.
Escrito com a força de um thriller, embora assustadoramente real, Mindhunter - Caçador de Mentes é um clássico do género. Um livro que serviu de inspiração à série homónima da Netflix.

Sobre os autores:  
John Douglas é um ex-agente especial, pioneiro na elaboração de perfis de criminosos, do FBI. Ali, ajudou a desenvolver e a estabelecer a prática de análise de perfis para a resolução dos casos mais sinistros que envolvem assassinos em série. É autor de diversos livros, sobre a mente de assassinos e sobre os procedimentos de análise de perfis de criminosos. Escreveu, em coautoria, o célebre Crime Classification Manual. John Douglas aposentou-se ao fim de vinte e cinco anos ao serviço do FBI, deixando como legado uma prática consagrada de investigação.

Mark Olshaker é romancista e autor de livros de não ficção. Além disso, é argumentista, realizador e produtor de cinema. Escreveu e produziu numerosos documentários, entre os quais Mind of a Serial Killer, nomeado para um Emmy.

Imprensa
«Fascinante.» 
Paper 

«John Douglas sabe mais sobre assassinos em série do que qualquer outra pessoa em todo o mundo.»
Jonathan Demme, realizador de O Silêncio dos Inocentes 

«Um herói dos anos noventa: não como o polícia sempre em ação, mas sim como o agente especial que ousou investigar os inexplorados caminhos da mente.» 
The Observer 

«Um livro sensacional!»
Esquire 

«John Douglas foi pioneiro e mestre na elaboração de perfis de criminosos para o FBI. É uma das figuras mais interessantes, ao serviço do cumprimento da lei, que tive o privilégio de conhecer.» 
Patricia Cornwell, autora de romances policiais da série Scarpetta (Editorial Presença)

Para saber mais informações sobre o livro Mindhunter, clique aqui
Para saber mais informações sobre a Editorial Presença, clique aqui

Laura Lippman - Escaldão [Divulgação TopSeller]


Data de publicação: 18 Junho 2018

               Título Original: Sunburn
               Preço com IVA: 17,69€ 
               Páginas: 320
               ISBN: 9789898917034

Sinopse: Para um deles isto é um jogo.
Polly Costello e Adam Bosk conhecem-se num café de uma pequena cidade no estado americano de Delaware. Polly diz estar a caminho do oeste. Adam também parece estar de passagem. No entanto, ela acaba por ficar, e ele também, atraído por aquela ruiva misteriosa cuja quietude tanto o enerva quanto o apaixona.
Ao longo de um verão particularmente quente, Polly e Adam envolvem-se numa relação escaldante e implacável. No entanto, cada um deles esconde algo do outro. Algo perigoso, talvez letal. Até que alguém morre. Terá sido acidente, ou fará parte do plano de algum deles? Por essa altura, Polly e Adam estão tão embrenhados nas vidas e nas mentiras um do outro que nenhum deles sabe como dali sair, nem se o quererá fazer. Será o que sentem um pelo outro forte o suficiente para suportar a verdade, ou irá esta destruí-los?
Alguém vai ter de ceder. Qual deles será?

Sobre a autora: Laura Lippman é uma autora bestseller do New York Times. Foi jornalista durante 20 anos, 12 dos quais no Baltimore Sun, tendo escrito também para o New York Times, o Wall Street Journal e o Washington Post. Pela sua obra, já recebeu mais de 20 reconhecidos prémios literários, como o Edgar Award, o Anthony Award e o Agatha Award, e foi nomeada para cerca de outros 30.
Desde a sua estreia literária, em 1997, a autora já publicou 20 romances, uma novela e uma coleção de contos. O site Literary Hub nomeou-a uma das mais importantes escritoras de thrillers dos últimos 100 anos. Atualmente, vive em Baltimore com o marido e a filha.
Saiba mais sobre a autora em: www.lauralippman.net

Imprensa
«Laura Lippman é uma das melhores escritoras do momento. Ponto final.»
The Washington Post